Coluna do Astério

Prefeita Fernanda Hassem deixa claro que os candidatos ao Senado que ela vai apoiar são Jorge Viana e Ney Amorim.

Para deputado federal caminha para Leo de Brito e estadual, como já se sabia, vai apoiar a reeleição da Leila Galvão.

O negócio é o seguinte: quando qualquer membro da oposição do andar de baixo procura alguém do PT ou FPA jurando apoio é para valorizar o passe.

Entendeu Macunaíma?

Com certeza!

O Tribunal Regional Eleitoral e MPs Estadual e Federal (mais a Policia Federal) vão agir com extremo rigor (nos limites da lei) para punir partidos e candidatos que abusarem do poder econômico de uma forma geral. São indesculpáveis porque foram avisados.

Tem pesquisa fajuta na praça!

Por essas e outras que a política vai de mal a pior, ninguém trata a questões com seriedade.

Sempre alguém querendo passar a perna…

Como diz o Fernandinho Beira-Mar: “Chefia o problema é da cultura e do sistema político, todo mundo quer levar vantagem”.

Diz mais: “Sou apenas um empresário do ramo diversificado”.

Ou seja, drogas e armas!

Pesquisa séria mesmo só a partir de março quando a legislação eleitoral exige o CPF do pesquisado.

Se tiver treta à cobra fuma, a jiripoca pia e a Zefinha geme em sentir dor.

Essa semana fui abordado por dois elementos de alta periculosidade.

Gente sem escrúpulos e sem compaixão.

Um deles me pediu uma dentadura dentro da agencia da Caixa Econômica do Bosque.

O outro queria 50 litros de gasolina para tirar madeira ilegalmente para construir um barraco em uma área de APP.

Ameaçaram-me com uma arma mortal: o voto.

Se não der a dentadura e a gasolina ameaçaram votar em quem desse.

Expliquei trêmulo de medo de ser assassinado na urna que eu não seria candidato.

“Mas vai apoiar alguém”, me indagou um deles com o dedo em ríste, colocando a mão no bolso para mostrar a arma, no caso, o título de eleitor.

Respondi apressadamente para escapar do assalto: “Não sei senhor, estou vendo”.

“Se for apoiar alguém me avisa ou vou à sua casa”.

Sim, sim senhor seu eleitor.

Consegui me desvencilhar apressadamente e corri para o carro.

Esse país tá f*.

Sessão chocha na Aleac ontem.

Proibir ou não a venda de castanha na casca para fora do Acre deve ser feito com base em estudos sociais e econômicos.

Não é assim como depenar um frango, Heitor Junior.

:: Textos publicados nesta página são de inteira responsabilidade do colunista. Não refletem a opinião do Jornal.

.

Esta notícia está na categoria Asterio. Marcar o link.