Coluna do Astério

Os agentes de transito do futuro

Muitas coisas estranhas andam acontecendo nos mundos. Mundo virtual, real, paralelo, mundo da lua, copa do mundo, mundo da violência, mundo capitalista, socialista e mundo da política. São mundos dentro de outros mundos se entrelaçando.  Cada um de nós é um mundo sem fundo. Na maioria dos dias me sinto como um peixe fora d’água, estranho, esquisito. Por isso, fico atento quando vejo algo diferente por onde passo como vi aqui em Brasília.

Os agentes de trânsito com óculos aparentemente comuns, mas na verdade são muitos especiais. Fabricados pela NASA com tecnologia extraterrestre da Área 51. Desde que assisti ao filme do Will Smith, Homens de Preto, comecei a ficar muito esperto. Eu ando desconfiado. Venho matutando já faz um bom tempo.

A gerente do hotel em que estou hospedado me contou que um deles (um agente) olhou para ela quando passava em um cruzamento de cima abaixo como se estivesse vendo seu esqueleto com os seus mais de 200 ossos. Outra jovem senhora me afirmou que o fumê de seu carro é 100% escuro e original, mas recebeu duas multas ao mesmo tempo: uma por dirigir sem o cinto, outra por falar ao celular. Na notificação que ela recebeu estava escrito: visibilidade perfeita.

_ Sorte que ele não percebeu que eu estava sem calcinha, talvez tivesse me multado por ato obsceno, disse baixinho, corando o rosto e olhando para os lados com receio de falar a um estranho (no caso, eu).

Um antigo funcionário da Câmara Federal (que encontrei no cafezinho da Casa do Povo) falou que, na verdade, os agentes de transito de Brasília são espiões infiltrados da Organização Mundial de Combate ao Terrorismo. (O.M.C.T.). A enxurrada de multas é para financiar novos equipamentos fabricados pela NASA. Consta até que as maquininhas usadas por eles nas ruas vão descontar a multa do cidadão diretamente do salário antes de chegar à conta bancária.

Aliás, também me disseram que eles podem até multar a pessoa antes dela comprar um carro. A tecnologia estará tão avançada que, em um futuro próximo, dispositivo nos óculos permitirão que antevejam o amanhã.

_ Vão conhecer nossos pensamentos, tipo os antigos comunistas que queriam se infiltrar no Brasil em 1964, sussurrou uma velha assenhora ao meu lado, vestida de preto, que ouvia nossa conversa.

_ E a farda? Amarelo com preto? O senhor sabe o que significa? Indagou-me outro servidor. Baixinho, gordo, cabelo alinhado, terno, gravata vermelha, olhos miúdos e estranhos, sobrancelhas espessas. Ele mesmo respondeu:

_ Amarelo é a cor do ouro e o preto é poder. Ouro das multas e poder porque se você reclamar leva outra multa por questionar autoridade da O.M.C.T.. Em seguida me advertiu para que tomasse cuidado na rua para evitar ser multado. Informei-o que estava sem carro…

“Mesmo sem veículo a multa poderia ir para alguém da sua família como aconteceu comigo, senhor”, acentuou baixinho com a voz grave.

Coloquei meus óculos escuros e fui fazer um tour por Brasília. Percebi que não são apenas os agentes de trânsito que são esquisitos. Todos são esquisitos. A questão é que só os agentes do trânsito multam.  

Plantão 3 de Julho Notícias 9ª Edição

Alerta para todos os moradores da região do Alto Acre com relação as queimadas tendo em vista o verão intenso que estamos passando nesse período de Estiagem.

Plantão 3 de Julho Notícias 8ª Edição

Urgente: Suspeitos de terem praticado chacina na cidade de Assis Brasil estão presos na delegacia de Brasiléia. A equipe de Inteligência da Polícia Militar do Alto Acre, em conjunto com a PF e policiais peruanos, iniciaram as investigações para identificar e prender os suspeitos.

Coluna do Astério

A vida é um absurdo!

Se alguém duvida de que nós estamos em uma guerra é só parar um pouco e começar a contar o número de mortos. Somente grandes tragédias naturais e guerras produzem tantas vítimas. A verdade é que estamos sem rumo. O barco está sem quilha, o leme travou e a tempestade continua. Muitas pessoas estão morrendo de tiro, outras de acidentes de carro, mas nunca se constatou tantos suicídios.

O filósofo Albert Camus, franco-argelino, escreveu o livro intitulado “O Mito de Sísifo”, em plena 2ª Guerra Mundial, para falar de quão absurdo é a vida. O Sísifo é um mito grego. Ele foi condenado pelos deuses a passar toda a eternidade empurrando uma pedra montanha acima. Quando chega ao topo, a pedra rola morro abaixo e Sísifo recomeça tudo de novo. Forever!

Camus recorreu ao mito para dizer que a vida não tem (e não faz) o menor sentido. É literalmente absurda. Por essa razão as pessoas escolhem entre suicidar-se, encontrar um sentido para a vida na religião ou simplesmente viver como na música do Martinho da Vila, “Deixa a vida me levar”. O problema é que pessoas religiosas também estão se matando. Já os que levam a vida por cima da pausada estão se saindo melhor.

Cada tempo e cada época da humanidade tem sua própria tragédia. De tragédia em tragédia vamos vivendo. No século XX foram as guerras mundiais. Na nossa, quem sabe, seja o crescimento assustador dos suicídios como nunca existiu na história. Cá entre nós: a vida não é mesmo um absurdo?

Telejornal 3 de Julho Notícias 14ª Edição

Veja na 14ª edição as principais informações da semana como: queimadas na região do Alto Acre, o que o Prefeito Tião Flores gastou com diárias, acidentes em Brasileia e Epitaciolândia e outros.

Coluna do Astério

Enxugando gelo

O juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, afirmou em uma de suas entrevistas que, “a corrução no Brasil é sistêmica”. Traduzindo grosso modo: as engrenagens do poder favorecem a corrupção em todos os níveis. O novo ministro do Trabalho e seu chefe de gabinete, indicados pelo PTB, em substituição a filha do Roberto Jeferson acabam de ser destituídos do cargo flagrados pela PF com as caças na mão.

Para complicar ainda mais a situação a Justiça brasileira vive de fazer lambança. O STF tem sido um péssimo exemplo para as demais esferas do poder judiciário. A Câmara e o Senado (ó coitados, como diz a Concessa) estão cuidando do próprio umbigo para garantir a reeleição. O Executivo, na figura do presidente Temer e seu staf em um país sério já estariam na cadeia. Não perdem por esperar.

Enquanto isso a fome aumenta, a inflação sobe, os bancos (agiotas oficiais) vivem da usura tirando a pele e o sangue de empresários e de famílias endividadas até a alma. Fosse no tempo em que se pagava dividas com filhos não se contariam os escravos. A violência aumenta assustadoramente. O crime organizado está cada vez mais organizado como transnacionais atuando em vários países. O sangue corre no asfalto. As forças armadas nos quartéis esperando em berço esplêndido a 3º Guerra Mundial para atuar. Quem sabe um golpe militar.

E o sistema continua o mesmo, favorecendo a corrução. O mais grave é que, no caso do eleitoral, a população contribui em muito porque, além de sistêmica, a corrupção também é endêmica. O festival de compra e venda de votos já começou. Enquanto isso os órgãos de controle, de fiscalização e de repressão à corrupção – como dizia minha avó pernambucana -, ficam apenas enxugando gelo.

Telejornal 3 de Julho Notícias 14ª Edição

Veja na 14ª edição as principais informações da semana como: queimadas na região do Alto Acre, o que o Prefeito Tião Flores gastou com diárias, acidentes em Brasileia e Epitaciolândia e outros.

Coluna do Astério

A deputada Leila é candidatíssima a reeleição!

Apesar da divulgação de uma lista que o Tribunal de Constas (TCE) envia ao Tribunal Regional Eleitoral (TER) com nomes de ex-prefeitos e gestores que, em tese, enfrentam problemas administrativos em suas prestações de contas, a deputada Leila Galvão (PT) é candidata a reeleição garantida pela legislação em vigor.

A lista contendo nomes de vários ex-prefeitos é sempre divulgada por ocasião do período eleitoral que se aproxima. Nesse caso, o integrante da lista só não registraria sua candidatura se fosse condenado em segunda instância em tribunal (ou colegiado) da Justiça brasileira. O TCE que, aliás, cumpre muito bem o seu papel é um tribunal administrativo com efeitos administrativos.

Portanto, os eleitores da deputada Leila Galvão que fiquem tranquilos e cônscios de sua participação no processo eleitoral deste ano. Quanto aos adversários internos e externos que guardem as energias para torcer pela seleção brasileira que vai precisar muito. A Bélgica, como se diz no seringal, é carne de c* de tetel, não aça, não cozinha e ainda apaga o fogo!

Avante Brasil, zil,zil…, como diz o Galvão Bueno da Globo (aquela toupeira).

3 de Julho Entrevistas 7ª Edição

Veja a entrevista com a Prefeita de Brasileia Fernanda Hassem que fala do andamento das obras que estão sendo realizadas no município, da arrecadação do IPTU, das programações em comemoração ao aniversário de Brasileia e outros assuntos.

Coluna do Astério

Brasileia ontem, hoje, sempre!

Brasiléia está em festa pela passagem de ano de sua fundação. Aniversário de cidade é bem diferente do das pessoas. No meu caso, por exemplo, a cada nível vou ficando mais velho e me aproximando da partida final para a eternidade. A cidade não, a cada aniversário vai crescendo, se desenvolvendo, ficando maior e melhor, mais cheia de vida e de boas condições materiais para as novas gerações que chegam.

A cidade é antes de nós e será depois. Quando nasci ela já existia, tinha uma memória, uma história que me foi passada pelos que vieram antes de mim. Aprendemos valores, costumes e tradições dos antepassados. E Brasiléia tem uma linda história para ser sempre contada não apenas em livros, mas como nos tempos antigos, transmitida oralmente.

Contar essa história antigamente era mais fácil. Ao redor da mesa na hora do café, almoço ou janta, na frente das calçadas quando as famílias colocavam cadeiras de palha para conversar até altas horas a luz da lua ou em noites escuras, estreladas. Era muito bom. Vivi esse tempo. A modernidade chegou e acabou com essas coisas boas da convivência. As crianças iam sozinhas à escola, não havia drogas, violência e medo.

Primeiro veio a estrada (o único caminho era o rio), à luz elétrica 24 horas (era das 18h às 22h), depois a televisão, a internet, o Orkut, o facebook e agora o instagran e o Watsapp, além de outras plataformas que estão surgindo a cada dia. Fomos nos afastando uns dos outros. Não temos mais tempo para comer juntos, conversar à noite, caminhar nas ruas da cidade jogando conversa fora.

Alguém pode até dizer que hoje com o progresso as coisas ficaram bem melhores. Educação, saúde, mais alimento, coleta de lixo, ruas e praças bem cuidadas como a gestão municipal tem feito com muito zelo. É verdade!

Porém, cabe uma pergunta bem simples, não sobre a política, mas sobre o ser: os antigos eram mais felizes contando suas histórias do que nós que vivemos enclausurados e com medo. O Watsapp roubou nossos olhares, prendeu nossos sorrisos. Mas, tudo isso é apenas uma reflexão boba e saudosista de quem viveu em uma cidade aconchegante, um povo solidário, amigo e que hoje comemora sua data festiva.

Parabéns Brasiléia!!!

Coluna do Astério

O Joaquim Lira tem toda razão

Fui a Brasiléia na quarta feira e encontrei o Joaquim Lira em um posto de combustíveis. Conversamos um pouco. Nossos pais eram grandes amigos e faziam política juntos. Eram compadres, como quase todo mundo em Brasiléia. Ele me falou do que, para ele, foi um ato heroico ao discutir com o governador Tião Viana. Debate esse que foi parar nos tribunais.

Quero me manifestar sobre o Lira, homem público, político, uma das vozes mais atuantes e autênticas da oposição na região. Tenho acompanhado seus posicionamentos, às críticas e até os desabafos que o Lira faz sobre os líderes oposicionistas. Não é problema meu por isso me dirijo especificamente ao militante e eleitor dos que são contrários a FPA.

O Lira está coberto de razão quando diz, por exemplo, que os líderes partidários não valorizam lideranças locais como ele. O eleitor deve saber que o seu candidato majoritário pode até vencer a eleição, mas se passar por cima das lideranças locais não terá compromisso no futuro com ninguém.

Outra observação muito pertinente do Lira é que não se faz mais campanha com abraços, aperto de mãos e tapinhas nas costas, principalmente os que só aparecem de quatro em quatro anos como Copa do Mundo. A liderança local se desgasta e gasta do seu dinheiro para tocar um projeto eleitoral. Depois vem os de fora comer a cereja do bolo sem desembolsar um centavo. Os que fazem isso, repito o desabafo do Lira, não terão nenhum compromisso com as lideranças locais.

Se o eleitor da oposição acha que o Joaquim Lira não é importante, menos importantes serão eles no futuro quando quiserem conversar com o pessoal do andar de cima. Não serão recebidos. E muito pior, serão desprezados até que venha a próxima eleição, quando começa tudo de novo.

Plantão 3 de Julho Notícias 8ª Edição

Caos na Educação de Epitaciolândia: O vereador Alcione Ferreira esteve na escola rural Castelo Branco, onde constatou que o direito de um local apropriado para os alunos estudarem está sendo violado pela gestão do Prefeito Tião Flores, pois a escola está oferecendo riscos para as crianças e funcionários, é possível ver nas imagens que a caixa d’água da escola está apresentando um grande risco de desabar por conta que a madeira que a sustenta apodreceu.

Coluna do Astério

A cidade ideal, segundo Afif Arão

Certa vez quando ainda era vereador em Rio Branco explicava para o saudoso apóstolo Afif Arão, Igreja Renovada, a grande vantagem de se ter uma cidade bem bonita. Ruas, praças, escolas, postos de saúde, esgoto, água, ramais e luz tudo bem arrumado. Falei um pouco mais sobre política achando que sabia muita coisa.

Depois de me ouvir atentamente ele me respondeu: _ Meu filho, de que adianta ter uma cidade linda como um jardim? Bonita, toda pintada, cheia de flores, perfumada se as pessoas que vivem nesse jardim estão tristes?  Se elas sofrem com a corrupção, com o desemprego, a violência, as drogas, a prostituição? Se estiverem dominadas pelo medo? Roma, capital do maior império da antiguidade, era uma bela cidade, mas apodrecida moralmente, decadente.

Fiquei escutando em silêncio suas palavras. Admirado com uma visão de mundo que eu desconhecia. Ele disse mais: _ Meu filho, ás vezes é melhor morar em uma cidade com problemas de infraestrutura, mas que as pessoas tenham seus empregos, que os gestores sejam honestos como é o prefeito Angelim como foi o Jorge Viana na prefeitura de Rio Branco.

Afif Arão faleceu em 2012, mas seus ensinos perpetuam na mente e nos corações daqueles que o conheceram e o amaram. O conheci em 1999, em um dia de culto numa quinta feira, quando a Igreja Renovada tinha menos de 200 discípulos. Nessa noite, durante a pregação, ele   bateu com a mão na parede do templo e disse:

_ Nas paredes dessa igreja não tem um centavo de políticos, de prefeitos ou governos, não tem dinheiro de corrupção! E não se enganem porque um dia Deus vai destronar a corrupção desse país. Quem se deixa corromper vai pagar o preço!

Se olharmos em volta veremos que além de pastor era um profeta.

Plantão 3 de Julho Notícias 7ª Edição

Plantão 3 de Julho Noticias: Veja imagens exclusivas do Hasteamento dos Pavilhões que é mais uma das atividades da Semana da Pátria realizada em comemoração aos 108 anos de emancipação do Município de Brasileia e também a entrevista da Prefeita Fernanda Hassem que fala da vasta programação que está acontecendo em comemoração ao aniversário da Cidade.

Coluna do Astério

FPA e oposição, quem está jogando melhor?

Para falar que a Frente Popular do Acre (FPA), que tem Marcus Alexandre como pré-candidato ao governo, é um time muito organizado, também é necessário afirmar que o escrete da oposição liderada pelo senador Gladson Cameli (PP) é extremamente desorganizado. “Meio avacalhado”, como diz uma figura de proa do próprio time.

Alguém pode dizer: é porque você é torcedor do Marcus. É verdade que sou, mas basta ler a coluna do Crica (Luís Carlos Moreira Jorge) para saber como estão jogando as duas seleções.

A organização é fundamental para quem quer vencer o jogo eleitoral, principalmente se for majoritário. Isso Marcus Alexandre tem de sobra, mas a oposição ainda está no futebol arte da década de 1950, quando o Brasil perdeu para o Uruguai em pleno Maracanã, em 1950. Á culpa é do Gladson? Sim e não, como diz o Galvão Bueno quando analisa o desempenho da seleção brasileira.

Gladson parece ser o capitão do time. Eu disse parece, porque até agora alguns jogadores não aceitam suas orientações. Muito pelo contrário, falam mal dele o tempo todo nos bastidores. Alguns o criticam até publicamente o que não acontece, sob hipótese alguma, nos treinos do PT.

Segundo o Crica, a oposição precisa mesmo é de um técnico líder como foi o ex-senador Nabor Junior. Aliás, os oposicionistas estão com cinco técnicos, mas os jogadores não obedecem a nenhum. Petecão, Márcio Bittar, Flaviano fazem o que bem entende em campo. A FPA tem apenas o Tião Viana que, apesar do desgaste em função da crise (como dizem), treinou e organizou um time para vencer o jogo.

Se vencerá ou não vai depender do desenrolar do jogo que, por sinal, ainda nem começou. Estamos somente nas eliminatórias. O Marcus está vencendo todas pela organização. O time do Gladson vai mal. Porém, como dizia o ex-prefeito Aldemir Lopes, craque do Independência Futebol Clube, nos anos dourados do futebol acreano:

_ Enquanto o juiz não der o apito final tudo pode acontecer dentro do gramado.

A propósito, o Aldemir transferiu para a política as táticas que aprendeu como armador no campo de futebol. Andou pisando na bola. Pegou cartão vermelho. Está suspenso, mas não pode ser descartado como técnico em jogos futuros. Subestimá-lo é um erro.

3 de Julho Entrevistas 6ª Edição

Veja nesta entrevista o Gerente regional do Sebrae, Jorge Saad, explicando as principais ações do Sebrae durante o primeiro semestre e quais foram as principais atividades do Sebrae voltadas para o agronegócio, indústria e comércio, Curta a nossa página do Facebook e se inscreva no nosso canal do YouTube e lembre-se de ativar as notificações clicando no sininho.

Coluna do Astério

Durma em paz Vitória Gabrielly?

Nunca tinha ouvido no lugarejo chamado Araçariguama, interior de São Paulo, até o dia em que soube do desaparecimento da Vitória Gabrielly. Uma menininha de apenas 12 anos de idade que saiu para patinar e nunca mais voltou. Foi encontrada morta na mata, pés e mãos amarrados e uma das meias na boca. Não foi estuprada.

Lembrei-me de um crime que marcou profundamente a minha vida. Chorei muito durante o caso de Isabela Nardoni, esganada pela madrasta e jogada do alto de um edifício pelo próprio pai para esconder o crime. O pior, segundo a polícia, a menina estava só desmaiada. Morreu mesmo foi da queda.

A polícia de São Paulo descobriu tudo. A mesma polícia que trabalha no caso da Vitória Gabrielly e que com certeza vai descobrir o (s) assassino (os). Fatos assim me fazem perceber quão estamos conectados uns aos outros e não percebemos. Matar alguém é matar um de nós humanos. É destruir nossa humanidade.

Acompanhei o sepultamento da Vitória Gabrielly, chorei com seus pais, parentes e amigos. Vi o caixão sendo levado, o barro sendo jogado em cima. E me perguntei: Deus, por quê?! Mais ainda: Quem somos nós realmente? Para onde caminhamos?

­­_ Dizem que os animais não tem sentimento, acho que na verdade alguns humanos é que não os têm. Às vezes nos meus delírios febris imagino o planeta água/terra sem nós. Deveria ser um lugar maravilhoso até aportarmos por aqui.

Li uma vez na Bíblia que o sangue de um inocente derramado na terra clama por justiça e vingança. Que os homens façam a justiça e Deus à vingança!

Repouse em paz Vitória Gabrielly, longe de tanta maldade!

3 de Julho Entrevistas 6ª Edição

Veja nesta entrevista o Gerente regional do Sebrae, Jorge Saad, explicando as principais ações do Sebrae durante o primeiro semestre e quais foram as principais atividades do Sebrae voltadas para o agronegócio, indústria e comércio, Curta a nossa página do Facebook e se inscreva no nosso canal do YouTube e lembre-se de ativar as notificações clicando no sininho.

Coluna do Astério

O angu do presidente Evo Morales

Antes de comentar o assalto a um quartel em Cobija onde armas de grosso calibre foram roubadas quero recordar alguns fatos.

A eleição do senhor Evo Morales, o “Cocaleiro”, à presidência da Bolívia trouxe muita esperança para os nativos, que são maioria, mas não governavam.

Um dia, na frente da casa da minha sogra, a dona Nazinha Hassem, passava uma xôla, cabelos trançados, saia grande e colorida, pela tostada pelo sol, mãos calejadas, rosto sofrido, abordei e perguntei:

_ Senhora, por que Evo?

_ Evo é pelos pobres, pelos niños, pelos velhos, pelas mulheres…

Fiquei feliz e emocionado em saber que alguém iria restaurar a dignidade do povo boliviano, notadamente os excluídos em séculos de governos corruptos oriundos dos colonizadores espanhóis.  

O presidente Evo melhorou muito a situação da Bolívia, mas cometeu erros graves. Permitiu (sem controle algum?) a ampliação do plantio de coca, abriu as fronteiras para o Peru e a Colômbia e rompeu com o governo americano que combatia a produção e o tráfico de cocaína. A princípio, os maiores prejudicados foram o Brasil, EUA e países da Comunidade Europeia, que estão sendo entupidos de pó.

Agora o feitiço se volta contra o feiticeiro e o povo boliviano pode ter que pagar um alto preço. O Brasil já paga! É o número dois do mundo em viciados e mais de 60 mil assassinatos por ano, principalmente jovens.

Para as organizações criminosas o céu é o limite. Dominar as fronteiras é importante, não mais do que o controle absoluto do cultivo, produção, transporte e comercialização da cocaína que, no Brasil, era liberada até a década de 50. Vendida nas farmácias.

Assaltos, roubos, assassinatos em território boliviano é apenas o efeito colateral da opção feita pelo presidente Evo Morales. Como dizia minha avó Marquinha:

_ Quem fez o angu que coma!

Urgente: Plantão 3 de Julho Notícias

Veja no Plantão 3 de Julho Noticias tudo sobre o envolvimento do Policial Civil envolvido no roubo das armas da delegacia de Policia Civil de Brasileia, Curta a nossa página do Facebook e se inscreva no nosso canal do YouTube e lembre-se de ativar as notificações clicando no sininho.