Mulher Cidadã e Saúde Itinerante chegam no município de Xapuri

A coordenadora do programa Mulher Cidadã, Fran Albuquerque, resume os atendimentos ofertados à população.

O município de Xapuri recebe nesta sexta feira, 28, e sábado, 29, os programas Mulher Cidadã e Saúde Itinerante, que levam ações de cidadania a todos os municípios acreanos, por meio de atendimentos especializados a quem mais precisa.

Os atendimentos serão realizados na Escola Estadual de Ensino Fundamental  Madre Gabriela Nardi, localizada no bairro Sibéria, a partir das 14h desta sexta e no sábado, entre 8h e 17h. O Mulher Cidadã é executado pelo gabinete da vice-governadora, com apoio de ao menos 20 parceiros que levarão serviços de cidadania, saúde, atendimento jurídico, rodas de conversa, além de beleza e cultura, entre outras.

Desde sua criação, o Mulher Cidadã já beneficiou mais de 50 mil pessoas. O público-alvo do evento, são as mulheres em situação de vulnerabilidade social, no entanto, todo o núcleo familiar é atendido.  A proposta é reduzir os índices de violência contra a mulher, de gravidez na adolescência, de risco de morte materna, do índice de mortalidade infantil e de redução do índice de abuso e exploração sexual infantil.

A coordenadora do programa Mulher Cidadã, Fran Albuquerque, resume os atendimentos ofertados à população.

“Teremos um atendimento especial em Xapuri. Além da saúde, vamos com o Mulher Cidadã oferecendo atendimentos importantes como as nossas rodas de conversas que abordam temas como a sexualidade, drogadição, vamos ter a presença do Ministério Público na comunidade, além de vários outros importantes serviços, como a presença da SepMulheres e também a parceria com a prefeitura de Xapuri que vai ofertar vacina para as crianças e adultos”, explica Fran Albuquerque, coordenadora do Mulher Cidadã.

Serviços de saúde

Na área de saúde, serão ofertadas à comunidade consultas com Clínico Geral; Gastroenterologia; Ginecologia/Obstetrícia; Ortopedia; Pediatria e Psiquiatria. Além disso, haverá a possibilidade de procedimentos e exames de apoio diagnóstico, como Endoscopia Digestiva Alta; Preventivo do Câncer do Colo do Útero – PCCU; Ultrassonografias; Exames Laboratoriais, eletrocardiograma e atendimento de Serviço Social.

“Estamos prontos para mais um atendimento. Essa equipe do Saúde Itinerante não mede esforços para levar esse programa, que tem um papel tão bonito e importante, para os acreanos. Só este ano, já fizemos mais de 20 mil atendimentos e nossa expectativa é que a população do Bairro da Sibéria e comunidades próximas em Xapuri, compareça em peso para fazer suas consultas e exames com nossos profissionais”, destaca Celene Prado Maia, coordenadora do Saúde Itinerante.

Quem desejar esse tipo de atendimento, precisa estar munido de todos os documentos, como cartão SUS, RG, CPF, Carteira de vacina das crianças e exames, se já houver.

Confira os parceiros desta edição do Mulher Cidadã:

Secretaria de Saúde do Estado do Acre;

Programa Estadual de Erradicação às Drogas (Proerd)

Secretaria de Estado de Educação

Secretaria de Justiça e Direitos Humanos

Instituto de Mudanças Climáticas

Secretaria de Estado de Meio Ambiente

Secretaria de Estado de Polícia Civil

Secretaria de Estado de Segurança Pública

Secretaria de Políticas para as Mulheres

Instituto Dom Moacyr

Defensoria Pública Estadual

Secretaria de Desenvolvimento Social

Secretaria da Gestão Administrativa

Ministério Público do Acre

Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária

Secretaria de Estado de Pequenos Negócios

Corpo de Bombeiros do Estado do Acre

Secretaria de Planejamento

3 de Julho Entrevistas 10ª Edição

Assista a entrevista com a Presidente da Associação dos Portadores de Hepatite do Alto Acre e conheça: Dos tipos de hepatite até o tratamento”.

Acre apresenta redução de 7,9% nos casos de malária

A prova disso é que nesta última semana, a Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre) divulgou a redução dos índices da doença.

A saúde vem realizando esforços para reduzir os casos de malária do Acre e durante os últimos meses vem colhendo os frutos desse trabalho. 

A reunião realizada juntamente com o Departamento de Vigilância Ambiental e Controle de Endemias, secretários de Saúde e de Atenção à Saúde e técnicos encarregados pelo programa de vigilância no estado teve como objetivo a apresentação dos avanços com a redução de casos de malária no estado e contou com a participação da representante do Programa Nacional de Controle de Malária do Ministério da Saúde (MS), Liana Reis Blume.

“A visita do Mistério da Saúde é de extrema importância, porque além de discutirmos avanços, eles realizam uma visita e podem ver de perto como é a realidade dos municípios. Assim poderemos discutir e fortalecer cada vez mais o combate à malária aqui no estado”, explica Rui Arruda, secretário de Saúde.

No período de janeiro a agosto de 2017, o Acre registrou cerca de 20,5 mil notificações de malária. No mesmo período deste ano foram 18,8 mil casos, o que representa uma redução de 7,9% da malária no estado.

“Estamos buscando fechar o ano positivamente em relação a esses dados, alcançando a meta de redução anual de 10%. Por meio de ações regionalizadas e integradas acreditamos que alcançaremos essa meta.”, diz Marilia carvalho, gerente do Departamento de Vigilância Ambiental e Controle de Endemias.

No Juruá

Em relação aos casos de malária separados por municípios, Mâncio Lima e Rodrigues Alves ainda apresentam um aumento nos registros da doença. Já Cruzeiro do Sul registra dados animadores: 22,9% de redução. De janeiro a agosto deste ano, a cidade registrou 9,4 mil casos, enquanto que no mesmo período do ano passado foram 12,2 mil.

Para seguir reduzindo a malária em todo o Acre, durante a reunião, foram discutidas as ações e medidas que podem contribuir no controle do vetor da doença.

“Estamos acompanhando as atividades junto à secretaria e discutindo, além dos avanços já conquistados, a importância das formas de controle, como a ingestão de medicamentos, testes rápidos, inseticidas, direcionamento das ações, entre outros”, diz Liana Reis Blume, do Programa Nacional de Controle de Malária do MS.

Além das capacitações dos profissionais em relação aos métodos de controle, a regionalização do serviço tem sido uma das maneiras de evitar a proliferação da malária, já que essa medida faz com que a saúde atenda a necessidade da população específica de cada região.

Maternidade de Feijó é referência em atendimento de gestantes

A cada dia a unidade se consolida na região como uma referência no atendimento às mulheres e aos recém-nascidos.

Em julho do ano passado, o governo do Estado entregou uma obra que representou grande avanço na saúde das gestantes de Feijó e municípios próximos, a Maternidade Nair Correia de Araújo.

A obra é composta por 12 leitos, sendo oito alojamentos conjuntos, quatro salas individualizadas para o atendimento em pré-parto, parto e pós-parto, sala de espera e rouparia, posto de enfermagem e assistência ao recém-nascido.

A maternidade de Feijó conta com uma equipe de cinco enfermeiros, dez técnicos e três médicos, que realizam os atendimentos ofertados pela unidade. Com mais de um ano de funcionamento, já foram realizados mais de dois mil atendimentos e 610 partos. 

De acordo com a responsável pela enfermagem da maternidade, Denize Tereza da Costa, tem crescido a busca por atendimento na unidade, inclusive entre a população indígena. “A população tem reconhecido o trabalho realizado na unidade. Todos se sentem confortáveis aqui, sabem que a assistência prestada vem melhorando.”

A prova do reconhecimento por parte da população é o crescimento do número de pessoas e instituições que procuram a unidade em busca da experiência de conhecer o trabalho realizado pela unidade.

Na última quinta-feira, 20, a turma do curso técnico de enfermagem do Instituto Dom Moacir (IDM) realizou uma visita à maternidade. Cerca de 15 alunos conheceram de perto como funcionam os setores da maternidade, além de terem uma ideia de como é o dia a dia de quem trabalha em uma unidade desse porte.

“Foi uma excelente troca de experiências, todos os alunos ficaram maravilhados com a nossa maternidade. Esse reconhecimento, de ser considerada uma referência, é que nos incentiva a melhorar cada dia mais”, diz Denize.

Médica especialista vem ao Acre atender pacientes com estrabismo

O relato é da dona de casa Leila Souza, que tem uma filha de oito anos portadora de estrabismo.

“Quando me ligaram do TFD falando que vinha uma médica especialista para consultar aqui no hospital e que não seria mais necessário ir para outro estado, eu chorei de felicidade. Não sabia como ia deixar meus afazeres e meu outro filho pequeno para viajar em busca desse atendimento. Deus confirmando que tudo vai ficar bem.” 

A criança, diagnosticada com encefalopatia crônica, ou seja, um mal funcionamento do cérebro responsável pelo controle motor, cuja alteração pode vir acompanhada de estrabismo (a falta de alinhamento do globo ocular, também conhecida como olho torto), foi atendida junto com outros nove pacientes na manhã desta sexta-feira, 21, no Hospital das Clinicas (HC), em Rio Branco.

A avaliação desses pacientes portadores de estrabismo, e de outros 36 que também serão avaliados até domingo, 23, que aguardavam por uma vaga em outra unidade de saúde fora do Acre, já que o estado não dispõe de especialistas na área, só foi possível graças ao empenho do governador Tião Viana e da equipe do Complexo Regulador – Tratamento Fora de Domicílio (TFD), da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), que viabilizou a vinda da oftalmologista Natália Storani Della Rovere, uma das poucas que atende essa especialidade no país.

“Trazer a doutora Natália, especialista em estrabismo, foi um esforço enorme que o Complexo Regulador, junto com o governador Tião Viana teve para fazer esses atendimentos que só seriam possíveis via TFD. Nós que estamos à frente do serviço sabemos a dificuldade que é trazer um especialista dessa área, sendo que são poucos existentes no pais inteiro. Por isso, estamos felizes e agradecidos pelo empenho do Governo do Acre em viabilizar esse atendimento para crianças e adultos que aguardavam ansiosos por isso”, destaca o gerente de Assistência à Saúde do Complexo Regulador, Caio Souza.

A médica especialista em estrabismo, a oftalmologista pediátrica Natália Rovere, que veio de São Paulo para realizar esse atendimento no Hospital das Clínicas, em Rio Branco, explica que o estrabismo pode ser congênito ou desenvolvido ao longo dos anos, por diversos fatores, como acidentes ou doenças.

“Existem várias causas de estrabismo, pode ser congênita quando nasce com o olhinho torto e pode ser adquiridas, como por traumas, uma pancada na cabeça, ou um acidente que pode entortar o olho. Por isso é importante passar por uma avaliação oftalmológica para que o especialista veja o estrabismo, o quanto essa criança enxerga e o fundo do olho. Primeiro de tudo tem que ver se essas crianças precisam de óculos, já que grande parte dos estrabismo melhoram só com o uso de óculos. Caso não melhore com o óculos a gente pensa na cirurgia”, observa a especialista.

A oftalmologista vai atender 45 pacientes entre adultos e crianças durante todo o final de semana, no período da manhã e tarde. Esses pacientes estavam retidos no TFD, ou seja, aguardando ser chamados quando surgisse uma vaga com um especialista na área em outro estado.

“Cirurgia e óculos são as opções mais utilizadas em adultos. Em crianças, a prioridade é corrigir a visão dos dois olhos antes de melhorar a estética, o que pode ser corrigido com uso de óculos e tampão até os sete anos idade, porque eu posso endireitar o olho com uma cirurgia, mas mesmo assim eu posso ter um olho preguiçoso. Por isso que se faz necessário o acompanhamento dessa criança até os 7 anos. No caso dos adultos é difícil a gente recuperar a visão, já que o olho se desenvolveu daquele jeito. Mas a questão da estética a gente consegue resolver com cirurgia, o que traz muitos benefícios ao paciente em termo social e de autoestima”, finaliza a médica.

Com as consultas que serão realizadas durante todo o fim de semana, além de atender a demanda de pacientes, a vinda da médica proporcionou também economia aos cofres públicos com o Tratamento Fora de Domicilio, pois mais de R$ 200 mil seriam gastos apenas com a compra de passagens aéreas.

UPA encerra programação do Setembro Amarelo na região da Sobral

Uma doença silenciosa, perigosa, cada vez mais presente na sociedade nos dias atuais, mas que, felizmente, tem cura.

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) revelam aumento de casos de depressão em todo mundo. No Brasil, a depressão atinge 11,5 milhões de pessoas, o que corresponde a 5,8% da população.

Setembro é o mês de prevenção ao suicídio, intitulado Setembro Amarelo, uma campanha nacional, iniciada em 2015. É uma iniciativa do Centro de Valorização da Vida, do Conselho Federal de Medicina e da Associação Brasileira de Psiquiatria.

Durante toda esta semana, em Rio Branco, o Hospital de Saúde Mental do Acre (Hosmac) realizou uma extensa programação com ações na Unidade de Referência de Atenção Primária (Urap) Augusto Hidalgo de Lima, no CRAS da Sobral, auditório da Secretaria de Estado de Educação e Esporte (SEE) e no auditório do próprio Hosmac.

O objetivo é promover a conscientização da doença e principalmente falar sobre a prevenção.

Nesta sexta-feira, 21, essa programação referente ao Setembro Amarelo termina na UPA da Sobral, onde será realizada, às 9 horas, palestra sobre a prevenção e manejo do suicídio. O evento é aberto ao público, podendo qualquer pessoa interessada participar.

Renata Vasconcelos, gerente de assistência do Hosmac, diz que a unidade sempre promove ações educativas de saúde mental e de prevenção da depressão e do suicídio. “A ideia é ampliar as discussões sobre a prevenção em relação aos cuidados de saúde mental, mais especificamente a depressão, principal causa do suicídio.”

Em Xapuri, Justiça garante ressonância magnética para mulher com epilepsia

Fornecimento de tratamento especializado está contemplado pela competência de proteção da saúde pública.

O Juizado Especial de Fazenda Pública da Comarca de Xapuri garantiu a M.C.P.N. realizar ressonância magnética do crânio com contraste em rede particular de saúde.

A paciente é portadora de epilepsia e o exame não está disponível no município onde ela reside, conforme ficou comprovado nos autos.

Na decisão interlocutória, o juiz de Direito Luiz Pinto, titular da unidade judiciária, ressaltou que o exame é insubstituível e urgente, já que foi compreendido que a ausência do tratamento especializado pode prejudicar a integridade física e psíquica da paciente, bem como das pessoas que a cercam.

A decisão foi publicada na edição n°6.192 do Diário da Justiça Eletrônico (pág. 100). Desta forma, cabe a demandante realizar o exame em até 30 dias.

Mais de 7,1 mil adolescentes foram vacinados contra HPV no Acre

Expectativa do Ministério da Saúde é vacinar 104.570 adolescentes no estado. Ao todo, esse ano foram vacinadas 3.375 meninas e 3.735 meninos no Acre.

Entre os meses de janeiro e agosto desse ano, foram vacinados mais de 7,1 mil adolescentes contra o HPV no estado do Acre. Os dados foram repassados, nesta segunda-feira (17), pelo Setor de Imunização da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre).

O Ministério da Saúde informou que a expectativa é vacinar um total de 104.570 adolescentes no estado, sendo 47.282 mil de meninas de 9 a 14 anos e 57.288 mil de meninos de 11 a 14 anos. Em todo o país, mais de 20 milhões de adolescentes devem buscar os postos de saúde para receber a vacina.

Conforme os dados, de janeiro a agosto desse ano, 3.042 meninas de 9 a 14 anos receberam a primeira dose da vacina e outras 3.375 receberam a segunda dose contra HPV. Somente em Rio Branco, foram 1.275 meninas imunizadas na segunda dose e em Cruzeiro do Sul 328.

Com relação aos meninos entre 11 e 14 anos, 3.735 receberam a primeira dose e a mesma quantidade foi imunizada na segunda dose. Em Rio Branco, o número de adolescentes que procuraram os postos de saúde para se imunizar contra a doença foi 1.318 e 254 em Cruzeiro do Sul.

Dados nacionais

Desde a incorporação da vacina HPV no Calendário Nacional de Vacinação, 4 milhões de meninas de 9 a 14 anos procuraram as unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) para completar o esquema com a segunda dose, totalizando 41,8% em todo o país. Com a primeira dose, foram imunizadas 4 milhões de meninas nesta mesma faixa, o que corresponde a 63,4%.

Entre os meninos, que foram incluídos na vacinação contra HPV no ano passado, 2,6 milhões foram vacinados com a primeira dose em todo o país, o que representa 35,7% do público alvo. Em relação à segunda dose, foram aplicadas 911 mil vacinas em meninos de 11 a 14 anos. Com a segunda dose, fica completo o esquema de vacinação.

Campanha

Com o slogan “Não perca a nova temporada de Vacinação contra o HPV”, a campanha publicitária envolve várias peças e será veiculada até o dia 28 de setembro para mobilizar a população para a importância da vacinação.

O filme mistura imagens reais e animação e traz dois jovens, um menino e uma menina, fugindo de um vírus em um cenário com inspiração nos seriados famosos que são de identificação do público jovem e dos pais. A fuga termina no momento em que os jovens entram em uma unidade de saúde e se vacinam.

Do G1 Acre

Profissionais do Juruá participam de curso de saúde do trabalhador

O curso é voltado para os profissionais de saúde da região do Juruá, como servidores da vigilância sanitária, saúde ambiental e epidemiológica.

A Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), por meio do Centro de Referência Estadual de Saúde do Trabalhador (Cerest), a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o Ministério da Saúde/Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador (Renast) realizam na manhã desta terça-feira, 18, em Cruzeiro do Sul, o II Curso Básico de Vigilância em Saúde do Trabalhador.

Na abertura do evento, foram debatidas as condições de saúde dos servidores do estado, diferentes áreas de saúde do trabalhador e a legislação de saúde dos servidores.

Gisele Carneiro, da Fiocruz e ministrante do curso, ressalta que um dos objetivos é cumprir a legislação de acordo com a saúde do trabalhador. “É importante que todos os trabalhadores que prestam algum tipo de serviço à população reconheçam suas necessidades e quais os serviços a que eles podem ter acesso para suprir suas necessidades relacionadas a saúde. Afinal, só é possível cuidar da saúde de alguém se o próprio servidor estiver saudável.”

Saber reconhecer as necessidades dos trabalhadores e investir na qualidade de saúde daqueles que prestam serviços a toda a população é necessário. Contribuir com atenção a saúde de gestores, técnicos, apoiadores e diretores das unidades de saúde do estado é importante, afirma Rossy Ramos, gerente do Cerest.

“Temos convicção de que a qualificação é o caminho a ser percorrido para o fortalecimento da área de gestão do trabalho e da educação em saúde. Por isso o investimento na formação de trabalhadores com olhar mais crítico para as condições de trabalho. Ao qualificar os trabalhadores e gestores do SUS, estaremos contribuindo para a transformação não só da realidade dos usuários, mas também de sua própria realidade.”

Cerca de 30 servidores dos sete municípios que compõem a regional de saúde do Juruá participam do curso e serão multiplicadores em suas cidades, com apoio, suporte e orientações de saúde para saber reconhecer a quais órgãos recorrer quando precisarem.

A enfermeira Marcia da Silva, de Tarauacá, enfatiza a importância de os servidores serem contemplados com o curso. “É uma grande satisfação participar desta capacitação, já que dessa forma poderemos aplicar os conteúdos nas nossas regiões mais distantes, para poder ajudar e reconhecer situações complicadas de saúde que os trabalhadores muitas vezes passam.”

Com apenas dois dias na fila de transplante, acreana ganha novo fígado

O que costuma demorar meses, e até anos, em se tratando de transplantes no país, para uma paciente renal no Acre levou apenas dois dias. Dá para acreditar?

A fila de transplantes, graças à solidariedade da doação de órgãos, tanto pela compatibilidade quanto pelo trabalho que vem sendo desenvolvido pela Central de Transplantes, está trazendo recomeço de vida para muitos acreanos num curto espaço de tempo.

Quando o assunto é transplante, as equipes se dispõem a tudo para salvar uma vida. O procedimento de alta complexidade, a mais fascinante e complexa cirurgia que o homem é capaz de exercer, que dependendo do caso pode levar de 4 a 10 horas para ser concluída, tem início muito antes de o paciente ser conduzido ao centro cirúrgico.

Em uma espécie de corrente do bem, as equipes que compõem a Central de Transplantes não dormem quando surge uma possibilidade de um órgão compatível, mesmo que ele esteja a quilômetros de distância.

Assim foi o fim de semana no Hospital das Clínicas, em Rio Branco, quando houve a sinalização de uma doação de fígado na cidade de Cacoal (RO) compatível com o perfil de uma paciente acreana que tinha sido inscrita no programa de transplantes apenas dois dias antes.

O transplante de fígado, décimo do ano, realizado neste domingo, 16, foi conduzido do começo ao fim pelo médico hepático Tércio Genzini. Com o procedimento, o Acre alcança a marca de 40 transplantes de fígado realizados desde 2014, sendo o único da Região Norte a realizar esse tipo de procedimento.

A receptora do fígado, Kelciane Falcão de Oliveira, é acreana de Sena Madureira, tem 40 anos, e estava inscrita na Central de Transplantes desde o último dia 15, ou seja, apenas dois dias antes de ganhar um novo órgão.

O fígado foi trazido de Rondônia pela Força Aérea Brasileira (FAB), que antes veio ao Acre buscar o doutor Tércio e sua equipe para realizar a captação do órgão, doado pelos familiares de um jovem de 16 anos vítima de traumatismo crânio encefálico (TCE).

De acordo com a coordenadora da Central de Transplantes do Acre, Regiane Ferrari, o órgão foi disponibilizado para o Acre porque o procedimento não é realizado em Rondônia. O transplante de fígado foi um sucesso e a acreana se recupera bem.

Ao todo, o Acre já promoveu mais de 600 transplantes. Desses, pouco mais de 300 foram efetivados via Tratamento Fora de Domicílio (TFD). Os outros procedimentos, transplantes de fígado, rim e córneas, foram realizados no Hospital das Clínicas a partir da criação da Central Estadual de Transplantes.

Mutirão realiza mais de 40 cirurgias em Brasileia no fim de semana

A gerente-geral do hospital, Maria Alice Saturnino, explica que todos os pacientes estavam na fila de espera.

Contribuindo para zerar o tempo de espera na fila de cirurgias e também proporcionar economia aos cofres públicos com o Tratamento Fora de Domicílio (TFD), o governo do Acre, por meio da Secretaria de Saúde (Sesacre), realizou mais um mutirão de cirurgias de hérnia e colecistectomia (vesícula) neste fim de semana, na região do Alto Acre.

A equipe médica do Hospital das Clínicas de Rio Branco (HC), coordenada pelo médico-cirurgião Yotaro Suzuky, realizou cerca de 44 cirurgias entre sábado e domingo (15 e 16) no Hospital Raimundo Chaar, em Brasileia. Ao todo, o mutirão envolveu cerca de 25 profissionais, entre médicos, anestesistas, técnicos e enfermeiros, além da mobilização de toda a unidade hospitalar.

A gerente-geral do hospital, Maria Alice Saturnino, explica que todos os pacientes estavam na fila de espera. “Uma forma de reduzir a demanda que é grande e demorada por esses procedimentos, além é claro, de trazer maior comodidade aos pacientes que aguardavam na fila, e que não tiveram mais que sair de seu município em busca de tratamento na capital, por meio do TFD. Uma ação importante da Sesacre, do Governo do Acre, atendendo as necessidades dos moradores da nossa regional”, destaca.

A programação de cirurgias obedece um cronograma pelo qual os usuários cadastrados são agendados para o procedimento seguindo os critérios estabelecidos para fila única, ou seja, tempo de espera e grau de prioridade indicado e justificado pelo cirurgião. Os pacientes são pessoas consideradas de baixa renda que não teria condições de pagar pelo procedimento na esfera particular.

Ressalte-se que o mutirão foi realizado nos últimos meses em Senador Guiomard, que durante um período de 60 dias efetivou mais de 500 procedimentos em Cruzeiro do Sul, Sena Madureira, Feijó e Tarauacá.