Gladson pratica charlatanismo político sobre exportação de carne para o Peru

O senador Gladson Cameli (PP) divulgou áudio através do WhatsApp em que afirma que, a partir desta data, já estão liberadas as exportações de carne suína e carne bovina para o Peru.

Na gravação, o senador afirma ter recebido uma ligação de seu correligionário e ministro da Agricultura e Pecuária, Blairo Maggi, que teria lhe informado pessoalmente sobre o desembaraço aduaneiro.

Escute o que diz Gladson Cameli:

Essa informação, no entanto, é improcedente. O Acre deve exportar carnes suínas e bovinas para o Peru, mas o envio desse tipo de proteína animal para o país vizinho somente estará liberado a partir de 20 de novembro, conforme protocolo assinado pelo próprio ministro Blairo Maggi e pelo ministro da Agricultura do Peru, Miguel Barandiarán, no final de setembro.

Logo que o áudio de Gladson se espalhou pelas redes sociais, o procurador do Estado em Brasília, Armando Melo, procurou se informar sobre a veracidade do que foi divulgado pelo senador pepista. O Procurador, ao tomar conhecimento das informações repassadas pelo senador e confrontando-as com os termos do ato de cooperação entre o Brasil/Acre e a Federação Peruana, comprovou que nada do que foi dito por ele é verídico. Restou, comprovado, então, que essa foi mais uma tentativa de Gladson de obter ganho político com uma ação onde o mérito é do Governo do Estado, que há mais de três anos vem negociando com o governo peruano, buscando suprimir as barreiras sanitárias e aduaneiras que permitam a exportação de carnes do Acre para o país vizinho.

“Cumprindo nosso papel institucional, fomos procurar a veracidade dessas informações, uma vez que essa é uma batalha do governo do Estado do Acre”, disse Armando Melo. “Então liguei para o chefe de gabinete do ministro Blairo Maggi, o senhor Coaraci Nogueira, afim de averiguar se houve alguma mudança nesse calendário, e fui informado que permanece a mesma data acertada com o ministro peruano, ou seja, dia 30 de novembro”, revelou o procurador.

Escute agora o que diz o procurador Armando Melo:

Segundo ele, nessa data, o ministro Blairo Maggi irá ao Peru para firmar o acordo comercial. Só a partir de então, será possível a exportação de carne suína para aquele país.

Quanto à carne bovina, Armando Melo fala a respeito de um memorando-circular, de número 319/2017, da Divisão de Habilitação e Certificação, órgão vinculado à Diretoria de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa), em que consta que a exportação de carne e miúdos bovinos e de aves foi prorrogada para o Peru por um período de seis meses, ou seja, até 31 de janeiro de 2018. No entanto, , nesse período estão suspensas as análises de novos pedidos de habilitação de frigoríficos e empresas exportadoras.

“Eu entrei em contato com, especificamente, a subscritora desse memorando, a senhora Cláudia Vitória Custódio Dantas, chefe da Divisão de Habilitação e Certificação, da Coordenadoria-Geral de Inspeção. Ela me falou que a situação não mudou, que permanece a mesma; que os pedidos de habilitação de frigoríficos que pretendam exportar carnes e miúdos de bovinos e de aves para o Peru estão suspensos até a apresentação de um relatório final que estão elaborando.”

Armando Melo disse ter falado, novamente, com o chefe de gabinete de Blairo Maggi, que teria lhe repassado as mesmas informações cedidas por Cláudia Vitória, sem apontar novidade alguma sobre essa questão.

Charlatanismo político eleitoral

Não seria essa a primeira vez que o senador Gladson Cameli tenta obter ganho político com o suor alheio. Neste caso das exportações de carnes, por exemplo, essa é a segunda vez. A primeira se deu há menos de um mês, quando houve o anúncio oficial da assinatura do protocolo que vai garantir a exportação de carnes suínas para o Peru.

Naquela oportunidade, Gladson divulgou na imprensa uma matéria onde tentava puxar para si o mérito do tratado entre os dois países. Ele chegou, inclusive, a convocar uma entrevista coletiva em Cruzeiro do Sul, oportunidade em que disse aos jornalistas estar fazendo o anúncio oficial do ato, quando, horas antes, Blairo Maggi, o ministro peruando Miguel Barandiarán e o diretor-presidente da Agência de Negócios do Acre (Anac), Inácio Moreira, estavam na cidade peruana de Iñapari, assinando os protocolos legais.

Por pagina20.net

:: Textos publicados nesta página são de inteira responsabilidade do colunista. Não refletem a opinião do Jornal.

.