Operação prende mais de 50 pessoas no Acre, Amazonas e Mato Grosso

O resultado da operação foi apresentado no auditório da Secretaria de Polícia Civil com a presença do Secretário de Polícia Civil Carlos Flávio Portela.

Andrey Santana 

Drogas, armas, munições e outros ilícitos foram apreendidos durante a ação policial (Foto: Secom)

A operação é uma das maiores já realizadas pela Polícia Civil no quesito sequestro de bens e apreensão de droga e bloqueio de contas bancárias. A Segurança Pública estima ter causado um prejuízo de mais de R$ 2,5 milhões no mundo do crime, sobretudo na retirada de ativos criminais que deixam de fomentar os crimes de homicídio, roubo e assaltos.

48 veículos foram confiscados e apreendidos, cinco armas de fogo (pistolas, revolveres e metralhadora), mais de 400 cápsulas de munição intactas, eletroeletrônicos, computadores, televisores, câmeras de vídeo monitoramento, além do bloqueio de 45 contas bancárias.

Segundo o secretário de Segurança Pública, Emylson Farias, esses números demonstram o que as forças policiais acreanas já vêm falando há vários meses.

“Muito embora seja da União a responsabilidade primária de coibir o tráfico de drogas nas fronteiras, nossas forças policiais do Estado estão assumindo o compromisso e a obrigação de poder chegar até essa guerra de facções. Essa foi uma operação muito bem planejada, com extremo profissionalismo e que demonstra o grau de excelência da Polícia Civil do Acre” disse.

Sobre a investigação

De acordo com a investigação, a cifra de mais de R$2,5 milhões em bens sequestrados poderá ser ainda maior (Foto: Secom)

Foram 11 meses de trabalho investigativo, com início em fevereiro de 2017. A ação também contou com apoio das Policias Civis dos Estados do Amazonas e do Mato Grosso no cumprimento de mandados judiciais.

Para o secretário de Polícia Civil, Carlos Flávio Portela, além da retirada dessas pessoas do convívio social, há também um avanço na recuperação de todos os ativos criminais, decorrentes desses ilícitos praticados por organizações criminosas. “A Polícia Civil irá continuar a fazer essas investigações e requisitará da justiça que os valores apreendidos nesta operação sejam revertidos em favor da segurança pública para que sejam usados no combate ao tráfico de drogas, que é o ilícito criminal que acarreta homicídios e outros crimes que aterrorizam a sociedade”, completou o delegado-geral.

De acordo com a investigação, a cifra de mais de R$2,5 milhões em bens sequestrados poderá ser ainda maior após a conclusão do trabalho investigativo nas contas bancárias bloqueadas. Os indiciados foram conduzidos à delegacia onde ficam à disposição da Justiça do Acre.