Bocalom sobre o blefe do PMDB: “não se úne com mentiras e enganação. Nem o DEM me fará abandonar o Ulisses”

Às 9 horas da próxima quinta-feira o senador José Agripino, presidente nacional do DEM, irá dissolver todas as executivas estaduais do partido.

Não é segredo que o impasse envolvendo Bocalom, atual presidente da legenda no Acre, e o deputado federal Alan Rick criou uma saia justa em Brasília.

Oficialmente, a organização do ato para dissolver o partido diz que uma comissão será criada para analisar como os novos quadros (políticos com chances de eleição e reeleição) seriam aproveitados no comando do Democratas. Entre os novatos está exatamente o jornalista e deputado federal, cotado para ser nomeado presidente regional e seguir a tendência de apoiar Gladson na corrida pelo Governo do Acre – dada a proximidade de Alan com o secretário geral, Pauderney Avelino, e do próprio Agripino com o senador acreano.

Bocalom, aliás, não tem certeza do que vai acontecer. Tanto que, se for preciso deixar a legenda, em nome do apoio ao coronel Ulisses (pré-candidato a governador do Acre), o fará sem pensar duas vezes.

Abaixo, os principais trechos de uma entrevista com ele, em que o assunto principal continua sendo a nada republicana investida do PMDB sobre a chapa que tem DEM, PSL e patriotas. Lembrando que Ulisses declarou que o Patriotas, hoje presidido pela sua esposa, e outras legendas “estão braços aberto esperando Bocalom”.

acjornal – Faça uma avaliação do que aconteceu…

Bocalom – Não entendo certas coisas na política. Para ser respeitado é preciso usar as pessoas? Quando os meninos do DEM me disseram que o PMDB queriam conversar, eu alertei: cuidado, isso pode ser uma jogada só para nos usar. E foi.  Isso é muito ruim. Como querem o nosso apoio e a união das oposições com mentiras pelo meio?  Essa é a pior forma de unir. Eu considero que foi mentira e enganação. Não deviam ter feito isso. Nós estamos tratando as coisas com seriedade, palavra e transparência. É por isso que os políticos estão todos na mesma vala. Que credibilidade é essa que tanto querem para a política? Eu repito: não será com esse tipo de jogada que os eleitores serão convencidos.

acjornal – O senhor vai….

Bocalom – O Ulisses é meu candidato ao governo e Pronto. Não tem como eu mudar de idéia, nem mesmo o Democratas. Eu não vou enganá-lo como tentaram nos enganar agora.

acjornal – Se o DEM sair do seu controle? O senhor tem falado com o Alan Rick?

Bocalom – Não temos nos falado não, tem algum tempo. Mas nos respeitamos. Eu não quero desagregação e creio que o deputado Alan, cristão que é, também quer o melhor para o Acre. Vamos esperar para ver o que vai acontecer em Brasília no dia 8.. Eu já disse que se tiver que apoiar o Gladson eu não vou (apoiar). Se o DEM achar que deve apoiar o Gladson, então meu amigo…eu não vou (apoiar).  Eu não fiz nada que não fosse combinado com o Alan, por exemplo, que é o nosso deputado federal e por quem nós temos o maior respeito. A idéia de tocar o projeto da terceira via foi conversada com todos.

Fonte: acjornal.com

:: Textos publicados nesta página são de inteira responsabilidade do colunista. Não refletem a opinião do Jornal.

.