Governo abre edital com 150 vagas para professores indígenas

Certame representa um marco na educação dos povos indígenas. Vagas são distribuídas para as 43 etnias do estado.

O governo do Estado deu um grande passo rumo à melhoria e valorização da educação indígena acreana, ao divulgar na manhã desta quarta-feira, 28, no Diário Oficial do Estado (DOE), o processo seletivo simplificado para professores indígenas.

São 150 vagas distribuídas para todas as 43 etnias do estado. Com isso, todos os 12 municípios acreanos onde há terras indígenas serão contemplados.

De acordo com o titular da Secretaria de Estado de Educação e Esporte (SEE), Marco Brandão, realizar o processo seletivo é um desafio e demonstra a ousadia do governador Tião Viana num momento histórico, “em que nenhum estado brasileiro se preocupou tanto com a educação dos povos indígenas quanto o Acre”.

Inscrições

As inscrições serão no período de 28 de fevereiro a 21 de março e podem ser feitas por meio do formulário de inscrição disponível no endereço eletrônico www.sga.ac.gov.br. Para efetivar a inscrição o candidato precisa preencher o formulário de inscrição online e entregar juntamente com a documentação solicitada no edital.

Em Rio Branco, o local é a Coordenação Escolar Indígena da SEE, localizada no Centro de Referências e Inovações Tecnológicas (Crie). Os candidatos que não dispuserem de acesso à internet podem realizar a inscrição num posto de atendimento do Núcleo da Secretaria de Educação nos municípios.

As localidades que dispõem de postos de atendimento são Assis Brasil, Sena Madureira, Santa Rosa do Purus, Manoel Urbano, Jordão, Tarauacá, Cruzeiro do Sul, Mâncio Lima, Rodrigues Alves, Porto Walter e Marechal Thaumaturgo.

Os cargos são para nível médio e superior. O certame compreenderá uma única fase e será apenas por análise curricular. O resultado final será divulgado dia 10 de abril, no Diário Oficial do Estado do Acre (www.diario.ac.gov.br).

Valorização indígena

O coordenador da Educação Indígena na SEE, Paulo Roberto Nunes, explica que os critérios do concurso, bem como outros documentos normativos que servirão para criar em legislação as categorias Escola e Professor Indígena, foram construídos coletivamente com as lideranças indígenas. “É uma luta que vem sendo demandada pelas lideranças e professores indígenas e está sendo atendida pelo governador e equipe.”

Para o assessor especial dos Povos Indígenas do Acre, Zezinho Yube, o concurso representa um ganho muito importante para os povos indígenas. “O governo está realizando um concurso público específico para os professores. É o reconhecimento de uma educação diferenciada”, destaca.

Yube lembra ainda que o governo tem incluído os povos indígenas nas políticas públicas e se tornado referência na Amazônia e em outros países nesse diálogo com as populações indígenas e tradicionais.