Acre pode registrar a friagem mais intensa de todos os tempos

As simulações numéricas apontam que o frio será muito intenso do Acre ao Rio Grande do Sul.

A chegada da mais intensa frente fria de 2017 – por enquanto – ao Brasil nos próximos dias está sendo comemorada por comerciantes, moradores de cidades de serra e turistas, uma vez que além de marcas negativas de temperatura, também há possibilidade de precipitação de neve na segunda-feira (17).

Frio intenso também significa na maior possibilidade de geada, onde os agricultores de grande parte da Região Sul, além de Mato Grosso do Sul e nos extremos oeste e sul de São Paulo, serão afetados, inevitavelmente.

Boa parte da safrinha já foi colhida, mas culturas permanentes, como café e fumo, podem sofrer bastante com horas seguidas de frio intenso e geada consecutiva nos próximos dias.

As simulações numéricas, na reta final antes da chegada do sistema frontal, e consequentemente, do intenso pulso de ar polar continental, divergem menos e apontam que o frio será muito intenso do Acre ao Rio Grande do Sul.

Em quase toda a Região Sul, com exceção do litoral e do norte do Paraná, marcas negativas de temperatura são previstas, inclusive para municípios das Regiões Metropolitanas de Curitiba, no Paraná, Florianópolis, em Santa Catarina e Porto Alegre, no Rio Grande, não especificamente na capital, válido ressaltar.

Municípios do sudoeste e sul de Mato Grosso do Sul, também possuem condição para valores negativos de temperatura, o que pode tornar a geada mais danosa à agricultura.

Desta vez, devido a uma situação de bloqueio sobre a média coluna troposférica, algo em torno de 5.800 metros de altitude, o frio não avançará com agressividade para o Sudeste, a ponto de promover geada generalizada. Mesmo assim, as temperaturas vão cair bastante, afirmam os órgãos oficiais de meteorologia brasileiros, Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Cptec/Inpe) e Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

Para a Região Centro-Oeste, além de Mato Grosso do Sul, conforme já mencionado, o frio será rigoroso em parte de Mato Grosso, onde simulações apontam para valores de apenas 4°C no oeste do estado.

Na Região Norte, Acre, a metade sul do Amazonas e Rondônia, principalmente, podem registrar não apenas a friagem mais intensa de 2017, mas também como a mais forte de muitos anos anteriores.

Em 1999, por exemplo, Vilhena, no sul de Rondônia, teve temperatura mínima de apenas 6°C no dia 6 de agosto daquele ano. Já em 26 de junho de 1994, a temperatura mínima caiu para apenas 5,5°C e poucos dias depois, no dia 10 de julho, outra intensa friagem baixou a temperatura para 5,6°C. O recorde de frio para Vilhena, oficialmente, é de 3,4°C em 19 de julho de 1975, quando houve formação de geada em plena Amazônia brasileira. Os dados são de Meteorological Aerodrome Report (METAR) do Aeroporto Estadual “Brigadeiro Camarão”.

Quando as temperaturas caem de forma abrupta, como a atual projeção, os animais, acostumados com valores mais elevadas ou declínios mais discretos, sofrem bastante e muitos acabam morrendo por hipotermia. O caso mais recente ocorreu em Mato Grosso do Sul, em 2013, quando uma onda de frio duradoura matou mais de 10 mil bovinos no sudoeste do estado, região de Porto Murtinho.

No Pantanal, aves também não resistiram às baixas temperaturas e acabaram morrendo. Casos isolados foram registrados no oeste de São Paulo.

Não apenas os animais, mas os moradores de rua também sentem, e muito, o reflexo das baixas temperaturas, comemorada por muitos.

Em todo o Brasil, passa de 100 mil o número de pessoas que estão morando nas ruas, valor crescente em virtude da crise econômica que atravessa o país, de acordo com a mais recente pesquisa divulgada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Apesar de a maior parte dos moradores de rua estarem em regiões densamente povoadas, como São Paulo e Rio de Janeiro, o órgão ressalta que nas capitais da Região Sul, o número cresceu bastante nos últimos três anos, com mais de 15 mil moradores.

Além de prefeituras, entidades como associações comunitárias, igrejas e ongs fornecem alimento, banho e cobertores aos moradores de rua, que por algum motivo, seja econômico ou questões relacionadas às drogas, estão ao relento.

Países vizinhos como Argentina, Bolívia e até o Paraguai, através de seus órgãos oficiais de meteorologia, estão emitindo aviso para a possibilidade do frio intenso e que pode causar morte por hipotermia. No Brasil, por enquanto, apenas há menção do Cptec/Inpe e Inmet para queda acentuada de temperatura, apenas, de modo padrão.

“A onda de frio atingirá o sul de RO, sul e oeste de MT, causando o fenômeno de friagem, pois as temperaturas máximas declinarão bastante, e a Bolívia, inclusive com ventos de sul com intensidade moderada para esta área, os quais deverão aumentar a sensação de frio. Esse vento de sul avançará para o AM até a noite do dia 17/07. No RS haverá condições para formação de geada no sul, sudoeste, oeste, centro e noroeste desse Estado. Também haverá condições favoráreis para a queda de neve no planalto e serra do nordeste e campos de cima da serra do RS e no planalto sul e serra de SC na manhã e tarde do dia 17/07, mas será de forma muito isolada. A friagem avançará para o sul e sudoeste do AM, AC, RO, noroeste, centro, sul, sudoeste e sudeste de MT no dia 18/07, entretanto as temperaturas máximas estarão em gradativa elevação no dia 19/07 para essas áreas. Nesse dia (18) haverá formação de geada ampla no RS e em SC, e em grande parte do PR, com menor chance para o norte desse Estado, e também no sul e sudoeste de MS. O frio chegará em SP, principalmente para a terça-feira (18/07) onde as temperaturas no período da tarde ficarão baixas, devido a passagem da frente fria, que causará chuva no sul, leste, nordeste, litoral e cone leste, e da entrada do ar frio na retaguarda dessa frente, associada a massa de ar frio continental. O valor da alta pressão pós-frontal poderá chegar a 1038 hPa no norte da Argentina na segunda-feira (17/07). O RJ terá queda das temperaturas máximas nos dias 18 e 19/07 deixando a tarde fria com chuva no Estado, haverá possibilidade para que a chuva tenha intensidade significativa na região da capital no dia 18, entretanto deve-se monitorar a rodada dos modelos para esta área nas próximas 48h.”

Projeção de temperatura

Projeção de temperatura para os próximos dias prevista pelo modelo norte-americano GFS. (Foto: Reprodução)

De olho no tempo meteorologia

Esta notícia está na categoria Geral. Marcar o link.