Coluna do Crica

Para Sebastião Viana é bola ou burica

Tião Viana já enfrentou desafios quando se elegeu senador, chegou à presidência do Senado e ganhou duas vezes para governador. Mas o maior desafio seu vai acontecer neste restante de mandato, quando tentará fazer o prefeito Marcus Alexandre o seu sucessor, num momento econômico difícil do Estado. Ao vencedor, as batatas! Mas se perder a disputa na qual estará como o comandante maior da FPA, entrará na história como o governante que quebrou o ciclo de vitórias majoritárias sucessivas em duas décadas do PT no poder, no Acre. Será a mãe de todas as batalhas que até  aqui travou. É natural o desgaste de oito anos de governo, o PT perdeu a aura de partido defensor da honestidade e a oposição tem um candidato altamente competitivo. Por todos estes aspectos é que o Tião Viana (foto) enfrentará em 2018 a mais difícil das eleições nas quais se envolveu na sua carreira política. Para o Tião é bola ou burica.

UMA BOA CONQUISTA

O médico Carlos Beirute foi uma das boas conquistas do PMDB para a chapa de deputado federal. Quando se vê um nome como o do Carlos Beirute (PMDB), com toda a sua qualificação, entrando na disputa para a Câmara Federa, é para se comemorar, porque não estará na lista dos candidatos medíocres, despreparados, que querem ser Federal. Chega de mediocridade!

VITÓRIA NA JUSTIÇA

O vereador Joelso Pontes (PP- Brasiléia), que estava afastado do mandato por questões jurídicas, conseguiu na justiça reverter o impedimento e voltará a assumir. A mesa diretora da Câmara Municipal de Brasiléia já foi notificada e deverá marcar o seu retorno ao mandato.

GOLPE DE MESTRE

O presidente do DEM, Tião Bocalom, deu um golpe de mestre ao trazer o Coronel Ulisses Araújo para ser o candidato a governador pelo DEM. Com isso quebrou a articulação do PMDB,de espatifar o projeto do DEM, de colocar de vice de Gladson Cameli (PP), o deputado federal Alan Rick (DEM). A esperteza demais às vezes cresce e come o dono. Ocorreu com o PMDB.

NÃO CONSEGUE SERENIDADE

Sempre digo ser o deputado federal Alan Rick (DEM) um dos nossos parlamentares federais mais produtivos no mandato. Sem dúvida! Mas, politicamente, é um elefante numa loja de porcelana, não dá um passo sem espatifar. Foi assim no PRB, onde se virou contra quem coordenou sua campanha e lhe deu guarida e votos e está repetindo o mesmo comportamento agora no DEM. Não tenho dúvida que, com mandato poderá tomar a presidência do DEM do Tião Bocalom, em Brasília, o mandato federal é moeda de alta troca na capital federal. Mas vai reforçar a imagem de se voltar contra aliados e estará comprando uma briga de foice com esta sua ânsia de querer ser vice-governador a qualquer custo. O tempo é o senhor da razão na política.

NÃO CONSEGUIU NOTAR?

Não conseguiu ainda notar que está sendo usado politicamente para satisfazer os interesses do PMDB? Qualquer amador em política teria notado. Só o Alan Rick não consegue perceber. Mas é novo, com o tempo aprenderá, muita coisa da política.

NÃO TEM UNGIDO

Escancarou de vez na troca de acusações a briga entre os dois grupos da Assembléia de Deus, no Acre. É uma briga que passou do terreno espiritual para o mundano. É uma briga política, de interesses pessoais, e não tem ungido pelo Espírito Santo nesta historieta nada edificante.

REABERTURA QUENTE

A reabertura dos trabalhos legislativos será efervescente, no confronto aberto comandado pelo deputado Raimundinho da Saúde (PODEMOS) e o governador Tião Viana. Ninguém faz hoje mais oposição aberta na ALEAC ao Governo que o Raimundinho. Nem a oposição se iguala.

MIRANDO NA REELEIÇÃO

Raimundinho trabalha no sentido de sedimentar novamente o seu caminho entre os servidores da Saúde, para a reeleição, defendendo pautas da categoria como a volta do PRÓ-SAÚDE, o pagamento de horas extras e ser contrário à terceirização das ações do HUERB.

SIGNIFICADO ESPECIAL

A sua articulação para derrubar o veto do governador Tião Viana tem um significado especial, além de buscar assegurar os direitos dos servidores do PRÓ-SAÚDE, se conseguir, poderá impor a um governo petista a única derrota de um veto nos 20 anos à frente do poder. E chegou num ponto que o deputado Raimundinho não pode mais recuar neste confronto. Não me pergunte como será o fim deste confronto: imprevisível!

COM DOCUMENTOS

Este comentário que já tomou conta dos bastidores políticos sobre supostas peripécias de um candidato ao Senado e que estaria para ser divulgada, tenho uma posição: não dou uma linha em cima de boatos. Ou depoimento gravado e bem documentado pelo delator, ou nada!

NOVA TÁTICA

A deputada federal Jéssica Sales (PMDB) não terá a máquina da prefeitura de Cruzeiro do Sul trabalhando 24 horas, como na sua eleição. Foi lavada pelo prefeito Ilderlei Cordeiro, que apoiará um parente a Federal. A sua tática para compensar a perda é fazer altos acordos financeiros nos municípios com lideranças regionais fora do Juruá. Nesta eleição, tem de meter a mão no bolso.

NÃO FECHARÁ A CONTA

Ainda que o prefeito Marcus Alexandre projete gastar nos próximos 30 dias 3 mil toneladas de asfalto, ainda assim não fechará a conta dos buracos que se espalharam pela cidade e que não estão apenas nos corredores de ônibus, mas nas transversais. Por maior que seja o empenho.

PARCERIA IMPRESCINDÍVEL

Caso o governo não entre com o dorminhoco DERACRE numa parceria para criar novas frentes de serviço, este abacaxi dos buracos vai pousar no colo da vice-prefeita Socorro Nery, que assumirá em abril e terá que ajudar a descascar em plena época eleitoral.

REFAZENDO PONTES

Quem será candidato a deputado federal na eleição deste ano é o secretário municipal Chicão Brígido (PDT), num terreno livre. Nichos eleitorais como Estação Experimental, Esperança, Calafate e outros, onde transita bem, não terão nomes da região para a Câmara Federal.

ANALISAR OS NOMES

O PDT está anunciando que terá chapa própria para deputado federal. Não se conhece todos os nomes dos candidatos. A legenda dará para eleger alguém? Isso é que o secretário Chicão Brígido terá que analisar. A sua candidatura será estratégica porque deixará a PMRB, em abril.

POR QUAL RAZÃO CHICÃO DEIXARÁ A PMRB?

Para se chegar aos motivos tem que se voltar ao passado, quando Chicão Brígido ainda era deputado federal. Na ocasião teve uma briga dura com a suplente Adelaide Nery pelo mandato, com uma série de acusações e troca de denúncias. Adelaide é mãe da futura prefeita Socorro Nery. Que dificilmente manteria o Chicão no cargo de secretário. Explicado?

APOSTANDO NO IMPROVÁVEL

Chicão Brígido é do tempo em que, se conquistava os votos na exposição da idéia, e foi assim que, praticamente, elegeu-se deputado federal. Nesta eleição está apostando no imponderável, de que não haverá, com os novos tempos jurídicos, tanta compra de votos.

NÃO APOSTO UM CENTAVO

Eu não aposto um centavo que teremos uma eleição limpa e sem compra de votos. O comércio de compra e venda de votos vai funcionar a todo vapor, também, na eleição deste ano.

É DEMOCRACIA OU NÃO?

Não entendo democracia pela metade. A candidatura do Jair Bolsonaro à presidência da República se insere neste contexto que numa democracia há a pluralidade de idéias. Cada candidato tem a sua plataforma, de direita, esquerda ou centro. Vota no candidato quem quer.

SITUAÇÕES DIFERENTES

É uma situação diferente, juridicamente, do ex-presidente Lula, que foi condenado numa ação penal e com todo direito de defesa, mesmo com os seus defensores dizendo que faltaram provas. Se for impedido de disputar a eleição será pela justiça e não por um golpe. Seria bom que o Lula disputasse, mas quem vai dizer isso é a justiça, estamos num Estado de Direito, onde há uma legislação penal e eleitoral a ser cumprida. É uma questão política e não jurídica.

XERIFE DE VOLTA

O ex-deputado Walter Prado estará na briga para volta à Assembléia Legislativa, como candidato a deputado estadual pelo SOLIDARIEDADE. Experiente, sabe o caminho das pedras.

SEXTO SENTIDO

Na política você não pode decidir pela emoção. Um exemplo: os deputados do PEN sabiam que seriam tratorados nos seus redutos pelo PT na campanha e ainda assim entraram no chapão. Perderam todos. Escaparam o Valter Prado e o Helder Paiva, que souberam fazer a leitura correta e não saíram para a reeleição. Na política tem que se avaliar os prós e contra. A lição vale para os atuais deputados da base do governo que não são do PT, na eleição deste ano.

ALIANÇA ESTADUAL

O presidente do PMDB, deputado federal Flaviano Melo, defende que na oposição haja apenas um chapão para Federal e duas chapas para deputado estadual, uma com os partidos maiores e outra formada pelos partidos menores. Acho difícil resolver a equação para a ALEAC.

CHAPAS PRÓPRIAS

OPSD do senador Sérgio Petecão tem chapa própria para deputado estadual. Da mesma forma o PSDB do deputado federal Major Rocha. O que tende a acontecer é que, dos grandes apenas o PP e o PMDB estejam numa coligação. A outra será do PPS-PTB e SOLIDARIEDADE.

FALTA PRUDÊNCIA

Basta os que comandam a oposição terem um pouco de serenidade nesta questão com o DEM. O senador Gladson Cameli (PP) somente por uma eventual zebra não estará num segundo turno. E lá estando é natural que o DEM e o seu grupo lhe apoiarão. Para o PT é que não iriam.

AÇÃO QUE DEVE CONTINUAR

A ação do secretário de Segurança, Emylson Farias, tirando de circulação dez acusados de roubos, mortes, tráfico de drogas, que atuavam na Cidade do Povo, é o caminho correto e deveria ocorrer nos demais bairros. Para se ter uma idéia da Cidade do Povo, todos motoristas se recusam a fazer corridas na parte noturna para o bairro, por correr risco de sofrer assalto.

RONDA MAIS ATIVA

Um dos pontos que se espera do novo comandante da PM, Coronel Kinpara, é que torne a presença da ronda com motos mais presentes nos bairros, como havia anos atrás. No Tropical e adjacências, por exemplo, há muito não se vê o roncar de uma moto da PM e, raramente, viaturas. O governo já investiu muito e está prometendo mais estrutura para a PM, uma nova leva de soldados está prestes a ser incorporada. Portanto, não haverá anteparo para que o trabalho de prevenção e combate à violência não melhore. As famílias reclusas em casa querem paz para sair à noite para uma diversão e retornar sem problemas. Ninguém é a favor do quanto pior melhor. Que venham novos tempos no restante de mandato do atual governo.

Coluna do Crica

PMDB não combinou com os russos

De gente bem intencionada o inferno está cheio, diz o velho, mas sempre aplicável ditado. A proposta jogada ontem pelo presidente do PMDB, deputado federal Flaviano Melo, de que deve caber ao DEM indicar o vice na chapa do candidato ao governo, senador Gladson Cameli (PP), longe de ser uma solução para a oposição apagou fogueira com gasolina. Na verdade, a coluna tem informação que, a ideia não partiu, inicialmente, do PMDB, como se divulgou, mas foi gestada numa reunião na noite de segunda-feira, com o grupo de conselheiros da candidatura Gladson Cameli (PP), com a presença do deputado federal Alan Rick (DEM), que disse que aceitaria ser vice, e o PMDB deu apenas o anteparo político. O que na verdade embute a manobra é acabar com a candidatura do Coronel PM, Ulisses Araújo (PATRIOTA), a governador e junto com o DEM trazer Tião Bocalom (DEM) para o chapão de Federal da oposição. Isso lembra a célebre história da Copa do Mundo, em que antes do jogo com a Russia, o técnico Feola chamou o ponteiro da seleção brasileira, Garrincha, e o mandou driblar os zagueiros soviéticos e fazer o gol. Garrincha, na sua humildade, perguntou: “vocês combinaram com os russos?”. Faltou aos articuladores desta complexa engenharia política ter conversado antes com o presidente do DEM, Tião Bocalom, contrário ao novo cenário. Ao recusar agora, a proposta, Bocalom pôs água no chopp colocado para gelar pelo PMDB, para comemorar a manobra. Não combinaram o anunciado acordo com os russos.

BOCALOM: “VICE É ASSUNTO QUE JÁ MORREU”

O presidente do DEM, Tião Bocalom, disse ontem que não discute mais a questão de vice. “Quando discutimos fomos enganados”, reagiu um irritado Bocalom, para quem está sacramentado o apoio do DEM à candidatura do Coronel PM Ulisses Araújo para governador.

DECISÃO FOI COLETIVA

Bocalom destacou que a decisão do DEM apoiar a candidatura do Coronel PM Ulisses ao governo foi coletiva dentro do partido e, assim, o deputado federal Alan Rick (DEM) não poderia em nome do DEM dizer que aceitaria ser vice. “É impossível, temos outro candidato ao governo”, disparou. Ontem, Bocalom e Ulisses rumaram em campanha pelo Vale do Juruá.

CONFRONTO É INEVITÁVEL

O anúncio do PMDB colocou em rota de colisão, agora em público, as posições políticas do presidente do DEM, Tião Bocalom, e o deputado federal Alan Rick (DEM), tornando o quadro da oposição ainda mais confuso. Não há mais lugar para Bocalom e Alan, no seio do DEM.

ÚLTIMA CARTADA

O deputado federal Alan Rick (DEM), que já foi rifado três vezes na sua escalada para ser o vice do candidato ao governo, senador Gladson Cameli (PP), joga agora a sua última cartada.

UM SERÁ ESMAGADO

Não existe um meio termo nesta confusão: ou o Tião Bocalom (DEM) sai esmagado ou o deputado federal Alan Rick (DEM) sai esmagado, porque defendem pautas antagônicas.

UM FLAVIANO OTIMISTA

Na entrevista de ontem com o deputado federal Flaviano Melo (PMDB), este se mostrou bastante otimista com uma vitória de Gladson Cameli (PP) no primeiro turno. Acha que o desgaste do governo Tião Viana ajuda e que se o DEM vier somar, a possibilidade aumenta.

ARGUMENTO PESSOAL

Flaviano Melo usa o argumento pessoal para defender a sua tese, a do senador Gladson Cameli (PP) ser um “gigante” na campanha e muito simpático no contato com os eleitores.

FORA DA DISCUSSÃO

Flaviano Melo se mostrou muito preocupado com a briga envolvendo o prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro, e o ex-prefeito Vagner Sales, ambos do PMDB. Avalia que a tendência na campanha é o clima entre ambos se acirrar ainda mais, porque o Vagner não é de ficar calado. “O Gladson não pode se meter”, aconselhou o parlamentar. Até aqui Vagner Sales silenciou.

“TUDO VAI DAR CERTO”

Conversei ontem com o médico Eduardo Veloso (PSDB), que se mostrou otimista quanto ao fato de vir a ser o vice na chapa ao governo do senador Gladson Cameli (PP): “tudo vai dar certo, tudo vai dar certo”. Veloso e Rocha vão viajar esta semana juntos pelo interior.

POSSIBILIDADE EXISTE

Liguei para alguns amigos da executiva regional do PSDB e todos consultados foram favoráveis que, no atual contexto, é melhor politicamente para a candidatura do deputado federal Major Rocha (PSDB) ter um vice, do que se empenhar na candidatura da irmã Mara Rocha (PSDB) a senadora. Um deles aventou a hipótese de que Rocha possa vir a desistir da idéia de Senado.

PARA COMEÇO DE CONVERSA

Um experiente político da oposição e que apóia a candidatura do senador Sérgio Petecão (PSD) fez ontem uma previsão de que, se o presidente do BASA, Marivaldo Melo, desconhecido do povão, se não vier com cinco milhões de reais na bagagem não emplaca a vaga de Federal.

CORRIGINDO

Não serão 3 toneladas, mas 3 mil toneladas de asfalto que a PMRB jogará na operação tapa-buraco. Fica feito o registro da correção, sobre a ação municipal.

NÃO ME ENTUSIASMO

O passar dos anos me ensinou a não analisar a política com a emoção, mas com a razão, por isso não consigo vislumbrar até o momento nenhum indicador seguro e científico de que, a eleição para o governo estadual possa a ser decidida no primeiro turno, para qualquer lado.

NÃO É NOVIDADE

Para o presidente do PSDB, deputado federal Major Rocha, não lhe é estranho que o PMDB queira um nome do DEM e não o médico Eduardo Veloso para vice de Gladson Cameli (PP). “O Márcio Bittar, o Vagner Sales e o Flaviano Melo nunca quiseram o Eduardo de vice”, lembrou Rocha. “Não sou eu, então, que está querendo implodir o nome do Eduardo”, assinalou.

ALGO CONTRADITÓRIO

Para Rocha fica algo contraditório. O PMDB quer o DEM indicando o vice e aponta o Alan Rick como o preferido. Que então o PMDB fique com o vice e abra mão da candidatura do Senado, sugeriu o deputado tucano, que não aceita o PMDB querer manobrar a chapa majoritária.

“VICE É UM CASAMENTO”

Para o presidente do PSDB, Major Rocha, qualquer partido pode indicar um nome para vice, mas não pode impor. “Vice tem que ser da simpatia e da confiança do candidato ao governo, é um casamento, e pelo que eu sei, o Eduardo Veloso preenche estes requisitos para o Gladson”, enfatizou Rocha.

ÚLTIMA PALAVRA

Rocha acredita que a candidatura de Eduardo Veloso (PSDB) será mantida de vice, porque a palavra final tem que ser do candidato ao governo e não de dirigente partidário.

FORA DE DISCUSSÃO

A candidatura da jornalista Mara Rocha (PSDB) para senadora, segundo Rocha, está fora de qualquer discussão no momento, porque é um lançamento feito pelas mulheres do partido.

SEGURO MORREU DE VELHO

Esta questão de escolha de vice-governador tem que ser feita com um cuidado especial pelo candidato a governador, seja ele quem for, porque se ganhar a eleição com um nome que não é da sua simpatia, pode correr o risco de dormir quatro anos com o inimigo. Vice e motorista oficial não pode ser qualquer um. Vice, porque pode complicar um governo. E o motorista porque testemunhará muitas conversas, que se vazarem destroem um governo. É isso.

“SEGURANÇA DESTRUÍDA”

O ex-deputado Walter Prado diz ter voltado decepcionado com o que viu no interior do Estado, com a maioria dos imóveis das unidades de segurança deteriorada. Para Prado, a imagem da Segurança está destruída com uma média de duas execuções por dia. “Isso pode ser reduzido com mapeamento e colocando setenta de PMs e setenta policiais civis espalhados nestes pontos, a solução para o momento é polícia na rua e a pressão sobre os marginais”, sugere. Onde tem Delegado atuante, com uma boa equipe, bandido não se cria, garante Prado.

O SAMBA ATRAVESSOU

Não se acaba uma briga incentivando os brigadores. Volto dizer que a intenção do PMDB é boa de unir toda a oposição, mas só está errado o método de fazer a coisa por decreto, sem discutir com as partes. Como é que se quer ver o DEM indicando o vice da chapa ao governo da oposição sem antes ter tido uma conversa com o presidente Tião Bocalom? Seria a mesma coisa que uma decisão política importante fosse proposta pelo DEM para ser tomada no PMDB, sem antes consultar o presidente Flaviano Melo. Convenhamos, o samba atravessou!

Coluna do Crica

Dobradinha Mara-Petecão para o senado

O presidente do PSDB, deputado federal Major Rocha,  anunciou ontem à coluna que, a candidatura da sua irmã Mara Rocha (PSDB) para o Senado é uma decisão que veio da direção nacional e também é uma iniciativa para prestigiar as mulheres acreanas, que são a maioria do eleitorado. E que não se trata de nenhuma imposição de afronta. Rocha adiantou que o PSDB deverá trabalhar na campanha numa dobradinha Mara Rocha (PSDB)-Sérgio Petecão (PSD).

“Não há a mínima possibilidade de uma composição com a candidatura do Márcio Bittar (PMDB), cujo comportamento é ficar aliciando filiados do nosso partido para filiar nos partidos que estão sob a sua orientação política”, denunciou. Sobre a candidatura a vice-governador do médico Eduardo Veloso (PSDB), reafirmou que é uma decisão que partiu do senador Gladson Cameli (PP), que o PSDB respeita e não tem nada contra. Rocha reafirmou que Gladson Cameli continua sendo o candidato ao governo do PSDB e que, a sua meta é derrotar o PT.

DIREITO LÍQUIDO E CERTO

Um partido grande como o PSDB, que deverá ter candidato à Presidência da República, tem o direito líquido e certo de ter uma candidatura própria ao Senado. E Mara Rocha (PSDB), por ser uma mulher, qualificada, conhecida no Acre, é um nome que se encaixa bem neste cenário.

FANIQUITO SEM SENTIDO

É um faniquito sem sentido de outros partidos de ficar protestando contra a candidatura tucana. Ninguém é dono de votos e o eleitor votará no candidato que bem entender.

MUITA RECLAMAÇÃO

Tenho ouvido muita reclamação de candidatos a deputado federal e deputado estadual da oposição ao fato do senador Gladson Cameli (PP) chegar sempre nas reuniões com os candidatos Rudiley Estrela (Federal) e Nicolau Junior (PP) à ALEAC. Prometem ter uma conversa com ele.

FICA ONDE QUISER

Na política ninguém é obrigado a ficar num partido. Principalmente, quando se é candidato. Tem que procurar onde tem mais chance de eleição. É o caso do ex-tucano Renê Fontes. Se a cooptação veio ou não do candidato ao Senado, Márcio Bittar (PMDB), isso é outra história.

NÃO É COMO PENSA

Mas, se Renê Fontes saiu do PSDB para o PTB pensando que pelo partido será mais fácil a sua eleição comete um equívoco. A coligação PTB-SOLIDARIEDADE- PPS para deputado estadual é uma chapa forte e com nomes que serão altamente competitivos. Bastar olhar a chapa.

OBRA NÃO ELEITOREIRA

O deputado federal Léo de Brito conseguiu liberar uma primeira parcela de 75 mil reais de um total de 250 mil reais, para a recuperação do Parque “Capitão Ciríaco”, que é um patrimônio ecológico e cultural da cidade de Rio Branco e que precisava urgente de reparos. O interessante e louvável em sua ação é que, a obra não é eleitoreira e nem politiqueira, mas a cidade agradece pela preservação de sua história.

A QUESTÃO É DE ESTRUTURA

A substituição do Coronel Julio César pelo Coronel Marcos Kinpara, no comando da PM, não pode ser vista como a varinha de condão para resolver os problemas da Segurança, que somente neste mês já contabiliza 27 execuções. Kinpara terá maior estrutura? Eis a questão!

TREMENDO EQUÍVOCO

É completamente fora da realidade, debitar ao Coronel Julio César o problema da insegurança.

GUERRA AOS BURACOS

O PREFEITO Marcus Alexandre colocou nove frentes de serviço, com sete das equipes aplicando asfalto para recuperar ruas e tapar buracos, na cidade. As prioridades serão as vias estruturantes, corredores de ônibus e acesso a bairros. 3 mil toneladas de asfalto serão usadas nos próximos 30 dias. A cidade estava por merecer uma ação desta envergadura.

GRANDE ADVERSÁRIO

O grande adversário deste tipo de ação pela PMRB vem sendo o inverno rigoroso deste ano.

DENÚNCIA ARRASADORA

Circula nos bastidores a notícia em boas fontes de que até antes do carnaval deverá estourar uma denúncia documentada, trazida de fora do Estado, que se verídica for poderá implodir uma candidatura ao Senado (nome não revelado) e dando uma modificada no atual quadro. A conferir em breve.

SEMPRE COM RESERVA

Dou este tipo de notícia sempre com muita reserva até ver todo o conteúdo da denúncia.

SEM ATRAPALHA

Mesmo sendo presidente do PP, José Bestene, faz uma campanha de deputado estadual de forma descolada do cargo e sem trazer problemas para o candidato ao governo, senador Gladson Cameli (PP). Bestene é um dos bons nomes que está disputando uma vaga na ALEAC.

SEGURANÇA NACIONAL

Não tem nada ver as críticas da deputada Eliane Sinhasique (PMDB) sobre o sigilo das operações da Hidroelétrica do Madeira, porque se trata de segurança nacional, seus dados, podem ser abertos. É no Brasil e em qualquer país do mundo.

SINUCA DE BICO

Pela que a coluna se informou ontem ou o deputado federal Major Rocha (PSDB) recua na decisão de lançar a jornalista Mara Rocha (PSDB) ao Senado ou perde a candidatura do médico Eduardo Veloso (PSDB) a senador. Há uma revolta no PMDB com este fato novo no PSDB.

QUEM MAIS QUESTIONA

Quem mais está questionando está nova situação é o PMDB, que acha privilégio demais.

JÁ ANTECIPOU

Acho que o Major Rocha (PSDB) já antecipou a decisão ao debitar ao senador Gladson Cameli (PP), a escolha de Veloso como o vice da sua chapa. A questão do vice era um problema que já estava equacionado na oposição e volta novamente para a pauta das discussões.

NÃO VEJO NENHUMA INFLUÊNCIA

Não vejo influência negativa da candidatura da jornalista Mara Rocha (PSDB) na campanha do candidato ao governo, senador Gladson Cameli (PP). O eleitor vai escolher o seu candidato a governador sem querer saber quem disputa ou deixa de disputar o Senado. Não é um voto atrelado. Uma coisa não tem nada a ver com a outra.

CURIÓ EM MUDA

O ex-prefeito de Cruzeiro do Sul, Vagner Sales (PMDB), está igual a curió em muda, não dá um pio. Mas, pelo seu temperamento, não esperem que continue silencioso com o fogo nada amigo dentro da oposição contra o seu grupo político. Vagner não é de ficar nas cordas apanhando.

CONTADOR DE CAUSOS OU DE PIADAS?

O Cesário Braga, além de ser um militante petista empenhado e que tem o seu valor, possui outra faceta que poucos conhecem. Para uns, bom contador de causos. Batuca que o PT fará 8 deputados estaduais. Eu não prefiro ver a fantasia como causo, mas como uma grande piada.

COM AS MÃOS ATADAS

Para que isso venha a acontecer os candidatos dos demais partidos teriam que disputar a eleição, amordaçados e amarrados. Caiam na real que, o PT não tem mais o antigo poderio!

PIOR É QUE PENSAM…..

Pior é que ainda existem algumas cabeças ocas dentro do PT, pensando que o partido elege até poste se lançar como candidato. Foi-se este tempo! Os tempos são outros!

FRASE PARA REFLEXÃO

“O voto é uma arma e todos nós devemos fugir dos candidatos que não têm ficha limpa”. Frase da atriz Ingrid Guimarães, na última edição da revista ISTO É, para reflexão dos leitores.

DESDIZENDO O QUE DISSE

Por duas vezes seguidas o prefeito de Senador Guiomard, André Maia, me disse que já se inclinou em apoiar a candidatura do prefeito Marcus Alexandre (PT) ao governo. Já teria conversado neste sentido com o Marcus e com o governador Tião Viana. Mas não foi surpresa agora tirar o corpo fora e ficado em cima do muro. Aprendi ao longo da minha carreira que, na política a palavra da maioria dos políticos muda como as nuvens. O André não é o primeiro político a desdizer o que disse. Mas para este BLOG tudo bem, tanto faz ele apoiar Chico ou Chicó, para mim nada muda. O prefeito André tem o direito de apoiar quem quiser. Ninguém lhe tira este direito. Prefeitos passam, governadores passam e a coluna continua em qualquer gestão. E não será o apoio de nenhum prefeito que vai ditar a vitória de um dos candidatos ao governo, mas, a empatia com a população. Assim se decidem as eleições. E, bola na área.

Coluna do Crica

Gladson: “Não tenho nada a ver com brigas de prefeito”

O candidato ao governo, senador Gladson Cameli (PP), se posicionou ontem acerca da briga existente entre o prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro (PMDB), e o ex-prefeito Vagner Sales (PMDB), inclusive, com a demissão de secretários. “Não indiquei ninguém para secretário, não incentivei ninguém a fazer mudança de secretariado, nunca conversei sobre este assunto, mas posso afirmar que esta briga é prejudicial para a oposição. Tenho o maior respeito e sei da importância política do ex-prefeito Vagner Sales no processo para me indispor com ele, para pedir a substituição dos secretários do seu grupo político”, asseverou Gladson. Sobre o confronto diz que vai procurar intermediar para que a paz volte a reinar, mas não tem como colocar isso na cabeça de ninguém. E que qualquer mudança que vier a ser feita no secretariado do prefeito Ilderlei Cordeiro é da inteira responsabilidade deste. “Não tenho nada a ver com a gestão do prefeito Ilderlei”, completou Cameli, acerca do episódio.

CANETA NA MÃO

Neste ponto o senador Gladson Cameli (PP) tem razão, quem tem a caneta na mão é o prefeito de Cruzeiro do Sul, que nomeia e demite quem entender. A briga com o grupo do ex-prefeito Vagner Sales (PMDB) é, exclusivamente, uma opção pessoal do prefeito Ilderlei Cordeiro.

ENGOLIR SAPOS

Volto a dizer que o ex-prefeito Vagner Sales tem que engolir calado os sapos desta história, ainda que esteja sofrendo uma traição política, porque assumiu o risco da briga ao escolher Ilderlei Cordeiro para lhe suceder, contrariando os apelos para o lançamento de outro nome.

MAIOR PATUSCADA

A maior patuscada desta história é o prefeito Ilderlei Cordeiro imaginar que a contratação de marqueteiros pode mudar a sua gestão. Mudam nada! O que pode mudar a sua administração é única e exclusivamente cuidar da cidade tirando o lixo das ruas e tapando os buracos.

MARA QUEBRA O CICLO MASCULINO DO SENADO

Não teremos mais só os candidatos masculinos disputando as duas vagas do Senado. Uma mulher, a jornalista Mara Rocha (PSDB), entrou no páreo e é a oitava postulante a uma vaga de senador. A sua candidatura nasceu da exigência da direção nacional de que os tucanos têm de ter uma mulher no cenário da disputa e que o partido não pode deixar de ter nome ao Senado.

PRONTA PARA O DESAFIO

Conversei ontem com a jornalista Mara Rocha sobre a sua candidatura. Disse que é para valer e atende a um chamamento da direção nacional do PSDB, notadamente, do movimento das mulheres do partido. Falou sentir-se motivada com o apoio recebido e está pronta para a luta.

ESPAÇO PARTIDÁRIO

Mara nega que a sua candidatura tenha a intenção de prejudicar qualquer candidato da oposição. “É mais uma opção para o eleitorado”, assinala. Na sua visão o PSDB é um partido grande, não pode ficar a reboque de outras siglas, e tem que buscar seu próprio espaço.

REAÇÃO NO PMDB

A coluna tem informação que, quem reagiu contra a candidatura da jornalista Mara Rocha (PSDB) foi o grupo do senador Márcio Bittar (PMDB), que, inclusive, levou a reclamação aos assessores da candidatura do senador Gladson Cameli (PP) a governador. Acham que, o PSDB não pode ficar com a indicação do vice e ter candidato ao Senado. Pedem a retirada do nome.

INDICAÇÃO PESSOAL

A reação do presidente do PSDB, Major Rocha, é conhecida a este respeito. Reafirma que a candidatura do médico Eduardo Veloso (PSDB) é uma escolha pessoal do candidato a governador, Gladson Cameli (PP), que o PSDB acatou. “Não foi indicação nossa”, pontua.

NO REDUTO DO PT

Na última pesquisa para o governo realizada pelo DATA-CONTROL, se registrou que não é em Cruzeiro do Sul, onde Gladson Cameli (PP) tem a sua maior aceitação, embora seja excepcional, mas em Mâncio Lima, que é governada pelo prefeito petista Isac Lima. O PT ficou com uma beirinha dos votos.

PEQUENA INFLUÊNCIA

Isso mostra que será pequena a influência do prefeito Isac Lima (PT) na transferência de votos para o candidato do PT a governador, Marcus Alexandre. Transfere um índice diminuto.

MAIS BEM AVALIADOS

A mesma pesquisa do DATA-CONTROL mostrou que os três prefeitos mais bem avaliados são Mazinho Serafim (Sena Madureira), Caetano (Acrelândia) e Fernanda Hassem (Brasiléia). Os três prefeitos têm algo em comum, pegaram os seus municípios inadimplentes e arrasados.

PERDEU A HEGEMONIA

Quem garantiu a eleição do governador Tião Viana foi a votação dos municípios de Feijó e Tarauacá. Nesta eleição o quadro mudou. Pelo menos até aqui. O senador Gladson Cameli (PP) é o preferido do eleitorado dos dois antigos redutos petistas.

LEQUE DE ESCOLHA

O novo leque de escolhas de candidatos a senador passou a oito nomes. Jorge Viana (PT), Ney Amorim (PT), Sérgio Petecão (PSD), Márcio Bittar (PMDB), Minoru Kinpara (REDE), Sanderson Moura, Fernando Lage e agora Mara Rocha (PSDB). O lado bom do quadro: nomes qualificados.

POR CIMA DA CARNE SECA

A IBB continua por cima da carne seca na política. A coluna tem informação que foi dada uma cota para a representação da Igreja Batista do Bosque, em Cruzeiro do Sul, pelo prefeito Ilderlei Cordeiro, para que os seus Pastores indiquem dois secretários para aquela prefeitura.

EVANGÉLICO FANÁTICO

O prefeito Ilderlei Cordeiro se tornou um evangélico fanático e fervoroso dos quadros da IBB.

NÃO SE TROMBA COM A JUSTIÇA

O prefeito de Senador Guiomard, André Maia, está entrando pelo caminho errado em trombar com a justiça para manter a secretária de Saúde, Dinha Carvalho, mesmo esta tendo condenação de improbidade transitada em julgado, sendo impedida de ocupar cargo público. É um enfrentamento altamente perigoso.

MÁXIMA DA GESTÃO

Numa gestão pública não se coloca abacaxi no colo, se livra. Há recomendação judicial para a demissão da secretária Dinha Carvalho e não cumpriu. E coloca outro abacaxi no colo, com esta briga com o vice-prefeito Judson Costa. Está abrindo muitas frentes de confrontos.

ACREDITO NISSO

Respeito quem pensa o contrário. Mas continuo a crer que, a disputa do governo será equilibrada. Gladson Cameli (PP) é altamente popular, o melhor nome da oposição nas duas últimas décadas. Marcus Alexandre (PT) também é popular e tem as máquinas públicas a seu favor. E é muito cedo, a campanha nem foi para as ruas, para se afirmar estar a eleição decidida sem segundo turno. Até que fatos se tornem nítidos não creio em um turno só.

SABIAM DA CARTILHA

Os prefeitos acreanos que tiveram os seus repasses bloqueados pelo INSS, sabiam que teriam que pagar como prioridade os parcelamentos das dívidas, sobre pena de resgate do FPM. Assumiram o risco do bloqueio. Pagar é a única solução para não fecharem as portas.

CULTURA DO PÚBLICO

O empresário da iniciativa privada paga os seus encargos, por qual motivo o gestor público quer privilégios? E nem cabe a desculpa que estas são dívidas de antecessores, quem casa com a viúva cria os filhos, a dívida é da prefeitura e não do gestor. Se elegeram prometendo soluções.

NÃO É TAREFA FÁCIL

Tive dando uma olhada nos nomes que formam a chapinha dos nanicos para deputado federal. Pinço no máximo dois com densidade. Por isso, não será tarefa fácil eleger um Federal.

ZÉ DE VOLTA

Quem vai tentar pelo PMB uma volta para a ALEAC é o ex-deputado Zé Carlos. Bom nome.

VICTOR ROMERO

O prefeito Ilderlei Cordeiro poderia fazer uma escolha acertada na troca de secretários, se colocar na Secretaria de Esportes, o esportista Victor Romero, que é do ramo e já atua em ações sociais com a população carente. Além de lhe ser leal e muito competente no que faz.

PARA A REFLEXÃO

Um tópico da entrevista do Jô Soares , na revista “Isto É”, sobre política, que merece uma reflexão. Eis: “Cada vez mais fica evidente que há necessidade de separação entre política e economia. A economia passa por um momento de recuperação que é atrapalhado pela política. Esse é um fenômeno mundial. Hoje existe um partido nazista na Alemanha em ascensão. No Brasil, acontece uma polarização entre esquerda e direita, só que os dois lados não existem. Quem é o Lula? Um cara julgado e condenado como ladrão, e continua arrastando os seus 35% de eleitores – e não deve mais passar disso. Isso porque as pessoas de classe média que o apoiaram achando que ele daria fim à corrupção viram exatamente o oposto. Por outro lado, não é possível que o Bolsonaro consiga levar uma quantidade significativa de votos. A política é um caldeirão. Vamos ver como vai ser o rescaldo para esse caldeirão. As coisas têm que se esgotar nelas mesmas. Todo movimento real revolucionário, o trotskista, por exemplo, não teve sequência, porque mataram o Trótski. O poder mata”.

Coluna do Crica

As mulheres pedem passagem

Não é preciso muito esforço para quem acompanha o trabalho das quatro deputadas na Assembléia Legislativa, para se afirmar que, dificilmente, só numa zebra, não retornarão aos seus mandatos. Leila Galvão (PT), Eliane Sinhasique (PMDB), Juliana Rodrigues (PRB) e Maria Antonia (PROS), além do trabalho parlamentar têm uma ação fora do plenário da ALEAC muito ativa. É bom que voltem para garantir o espaço das mulheres numa Casa, onde os homens são a maioria esmagadora com vinte cadeiras ocupadas. Um deputado não se mede só pela sua presença na tribuna, mas também pelo complemento de suas iniciativas. Maria Antonia tem um trabalho a favor da causa dos hansenianos, Juliana Rodrigues na defesa do consumidor, Eliane Sinhasique no apoio à profissionalização das mulheres e a Leila Galvão é baluarte na defesa dos pleitos do Alto Acre, sempre presente no meio rural. O ideal é que mais mulheres venham a elas se somar na próxima legislatura, para quebrar um pouco da hegemonia do “Clube do Bolinha”, no Legislativo. Afinal, as mulheres são expressivas no eleitorado acreano. Abram alas que as mulheres pedem passagem!

NÃO APITA NADA

Pensava que o senador Sérgio Petecão (PSD), por ser do mesmo partido, pudesse influenciar o prefeito de Senador Guiomard, André Maia, a apoiar a candidatura do Gladson Cameli (PP) ao governo. Sua força é zero! Soube que todos os secretários indicados pelo Petecão foram degolados. Inclusive, o Nilson, casado com a irmã da quase deputada federal Marfisa Galvão, o Maneim, seu linha de frente, e que a próxima guilhotinada pode ser a Irmã Glória, mulher do Pastor Pedro Abreu. Que foice afiada, vixe! O André é macho! Marca o seu perfil de forma dura.

ESCOLHA É DE CONFIANÇA

Não há como condenar um prefeito pela escolha dos seus secretários, porque se o auxiliar errar, automaticamente, o desgaste será de quem comanda a gestão. Por isso acho normal o prefeito de Senador Guiomard, André Maia, e qualquer outro, nomear gente de sua confiança.

CONFESSIONÁRIO ABERTO

Os candidatos a deputados federais dos partidos nanicos começaram a serem chamados para conversas de convencimento pelos dirigentes petistas Cesário Braga e Carioca. O último foi o candidato Neto Ribeiro (PHS), a quem foi feito um apelo a que se integrasse ao chapão do PT.

TUDO NA POSSIBILIDADE

O PT vai jogar tudo na possibilidade de cooptação dos candidatos a Federal dos partidos nanicos para integrar o seu chapão, por um motivo simples: precisa completar o chapão com mais nomes, sob pena de eleger apenas um deputado federal. Não sei quantos vão resistir.

CHAPA MAIS FRAQUINHA

O chapa do PT e aliados é a mais fraquinha já lançada nas últimas disputas eleitorais. Tem só cinco nomes muito fortes: Léo de Brito (PT), Raimundo Angelim (PT), Sibá Machado (PT), César Messias (PSB) e Perpétua Almeida (PCdoB). E mais ninguém. Ou seja, tem a cabeça, mas, falta o resto do corpo. Por isso se torna fraca e por isso a corrida desenfreada para a cooptar os candidatos nanicos.

CONVERSA PESSOAL

A coluna tem informação de que o ex-deputado federal Henrique Afonso será chamado pelo governador Tião Viana para uma conversa. Objetivo: o levar para formar no chapão do PT.

RELAÇÃO AMISTOSA

Mesmo depois de ter saído do PT e disputado eleições por partidos de oposição, ainda assim o ex-deputado federal Henrique Afonso, sempre manteve uma relação amistosa com o governador Tião Viana.

BANCADA VAI MINGUAR

Os dirigentes petistas temem que, com duas chapas para deputado federal a bancada do partido na Câmara Federal possa ser reduzida, já que o chapão da oposição é o mais forte já formado nas últimas eleições. É que chapinha dos nanicos só serviria para perder votos.

MATEMÁTICA CORRETA, MAS FALTA COMBINAR

A matemática dos petistas está correta, mas falta combinar com dirigentes dos partidos nanicos, que não querem nem abrir discussão para levar seus candidatos para o chapão do PT.

HÁ CONTROVÉRSIAS

O presidente do PDT, Luiz Tchê, garante que o partido vai ter chapa própria para a Câmara Federal. A questão é que se olha para os nomes e não se vê um número suficiente para um embate duro como o de Federal. Está todo mundo pagando para ver o Tchê mostrar o jogo.

FICO NA DÚVIDA

Quando vejo o governador Tião Viana fazer uma defesa pungente do ex-presidente Lula, o colocando como um perseguido político, eu fico na dúvida se age desta maneira por serem amigos próximos, ou se é mesmo por convicção. Só estaria certo na primeira hipótese.

ELEIÇÃO ATÍPICA

A disputa eleitoral deste ano será atípica, por isso só deve começar e ferver a partir de julho. Em fevereiro temos o carnaval e nada acontece de extraordinário até lá, em seguido vem a Copa do Mundo em junho, que prende as atenções, e o jogo político só começa depois disso.

SALDO DO EGOÍSMO

No apagar de 2017, muitos prefeitos aprovaram projeto que lhes garantia receber o 13º salário. Nada de ilegal. Mas comentei na época que isso, só seria justo se tivessem as prefeituras saneadas. Chegou 2018 e, onze das prefeituras acreanas tiveram os recursos bloqueados este mês. A tendência é que essas prefeituras passem o ano todo na pindaíba.

PAGA A POPULAÇÃO

E quem vai pagar pelo pato é a população, que não vai querer saber se o prefeito terá ou não recursos para resolver os seus problemas: quer solução imediata, ou o desgaste vem a cavalo.

REFLEXO POLÍTICO

Com os prefeitos sem recursos para fazer frente ás demandas, a tendência natural é que nada somem politicamente para os candidatos a governador que venham a apoiar. Em alguns casos vai ser melhor o candidato ao governo não ter o prefeito no seu palanque, porque tira votos.

QUE PREJUDICA, PREJUDICA

A deputada federal Jéssica Sales (PMDB) deve ser a mais votada para a Câmara Federal, no Juruá. Mas não se pode minimizar o fato do prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro, ter lançado o tio Rudiley Estrela (PP) a Federal, porque vai tirar votos que seriam da Jéssica.

NÃO CONTAVA

O certo é que o ex-prefeito Vagner Sales (PMDB), responsável pela candidatura de Ilderlei Cordeiro a prefeito de Cruzeiro do Sul, jamais imaginaria que, este não apoiasse a reeleição da deputada federal Jéssica Sales (PMDB), o que foi considerado no clã dos Sales como “traição”.

TRABALHO SOCIAL

Mesmo no recesso parlamentar o deputado Heitor Junior (PDT) é constante no apoio aos portadores de hepatites que, inclusive, já fazia mesmo antes de ser deputado. O seu mérito é de que mesmo depois de eleito não foi tomado pela arrogância e não abandonou a boa causa.

ARRASTÃO NA OPOSIÇÃO

O ex-deputado federal Márcio Bittar (PMDB) continua com o seu arrastão na oposição para levar candidatos a deputado estadual para os partidos sob a sua órbita, como o PPS-PTB-SOLIDARIEDADE. Levou o ex-candidato a prefeito de Senador Guiomard, Jorge Catalan (PP), para disputar uma vaga de deputado na ALEAC, pelo SOLIDARIEDADE.

ATÉ QUE ENFIM!

Depois de longos anos o candidato ao Senado, Márcio Bittar (PMDB), anuncia oficialmente que passou a ter um celular com número do Estado, seus telefones sempre foram com código de Brasília. E ainda fez um comunicado público sobre o fato inusitado.

NÃO CORRERÁ MAIS SOLTA

Com a candidatura de Jorge Catalan (SOLIDARIEDADE) a deputado estadual, a candidata do PSDB, Branca Menezes, já não vai correr mais solta em Senador Guiomard como vinha correndo. O curioso é que Branca é uma das apoiadoras de Márcio Bittar no município.

FORA DE COGITAÇÃO

O boato rola, mas não há no momento nenhuma articulação e nem um motivo político, para que o prefeito Marcus Alexandre seja substituído na candidatura ao governo pelo deputado Ney Amorim (PT), que continuará candidato ao Senado, onde está bem no jogo na disputa.

FOLGO PELA SAÚDE

Ontem, encontrei o ex-prefeito de Plácido de Castro e ex-deputado Luis Pereira, no supermercado, bem de saúde. Pereira é dessas pessoas de quem não se consegue ter raiva, pelo seu coração generoso. Pereirinha, habilidoso, foi um dos melhores prefeitos da velha Plácido de Castro. Um político da velha safra, mas que mesmo fora da política, continua antenado. Também foi um deputado estadual atuante e quase prefeito de Rio Branco.

MELHOROU A ECONOMIA

Não sou seu admirador político, mas tenho de reconhecer que o presidente Michel Temer já melhorou a economia, com medidas duras que outros presidentes por fisiologismo não tiveram a coragem de tomar. Na gestão pública os remédios nem sempre são açucarados.

NADA MAIS JUSTO

O ex-deputado Nilson Mourão, fundador do PT, um lutador contra a ditadura militar, bem que poderia ser homenageado, como suplente, pelo senador Jorge Viana (PT), assumindo por um tempo o mandato de senador. Sou contrário a tudo que ele prega, mas tem o meu respeito.

Coluna do Crica

Apoiar Marcus Alexandre, o caminho de André Maia

O prefeito de Senador Guiomard, André Maia, garantiu ontem à coluna em breve conversa que, está tudo muito bem encaminhado para vir a apoiar a candidatura do prefeito de Rio Branco, Marcus Alexandre (PT), para o governo. André se mostrou revoltado com os ataques que vem sofrendo, diariamente, de políticos do PP, partido do candidato a governador Gladson Cameli. “Não tomaram nenhuma providência e isso me afastou de qualquer apoio á candidatura do Gladson. Já tive conversas com o Marcus Alexandre e tudo está certo de lhe apoiar. É bom lembrar que nas pesquisas o Marcus já está na frente aqui em Senador Guiomard”, destacou o prefeito. “Não me importa nome de partido, eu vou tratar do que é melhor para a minha administração e me preparar para uma possível reeleição. Não vou ficar preso a nenhuma questão partidária de ser da oposição”, disse. André Maia diz que, a campanha negativa contra a sua administração é tão grande por parte de vereadores e políticos da oposição na busca de lhe desmoralizar que, até por obras de um conjunto de casas abandonadas pelo ex-prefeito James Gomes (PP), querem debitar na sua responsabilidade.

COMPLETAMENTE MOTIVADO

O que deu para sentir na breve conversa que tive ontem pelo celular com o prefeito André Maia foi que, a sua inclinação de apoiar a candidatura de Marcus Alexandre é já decisiva.

ARRASTÃO NO NINHO TUCANO

O ex-deputado Márcio Bittar (PMDB) continua em guerra contra o deputado federal Major Werles Rocha (PSDB). Está levando o tucano Renê Fontes, da Juventude do PSDB, para se filiar ao PTB. E trabalha para levar o vereador Célio Gadelha (PSDB) para o SOLIDARIEDADE.

PSDB BRECARÁ VEREADOR

Sobre o assunto, o deputado federal Major Rocha (PSDB) disse ontem não ter problema algum a ida de Renê Fontes para o PTB. “Não será desfalque importante para a nossa chapa de deputado estadual”, ponderou. Mas advertiu que o PSDB brecará, legalmente, qualquer tentativa de saída do vereador Célio Gadelha (PSDB) para o grupo de Márcio Bittar (PMDB).

UMA PEQUENA LEMBRANÇA

O presidente do PSDB, Major Rocha, lembrou que, a janela que vai se abrir para a mudança de partido é somente para deputado estadual e deputado federal, não beneficia os vereadores, o que os deixa atados juridicamente. Se saírem, eles incorrem em infidelidade partidária.

O QUE GANHA O MÁRCIO BITTAR?

Nisso tudo, o que ganha, politicamente, o Márcio Bittar (PMDB) em tirar membros da oposição de seus partidos originais para filiar em outro partido da oposição? E a pergunta que fica. É um ato que só desagrega. Teria que investir para tirar candidatos da FPA, isso seria o correto.

MANTENDO PARCERIAS

Quem está com uma campanha organizada é o candidato a deputado federal Nelson Sales (PP). Tem montado estruturas de apoio em municípios chaves do interior e não será um mero disputante na forte chapa da oposição para a Câmara Federal, suas chances são concretas.

CHAPA DA PESADA

Fala-se na aliança PP-PMDB para a disputa de vagas na Assembléia Legislativa. Caso isso aconteça será uma chapa da pesada, com nomes como José Bestene (PP), Ghelén Diniz (PP), Wendy Lima (PP), Eliane Sinhasique (PMDB), Antonia Sales (PMDB), Roberto Duarte (PMDB) e Meiri Serafim (PMDB). Todos com estrutura para a eleição e participantes de outras campanhas políticas.

SILÊNCIO TUMULAR

O ex-prefeito Vagner Sales entrou em silêncio tumular ante as anunciadas demissões da prefeitura de Cruzeiro do Sul de secretários do seu grupo político, pelo prefeito Ilderlei Cordeiro. Vagner está, queira ou não, sendo respingado pela fraca atuação da gestão municipal, porque foi o criador, fomentador e apoiador da candidatura do prefeito.

VARRER A IMAGEM

O prefeito Ilderlei Cordeiro resolveu varrer a imagem do ex-prefeito Vagner Sales da sua administração. É a revolta da criatura contra o criador, que aconteceria mais cedo ou mais tarde. Não teve ingerência de terceiros. Nenhuma surpresa.

NÃO TEM QUE RECLAMAR
O ex-prefeito Vagner Sales não tem que reclamar de nada, Ilderlei Cordeiro foi escolha pessoal.

NÃO APOSTEM

Não apostem nem um centavo, porque quem apostar vai perder, de que todas as correntes do PT estarão unidas em torno das candidaturas ao Senado do Ney Amorim (PT) e do Jorge Viana (PT). Para quem faz coluna política como eu, mais de 40 anos, sente o cheiro de guerra no ar.

NÃO PARA CIMA DE MIM

E não venha com a conversa fiada de que existe unidade no PT em torno das candidaturas a senador. Para cima de mim, não! Contem piadas para outros. Sei bem do que estou falando.

NA MIRA DA OPOSIÇÃO

Uma das figuras mais importantes da oposição revelou ontem que o deputado Raimundinho da Saúde (PODEMOS) será convidado com o aval do candidato ao governo, senador Gladson Cameli (PP), para se filiar a um partido da oposição. Raimundinho está em colisão com o PT.

PERSONA NOM GRATA

O deputado Raimundinho da Saúde (PODEMOS) é visto como um adversário dentro da FPA, na cúpula palaciana, por conta do seu enfrentamento com o governo no caso do PRÓ-SAÚDE.

DIFICILMENTE FICA

Na avaliação de algumas lideranças da oposição, dificilmente, o deputado federal Alan Rick permanecerá no DEM. Acham que o DEM não tem legenda para eleger dois deputados federais e, o Alan ficando no partido, disputaria uma vaga com o Tião Bocalom (DEM).

FORTE NOS EVANGÉLICOS

A manifestação de apoio à candidatura de Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência da República, feita pelo Pastor da IBB, Agostinho Gonçalves, é mais ampla no meio evangélico, aonde o candidato tem majoritária aceitação. Bandeiras como, ser contra o casamento gay e o aborto os une.

CEDO PARA AVALIAR

O candidato ao governo, Coronel PM Ulisses Araújo, deverá acompanhar Jair Bolsonaro e filiar-se ao PSL. Não dá para avaliar que tamanho ficará a candidatura do Ulysses. Mas acho ser difícil quebrar a polarização Gladson-Marcus. A não ser que ocorra algo anormal com ambos, no decorrer da campanha.

MEIO COMPLICADO

A aliança PODEMOS-PRB tem quatro deputados: Juliana Rodrigues, André da Farmácia, Raimundinho da Saúde e Josa da Farmácia. Estes nomes dificultam a formação complementar da chapa, pois, quem entrar fica de antemão sabendo que será somente para fazer número.

REAÇÃO NA GELADEIRA

Nem a governadora em exercício, Nazaré Araújo, e nem os secretários querem falar sobre a postagem dura feita pelo empresário Jarbas Soster contra o governador Tião Viana. Os belicosos eram por uma resposta agora, mas ficou para a chegada do Tião, dia 17.

GANHAR BEM

As contas feitas dentro do PT são de que para garantir uma vantagem eleitoral, o prefeito Marcus Alexandre terá que abrir uma diferença considerável na Capital, sobre o candidato Gladson Cameli (PP). E que com a cidade nas atuais condições fica ainda mais complicado.

MARTELO BATIDO

O médico Eduardo Veloso (PSDB) será mesmo o vice na chapa do candidato ao governo, senador Gladson Cameli (PP). O martelo foi batido, não há mais reações contrárias e falta só o anúncio oficial.

CONTA DENTRO DA REALIDADE

O deputado Jonas Lima (PT) faz uma conta dentro da realidade e sem superfaturar expectativas. Acha que o PT não elege mais de quatro deputados na eleição deste ano.

ENTRE O PTB E O PT

O ex-deputado Chico Viga só vai disputar a eleição para a ALEAC, pelo PTB, onde está filiado, caso o governador Tião Viana não consiga um partido na FPA para ele se filiar. Prefere ser candidato dentro da FPA. É de se perguntar se o PTB vai ser aceitar ser rebarba na história.

XEQUE-MATE

Falando nisso, o ex-deputado Élson Santiago vai receber uma notificação da direção do PTB de que, se quiser ser candidato pela sigla tem que entregar agora o cargo de assessor especial que ocupa no gabinete do governador. O partido não quer ninguém com ligações com o PT.

HOMEM DO MILHÃO

“Lá vem o homem do milhão”. É a reação de políticos quando vêm chegar para a reunião o candidato a deputado federal Marivaldo Melo (PSD). Ninguém se elege liso para Federal.

COISA DO TEMPO DE TERRITÓRIO

Burrada. É a denominação certa para as transferências de enfermeiros do HUERB, por questões políticas – estão à frente do movimento pelo recebimento dos plantões extras – para a Cidade do Povo e HOSMAC, respectivamente, num ato de vingança tosco. Não sei quem foi o pai da má ideia, mas foi uma atitude pequena e que só trouxe desgastes para o governo, o ganho foi zero. Parece no tempo em que o Acre era Território Federal, que quem estava no poder, para se vingar de adversários, transferia o servidor que não rezava na cartilha do poder para o interior. Só faltou transferir estes enfermeiros para o longínquo Marechal Taumaturgo.

Coluna do Crica

Ilderlei se afasta de Vagner Sales por novo perfil

O prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro (PMDB), está praticamente rompido com o ex- prefeito Vagner Sales (PMDB), padrinho da sua candidatura. Em conversa que teve esta semana com o Procurador Jurídico daquela prefeitura, advogado Jonathan Donadoni, Ilderlei anunciou que ao final do mês demitirá os secretários Neto Vitalino (Comunicação), Ivo Galvão (Administração), Rosa (Meio Ambiente) e Dayana Maia (Cultura), todos ligados ao ex-prefeito Vagner. O argumento usado é que as pesquisas o estão lhe apontando como um dos piores prefeitos desta safra e para voltar por cima foi aconselhado por marqueteiros a dar a sua cara à administração, criando um perfil próprio. “Eu ainda argumentei que o caminho para a sua recuperação não era o da demissão de secretários, mas sim deixar a cidade limpa e sem buracos, e que o confronto político não seria bom. Mas não me ouviu e vai mesmo demitir. Ao secretário Ivo Galvão já comunicou a decisão pessoalmente”, revelou ontem Donadoni à coluna. Ilderlei, mesmo procurado, não atendeu para falar sobre a anunciada iniciativa. Tampouco o ex-prefeito Vagner Sales. O clima entre os secretários é de completa incerteza.

AFASTAMENTO COMPLETO

O ex-prefeito Vagner Sales tem tido como conduta o afastamento completo do prefeito Ilderlei Cordeiro, para não ser acusado de ingerência na sua gestão, deixando-o à vontade. A coluna tem informação que, assim que demissões forem concretizadas, Vagner se pronunciará.

CANETA NA MÃO

Se o prefeito Ilderlei Cordeiro vai subir na popularidade com as demissões tenho sérias dúvidas, o caminho de recuperação não passa por demissões de secretários, mas é um direito do prefeito, que tem a caneta na mão, nomear quem bem entender para cargos de confiança.

NÃO PODE FUGIR

Mas de um fato o ex-prefeito Vagner Sales, não pode fugir: ser o responsável, principal, pela vitória de Ilderlei Cordeiro, cujo nome impôs mesmo com aconselhamentos contrários.

PRIMEIRO SINAL

O primeiro sinal de que a aliança entre o ex-prefeito Vagner Sales e o prefeito Ilderlei Cordeiro não iria longe, aconteceu quando Ilderlei decidiu apoiar o familiar Rudiley Estrela a deputado federal, descartando assim apoio à reeleição da deputada federal Jéssica Sales (PMDB).

FALANDO DE BURACOS

E falando de cidade esburacada tem que se botar no mesmo cadinho de Cruzeiro do Sul, Rio Branco, problema que poderá se agravar caso a PMRB não triplique suas frentes de serviço. No atual estágio não há nem como o PT pegar a prefeitura de Cruzeiro do Sul para Cristo.

CONVERSA PROVIDENCIAL

O senador Jorge Viana (PT) diz que espera a chegada do governador Tião Viana, no próximo dia 17, para ter uma conversa sobre a cidade e pedir que o Governo entre com frentes de serviço na cidade no auxílio à PMRB. Considera que, sem esta ação o problema não será contornado.

PREPARANDO PARA O PIOR

E tudo indica que vem mais um problemão para o prefeito Marcus Alexandre, o da cheia do Rio Acre. De forma preventiva ficou decidido ontem pela manhã, numa reunião entre representantes da PMRB e a Defesa Civil, começar a preparar o Parque de Exposição para receber desabrigados. Ontem ao meio dia o nível do Rio Acre já estava nos 11.49 metros.

UM ADENDO

O Pastor da IBB, Agostinho Gonçalves, ligou para fazer um adendo à sua entrevista, de que a nomeação do secretário de Saúde, Gemil Junior, o contempla, por ser um membro da Igreja.

CALDO GROSSO

Não sei onde vai dar este confronto do empresário Jarbas Soster com os irmãos Vianas, depois desta chamada para a briga feito pelo empresário ao governador Tião Viana. Não se sabe ainda a reação do governador, mas pode dar caldo grosso, dependendo da sua manifestação.

NÃO SE BRIGA EM VÁRIAS FRENTES

Os estrategistas do governo estão incorrendo em erro primário, o de abrir várias frentes de confronto no último ano de gestão, quando o normal e procurar aparar todas as arestas.

LEVOU UM CAPOTE

O Pastor Pedro Abreu levou um capote do Pastor Luiz Gonzaga e a Assembléia de Deus ficará mesmo com dois grupos religiosos diferentes: Luiz Gonzaga com os Câmaras e Abreu com a direção nacional. Na balsa da aleluia foram Pedro Abreu e o deputado Jairo Carvalho (PSD).

RINDO DE CAMAROTE

Quem deve estar rindo com o resultado é a ex-deputada Antonia Lúcia (PR), que é desafeta política do Pastor Pedro Abreu, de quem era uma antiga aliada. A estratégia de Pedro Abreu de englobar todo o poder na Assembléia de Deus fracassou, com o golpe do Luiz Gonzaga.

UMA ELEIÇÃO INDECIFRÁVEL

Com o fato da eleição para o Senado ter nomes fortes como Ney Amorim (PT), Jorge Viana (PT), Sérgio Petecão (PSD), Márcio Bittar (PMDB), Fernando Lage (DEM), Sanderson Moura e Minoru Kinpara (REDE), fica indecifrável se pinçar os dois prováveis vencedores.

LÓGICA, EM TERMOS

A lógica política é que pelo fato dos candidatos ao governo da oposição e da FPA serem fortes, a tendência natural é que cada grupo eleja um senador. Mas política não é uma ciência exata, um bloco pode eleger os dois senadores ou até nenhum. Será uma eleição muito embolada.

TODOS COM QUALIFICAÇÃO

Nesta disputa do Senado um fato chama a atenção: a boa qualificação dos candidatos.

CERTINHA

A presidente do PTB, Charlene Lima, está fazendo a coisa certinha na montagem da chapa de estadual, não fechando as portas para candidatos que, mesmo não sendo eleitos, beliscaram com as primeiras suplências. Quanto mais voto obtiver a legenda, mais deputado vai eleger.

PREPARANDO PARA 2020

Os chamados partidos nanicos estarão vivendo nesta eleição o último ano para os conchavos políticos, na eleição de 2020 para prefeito e vereador, cada partido terá que ter chapa própria.

DISCORDAR SEM FURAR O OLHO

Numa eleição é normal se ver cabos-eleitorais agressivos, partindo para ataques pessoais aos adversários e até mesmo contra quem tem alguma discordância política. Pessoal, a eleição é só uma festa cívica, não é uma guerra cruenta, quando termina, a vida segue o seu ritmo normal.

UM BOM EXEMPLO POLÍTICO

Para pinçar um bom exemplo de que eleição não é uma guerra sangrenta: deputado federal Flaviano Melo (PMDB). Faz a campanha com as suas propostas, quando critica é o cerne dos erros dos adversários e não entra nunca para a baixaria. E assim ele vem se reelegendo.

SÓ NA DELE

Outra prova que baixaria não ganha eleição. A última disputa do Senado. O candidato Gladson Cameli (PP) passou a campanha sem fazer uma ofensa à adversária Perpétua Almeida (PCdoB), e esta lhe descendo a lenha. O resultado foi uma eleição tranquila do Gladson, que hoje é senador.

MESMO COMPORTAMENTO

O Marcus Alexandre é outro que faz a campanha sem agressões verbais, sem ataques à pessoa, e também vem ganhando eleição. Passou o tempo que com xingamento se elegia.

CRÍTICA LIQUIDOU

O livro do Bruno Borges teve uma vendagem pífia a partir do momento em que, a crítica especializada detonou com comentários negativos a sua obra. Isso foi fatal, o leitor se desinteressou e os livros ficaram empilhados. O mercado editorial é sensível às críticas.

VELHO SUPLÍCIO

O Rio Madeira já está lambendo a rodovia 364, no território rondoniense. Pode-se repetir o velho filme do desabastecimento do Acre por via rodoviária, como em anos anteriores.

CÉTICO

Alguns acham que, quem ousar colocar na rua campanhas milionárias pode acabar se complicando com a justiça eleitoral. Isso seria o ideal, mas é utópico, porque a estrutura da justiça eleitoral é pequena para um combate direto à nefasta prática da compra e venda de votos. Se tem a mania de crucificar o candidato que compra votos para se eleger. Tão bandido quanto ele é quem vende o voto, mas costuma ser criminalizado só quem compra. O crime destes casos tem mão dupla. E tem mais um agravante na eleição, o de que os acordos espúrios, o pagamento financeiro de acertos políticos, acontecem nos bastidores e não se dá recibo. Em Rio Branco existem os que em todas as eleições vendem listas com nomes de supostos vendedores de votos. Alguns que se profissionalizaram neste crime foram presos, para servir de exemplo? Não me lembro! Por isso não fiquem sonhando que a eleição de 2018 será limpa. Será tão suja nos bastidores como foram as anteriores. Com compra e venda.

Coluna do Crica

Uma conversa com o pastor Agostinho da IBB

O Pastor Agostinho Gonçalves é uma figura polêmica. É um dos Pastores mais politizados do Acre. Contestado e amado na mesma intensidade pelos políticos. Foi linha de frente na última eleição na defesa dos seus candidatos e, principalmente, da eleição do prefeito Marcus Alexandre. Fomos ter como ele gosta de dizer uma “conversa olho no olho” sobre política e sua participação na disputa eleitoral deste ano. Abaixo, o rápido bate-papo, num jogo aberto.

BLOG DO CRICA – O senhor é apontado como o Pastor mais politizado do Acre, daqueles que se envolve diretamente na campanha política na defesa dos seus candidatos. Como é essa simbiose com a política e religião?

PASTOR AGOSTINHO – No início eu comecei com a intenção de marcar uma posição na defesa dos evangélicos. Que a Igreja tivesse também uma expressão na política, mas sabemos não ser esta a missão principal da Igreja. Nesta campanha não vamos mais para a linha de frente como fomos, neste nível já dei a minha contribuição, vamos atuar muito para dentro, a IBB, como instituição, não terá candidato. O Pastor Agostinho é que vai apoiar membros da Igreja. Só isso!

BLOG DO CRICA – Quem terá o seu apoio para governador?

PASTOR AGOSTINHO – O Marcus Alexandre. Sempre disse que ia lhe apoiar, sempre falei. E agora mesmo que iniciou o seu processo de aprimoramento espiritual na Igreja.

BLOG DO CRICA – Para Federal?

PASTOR AGOSTINHO – Não tenho candidato.

BLOG DO CRICA- E o deputado federal Alan Rick (DEM)?

PASTOR AGOSTINHO – Ele será candidato? Não sei! Nunca me procurou para dizer! Fez a opção dele. Se me procurar vamos ter uma conversa olho no olho. Se disser que será candidato o máximo que farei é não lançar um candidato membro da Igreja para não lhe atrapalhar. Só isso. Não farei nada para lhe atrapalhar politicamente. Só farei isso. Nada mais.

(OBS: não falou além, mas a minha experiência jornalística me leva a crer que, não entrará na campanha de reeleição do deputado federal Alan Rick (DEM).)

BLOG DO CRICA- E que outros candidatos terão sua mão no ombro na campanha?

PASTOR AGOSTINHO – Para o Senado não deixarei de apoiar o Fernando Lage. E para deputado estadual o Gemil Junior, que é um membro ativo da Igreja. Só tenho estas definições.

BLOG DO CRICA – O senhor é cheio de cargos no governo e na prefeitura?

PASTOR AGOSTINHO – Não tenho nenhum cargo no governo ou na prefeitura de Rio Branco. Nem eu e nem a minha mulher, embora convites tivessem acontecido. Vivo para a Igreja.

BLOG DO CRICA – O senhor abandonou o ex-deputado Jamil Asfury, Pastor da IBB?

PASTOR AGOSTINHO- O Jamil deixou a IBB. Está em outra Igreja. Na última eleição eu não apoiei a Pastora Sandra Asfury, sua mulher, para vereadora de Rio Branco.

BLOG DO CRICA – Para Presidente, o Pastor Agostinho vai com quem?

PASTOR AGOSTINHO – Vou de Jair Bolsonaro! Vai ser um voto de protesto a tudo o que está acontecendo na política brasileira. Vou com o PMDB? Com o PSDB? Com o Lula? Não!.

URUBU, SUJEIRA E MATO

“Uma cidade do porte de Cruzeiro do Sul, não pode ficar refém dos urubus, sujeira e mato tomando conta das ruas. O prefeito deve cuidar da sua cidade. Absurdo, a segunda maior cidade do Acre nesta situação”. A postagem, com fotos, foi feita na sua página pessoal, no Facebook, pelo deputado Luiz Gonzaga (PSDB), que integra a oposição junto com o prefeito Ilderlei Cordeiro (PMDB ). Não dá nem para o Iderlei dizer ser perseguição de adversário e da imprensa.

CALADO CONTINUA

O ex-prefeito Vagner Sales (PMDB), padrinho da eleição do Ilderlei Cordeiro (PMDB), até aqui não deu um pio sobre a deplorável situação em que vive a cidade de Cruzeiro do Sul.

ALMOÇO POLÍTICO

O presidente do PHS, Manoel Roque, ofereceu ontem junto com a executiva do partido um almoço ao senador Jorge Viana (PT), para reiterar o apoio à sua candidatura à reeleição.

MOTIVO DESCONHECIDO

O empresário Jarbas Soster tem feito e compartilhado ataques duros ao senador Jorge Viana (PT). Viana diz não saber o motivo das críticas ferinas, que não vai responder, e deixará para lá.

ALGUMA COISA A SER FEITA

Foram registradas até o fechamento da coluna 18 execuções neste mês de janeiro, sem falar nos roubos, alguma decisão mais forte tem que ser tomada urgente, a polícia tem um setor de inteligência, não é possível que não prenda os executores. A sociedade está trancada em casa.

PREVISÃO ALOPRADA

O ex-Delegado de Polícia, Walter Prado, que já foi secretário de Segurança, fez uma advertência mais aloprada que, se algo não for feito os bandidos vão tomar o governo. Foi uma figura de linguagem sobre a audácia dos bandidos, que estão agindo na cara limpa.

MAS ESTÁ DEMAIS

Não dá para deixar de reconhecer o esforço dos Delegados, policiais civis, policiais militares, que quase todo dia prendem bandidos, armas e drogas. Só que há uma reclamação unânime de que, muitos dos presos são soltos nas chamadas, Audiências de Custódia, na justiça.

PAREDES TÊM OUVIDOS

A máquina de um órgão público está sendo usada de forma mais escancarada possível na eleição para a presidência da UMARB. É a informação que chegou à coluna. Pode estourar um escândalo com denúncias ao MP, nas próximas horas. Esta novela pode não ter um final feliz.

POLÍTICA NO MEIO

Esta briga dentro da Assembléia de Deus não é religiosa como se possa imaginar, mas no fundo embute uma disputa pelo poder para ser usado politicamente na eleição deste ano. O Pastor Pedro Abreu é ligado à oposição e o Pastor Luiz Gonzaga tem laços com políticos petistas.

AMIGO É PARA ESSAS COISAS

O presidente do PMDB, Flaviano Melo, não iria mesmo tolerar a retirada do ex-vereador Mirabor Leite do comando do PMDB, em Tarauacá, e vai lhe restituir o cargo. Amigo é para essas coisas. Ambos são correligionários de longas datas.

BEM MAIS QUENTE

Os debates na Assembléia Legislativa, que volta do recesso em fevereiro, tendem a ficar mais quentes a cada sessão, principalmente, pela disputa do governo. Para apimentar, se inicia com a apreciação do veto do governador Tião Viana à aprovação do Projeto do PRÓ-SAÚDE.

REFLEXO NATURAL

Toda e qualquer pauta negativa do governo daqui em diante vai refletir, automaticamente, na candidatura do prefeito de Rio Branco, Marcus Alexandre, que passará a sofrer os reflexos.

CHAPA PIONEIRA

O sindicalista Elias Rozendo, que morreu esta semana, participou da primeira chapa majoritária lançada pelo PT, que era composta por Nilson Mourão candidato ao Governo, Elias Rozendo de vice e Abrahim Farhat; o Lhé, para o Senado. Foi um fracasso total nas urnas.

FUSTIGANDO DURO

O vereador Gilson da Funerária (PP) continua fustigando duro o prefeito de Senador Guiomard, André Maia (PP), até por casas nãos construídas na administração passada. É uma briga de filiados ao mesmo partido. A briga reaproxima mais o André para apoiar Marcus Alexandre (PT), na disputa do governo.

PARTE MAIS IDEOLÓGICA

A parte do eleitorado mais ideológico de um partido ou de uma coligação é que vota casado nos dois candidatos a senadores. A maioria do eleitor faz uma salada, vota num candidato ao Senado de um grupo político e dá o segundo voto para do outro grupo. É assim que funciona.

UM APERITIVO

Pelo que já está se sabendo da eleição da UMARB, que envolve presidentes de associações de moradores, é só um aperitivo do que será a eleição para governador e senador este ano, um jogo bruto a favor dos candidatos do poder.

CHAMOU ATENÇÃO

Na entrevista com o Pastor da Igreja Batista do Bosque, Agostinho Gonçalves, deu para pinçar uma curiosidade: não citou apoio a nenhum dos candidatos ao Senado pela FPA. Apenas para Fernando Lage, que é da oposição. E Agostinho é da copa e cozinho do governador Tião Viana.

NÃO VEJO COMO FIM DO MUNDO

Querem dar a conotação ao julgamento do ex-presidente Lula, quando o recurso contra a sua condenação a 9 anos de prisão será julgado, no dia 24 do próximo mês, uma pincelada de algo extraordinário, como se o seu resultado fosse o fim do mundo. Vejo como o julgamento normal de um recurso a uma instância superior, fato que já aconteceu milhares de vezes no Judiciário. E isso só está ocorrendo porque vivemos uma democracia, onde prevalece o Estado de Direito, onde ninguém está acima das leis. O direito de defesa foi e está sendo amplamente garantido ao ex-presidente Lula. Não pode é haver privilégios. Ou a justiça é cega ou é apenas caolha. O resultado que sair do julgamento não modificará o eixo da terra. O único que poderá sofrer uma pá de cal no seu projeto de voltar ao poder, com a manutenção da condenação, é o PT, porque Lula é a única candidatura viável que tem para a Presidência da República. Ponto!

Coluna do Crica

O buraco é mais embaixo

Esta questão da buraqueira que tomou conta da cidade não deve ser vista pelos que estão no poder, apenas e tão somente como um problema urbano, mas, principalmente, como um sério problema político para a candidatura do prefeito Marcus Alexandre (PT). É de fácil explicação: ele construiu a sua imagem positiva em cima de ser um cuidador zeloso da cidade. E o que acontece na cidade hoje é a antítese deste perfil. É buraco dentro de buraco. Sabe-se que, por mais boa vontade que tenha não vai conseguir tapar os buracos que se proliferam por todos os bairros, até abril, quando deixará a prefeitura para se candidatar. Sabe-se que o cobertor financeiro da PMRB é curto. O cinto foi apertado no último buraco. Só que a população não analisa por este prisma, quer soluções. É bom lembrar que o grande capital eleitoral do prefeito Marcus é Rio Branco. Se não colocar aqui uma boa diferença sobre os adversários pode complicar-se, porque, o interior não é o seu forte. Ou o Governo entra numa parceria com a PMRB para abrir grandes frentes de serviços ou a vaca vai atolar no brejo. E a vice-prefeita Socorro Nery vai assumir tendo que descascar um belo de um abacaxi sem faca. Não atentaram que já estamos num ano eleitoral? Ou estão pensando que já ganharam a eleição?

UMA OBSERVAÇÃO

Um político das antigas do PT, hoje aposentado, fez ontem a seguinte observação: “estão deixando a arrogância subir na cabeça. Quando o PT estava no auge da popularidade, nunca lançamos dois candidatos do PT a senador, e agora, que estamos mal das pernas nós lançamos”. E completou: “isso passa para o eleitor uma atitude desprovida de humildade”.

SÓ CABEÇA

O PODEMOS e o PRB estarão juntos numa coligação para a disputa de vagas de deputado estadual. Serão quatros deputados: Josa da Farmácia (PODEMOS), Raimundinho da Saúde (PODEMOS), Juliana Rodrigues (PRB) e André da Farmácia (PRB). É uma chapa que tem cabeça, mas, se não tiver o resto do corpo, com candidatos bucha de canhão, tem balsa no porto.

LUZ VERMELHA

A pesquisa foi me mostrada com reserva, já que é para consumo interno do contratante. Mas posso dizer que, a luz está vermelha para o PT, nos municípios de Xapuri-Epitaciolândia- Assis Brasil-Brasiléia. Lembrar que, a FPA governa três deles. É um dado de momento, mutável, mas mostra que, nem sempre ter o prefeito ao lado, ajuda o candidato a governador do partido.

A DIFÍCIL ARTE

O fato de um candidato ao governo ter prefeitos aliados significa pouco, principalmente, num momento de crise política que se abateu sobre as prefeituras e deixa os gestores de mãos atadas, sem recursos para investimentos que as cidades requerem. Este é algo incontestável.

VALOR DAS PESQUISAS

Pesquisa não elege ninguém, serve de parâmetro para o candidato ter a noção do quadro de momento e mesmo porque nem começou a campanha. As pesquisas de junho em diante é que começarão a dar um quadro real da disputa de Governo e Senado, por a campanha estar na rua.

VIRULÊNCIA FORA DE TEMPO

Politicamente, não consigo captar qual o ganho para a candidatura do prefeito Marcus Alexandre (PT) a governador, o ataque de assessores do governo a movimentos organizados da Saúde, só acirra os ânimos. Marcus acabará pagando de graça por este angu encaroçado.

NENHUMA ANORMALIDADE

O debate entre o presidente do PT, deputado Daniel Zen (PT), e o presidente do PP, ex- deputado José Bestene, sobre a sucessão estadual e os seus protagonistas, foi bom para a democracia, porque foi travado em cima de idéias e isso faz parte de toda sucessão estadual.

NÃO PODE SER ESTÁTICO

O processo político não pode ser estático, algo comportado, especialmente, quando está em jogo o comando do Estado, que está duas décadas nas mãos do PT. O confronto mais duro ainda está por vir e é bom que aconteça mesmo, para deixar o eleitorado mais esclarecido.

CASO ENCERRADO

Uma figura importante do governo me informou ontem que, a questão do PRÓ-SAÚDE é fato consumado e que não há possibilidade de voltar atrás nas demissões e nas que estão por vir, dentro do cronograma traçado. “Mas vamos cobrar lealdade da nossa base, na questão do veto oposto pelo governador ao projeto aprovado na ALEAC”, avisou de maneira enfática.

CHAPA ENCORPADA

Com a adesão de dois primeiros suplentes de deputados; o Neném do Sindicato dos Bancários, e do fisioterapeuta Dr. Jeferson, a chapa da coligação PTB-PPS- SOLIDARIEDADE, ficou uma das mais encorpadas para deputado estadual e não elegerá menos de dois candidatos. Anotem!

SOBRE OUTRA ÉGIDE

A Assembléia de Deus rachou no meio. Parte está ligada ao Pastor Pedro Abreu e ao comando nacional, e o grupo do Pastor Luiz Gonzaga ficou ligado com o grupo da família Câmara, que é dissidente. O fato pode aproximar Luiz Gonzaga e Antonia Lúcia, que é do grupo Câmara.

DESAGRADOU EM CHEIO

A decisão do Pastor Luiz Gonzaga desarmou o Pastor Pedro Abreu de domínio total da Assembléia de Deus.

VOLTANDO PARA A DISPUTA

Antonia Lúcia (PR), que teve uma votação decepcionante quando tentou a reeleição de deputada federal, tentará de novo voltar este ano, mais forte, buscando outro mandato na Câmara Federal. O que tem pesado contra ela é não ter uma campanha bem organizada.

SEM UM NOME

Mais uma campanha se aproxima sem que o PT do Juruá consiga formar uma liderança do partido, naquela região, para disputar um mandato de deputado estadual. Até o PSB, bem menor, conseguiu ter uma candidatura viável, a da Delegada Carla Brito (PSB).

OUTRO ESPAÇO PERDIDO

Não é só no segundo maior colégio eleitoral do Estado que o PT não terá candidato próprio com densidade eleitoral. Também acontece no terceiro maior colégio, Sena Madureira. Falo de candidatura com condição de ganhar uma eleição, Tarauacá e Feijó, entenda-se!

CHAPÃO, JAMAIS!

O vereador Manuel Marcos (PRB) alertou ontem a FPA que, se não houver por qualquer motivo uma chapa de Federal dos pequenos partidos, o PRB não irá em hipótese alguma para o chapão do PT. “Estamos na FPA, mas em primeiro lugar para nós vem o PRB”, destacou.

RAIA PRÓPRIA

O deputado Jonas Lima (PT), que não tem o apoio do grupo que comanda o PT em Cruzeiro do Sul, tem votos na região por correr em raia própria. Na eleição deste ano deverá vir mais forte, porque conseguiu eleger o seu irmão Isac Lima, para a prefeitura de Mâncio Lima.

MAIS POLICIAIS

O governador Tião Viana vai colocar mais 500 policiais nas ruas, em breve. É salutar em um momento que a violência é uma crescente no Estado, principalmente, na Capital. Doze execuções já foram registradas em 2018. Mesmo o governo tendo investido na Segurança.

DEBATE PRINCIPAL

Não tenho dúvida de que a violência será o carro-chefe da campanha para o governo da oposição, por parte dos candidatos Gladson Cameli (PP) e Coronel Ulysses Araújo (PATRIOTA). É um tema grave com o qual o candidato do PT, Marcus Alexandre, terá que conviver.

NÃO HÁ COMO ESCAPAR

E não há como o candidato Marcus Alexandre (PT) não encarar o debate, porque o seu vice é o atual secretário de Segurança, Emylson Farias, mesmo que na campanha não esteja no cargo.

MARCANDO UMA POSIÇÃO

O fato do vereador Emerson Jarude e do publicitário Rodrigo Pires terem deixado o LIVRES é mais para marcar um posicionamento ideológico e assim deve ser respeitado. O ato não terá influência, seja na votação do candidato Jair Bolsonaro, no Acre, ou na candidatura do Coronel PM Ulysses Araújo ao governo. São situações completamente descoladas.

MARCA POSITIVA

O deputado federal Moisés Diniz (PCdoB) deverá repassar o mandato ao titular Sibá Machado (PT), no próximo mês de abril. O Moisés está deixando uma marca positiva, na sua curta passagem pela Câmara Federal. É improvável que venha disputar a reeleição pelo PCdoB.

SIMPATIA DO CANDIDATO

O deputado federal Major Rocha (PSDB) diz que na questão da escolha do médico Eduardo Veloso (PSDB) para ser o vice na chapa do candidato ao governo, senador Gladson Cameli (PP), esta partiu do próprio candidato, de quem tem a simpatia, e que o PSDB apenas deu o aval.

UMA OBSERVAÇÃO NA NEWS

A melhor colocação que ouvi, sobre o fenômeno da candidatura do Jair Bolsonaro á presidência e sua subida nas pesquisas, foi em um programa com cientistas políticos na GLOBO NEWS. Debitam a sua subida a uma lacuna que ficou com a lama em que se atolaram as lideranças tradicionais da política e por defender temas populistas como ser contra o aborto, contra o casamento gay, a favor da diminuição da idade penal, o fim do estatuto do desarmamento, maior liberdade para as ações policiais no combate aos bandidos, que agradam os setores mais conservadores do eleitorado, inclusive, os religiosos. As pesquisas estão mostrando que poderá sim chegar ao segundo turno. Melhor não lhe menosprezar.

Coluna do Crica

O senador Jorge Viana (PT) não poupa elogios quando se refere à vice-governadora Nazaré Araújo, que será a primeira suplente na sua chapa. De fato foi uma escolha extremamente feliz, por a Nazaré (foto) ser uma mulher vencedora, galgando postos como Procuradora do Estado, e na política chegando à vice-governadoria e ocupando o governo por várias vezes, como faz no momento. A Nazaré terá muito que acrescentar na sua chapa, quer seja pela sua simpatia, quer seja por não ter uma mancha na sua vida funcional e política. Mas continuo achando que foi mal aproveitada pela cúpula petista, que deveria lhe ter preparado para disputar, por exemplo, uma cadeira de deputada federal. Ser protagonista e não figurante no processo eleitoral deste ano, lhe caberia melhor. Mas, vá entender o PT e os petistas! Como entendê-los, pois, se nem eles estão conseguindo se entender com os seus aliados?

FOI COMO UM GOL CONTRA

Não sei quem da campanha do candidato ao governo, Gladson Cameli (PP), fez a desastrada postagem em que, ele aparece numa reunião com meia dúzia de vereadores e o vigia da Câmara Municipal de Taumaturgo, mas cometeu um erro primário de comunicação: divulgar uma foto que poderia servir de banquete aos adversários. Foi como fazer um gol contra.

DEITANDO E ROLANDO

Tanto foi um gol contra que, os petistas estão deitando e rolando nas redes sociais.

É NÃO RACIOCINAR!

Não aposte numa derrocada fácil do senador Jorge Viana (PT) na eleição deste ano. Falo do que conheço, ele é um dos mais sagazes políticos acreanos, já foi governador, prefeito e  visitou os mais inóspitos locais do Acre. Some-se a isso ser irmão do governador Tião Viana e uma das pessoas mais próximas do prefeito Marcus Alexandre. Tem as máquinas do Governo e PMRB. Não é pouco numa eleição! Menosprezá-lo é uma bobagem sem tamanho.

O NÚMERO É SIMBÓLICO

Quando um gestor faz uma licitação com um teto de gastos de 100 mil reais, não significa que usará, obrigatoriamente, a totalidade do valor. É o caso do prefeito André Maia, ao licitar o fornecimento de alimentação. Por isso, a ação não pode ser visto como um ato perdulário.

SEM DIFICULDADE

O candidato ao governo, Coronel PM Ulysses Araújo, manda nota esclarecendo não estar enfrentando dificuldades na escolha do nome para vice em sua chapa. Alega haver muitos bons nomes sendo estudados e que, no momento certo deverá ser divulgado. Registrado.

NÃO ESTÁ EM DISCUSSÃO

Em uma postagem o ex-prefeito Tião Bocalom (DEM) nega estar participando no momento de gestões para a escolha do vice na chapa do Coronel PM Ulysses Araújo (PATRIOTA) e que, este é um assunto a ser deliberado mais na frente, conforme foi combinado com o candidato.

DEBATE SALUTAR

Este debate entre o empresário George Pinheiro, que defende a aprovação do projeto da Previdência Social, e o deputado federal Major Rocha (PSDB), contra a Reforma, é salutar por estar acontecendo sem descambar para a ofensa pessoal. O contraditório é sempre essencial.

DE NENHUM DOS DOIS LADOS

Não há dados científicos para se afirmar, como alguns afirmam que, este ou aquele candidato ao governo ganha no primeiro turno. E nem poderia. A campanha nem começou! E é ela que vai ditar o favoritismo do candidato. Qualquer análise feita hoje é pura ilação de militante.

ISSO SIM

O que se pode dizer é que, pelo fato da oposição e o PT terem candidaturas parelhas, em densidade eleitoral para o governo é que, deverá ser uma das eleições para governador das mais equilibradas das duas últimas décadas. E nestes casos, a decisão costuma favorecer quem menos erra.

ENTRA NA CHAPA

O PDT está com a chapa muito competitiva em vias de fechamento para deputado esta dual. E como a coluna antecipou, o presidente Luiz Tchê estará nela como um dos candidatos. Junto com o deputado Heitor Junior (PDT), Tchê deverá ser um dos puxadores de votos do partido.

RETAGURDA DE PESO

A deputada Leila Galvão (PT) entrará na disputa da reeleição com uma retaguarda de apoio de peso. Será apoiada pelos prefeitos Bira Vasconcelos (Xapuri), Fernanda Hassem (Brasiléia) e do ex-prefeito de Assis Brasil, Manoelzinho. Leila é um dos nomes mais fortes da chapa petista.

O QUE HOUVE NA PM?

O Comandante da PM, Coronel Julio César, sempre foi um dos maiores defensores do governador Tião Viana na tropa, por isso causou estranheza a sua anunciada saída do cargo. Como não fala, fica a dúvida se pediu para sair ou se foi uma decisão de governo lhe demitir.

PREOCUPAÇÃO DE CACIQUE

Em que pese o inverno, as equipes da PMRB continuam espalhadas pela cidade com serviços de tapa-buraco e recapeamento. Ontem, num breve papo com uma das figuras mais emblemáticas do PT, esta se mostrava muito preocupada com a buraqueira. Defendia que o governo deveria se unir com a prefeitura em duas frentes para recuperar a cidade.

ERROS SÃO FATAIS

Sempre fico com dois pés atrás com a maioria das notícias do Face-Book e de grupos nas redes sociais. Encaro com reserva. Não acredito, pois, na notícia que o deputado federal Alan Rick fará a burrice política de tomar a presidência do DEM do Tião Bocalom. Na política, não se coloca porco-espinho no colo para acariciar. Basta o que aconteceu com ele no PRB.

ROCHA É FICHINHA

Não existe hoje um parlamentar que mais a cúpula do governo tem aversão do que o deputado Raimundinho da Saúde (PODEMOS), depois que conseguiu impor a primeira derrota ao governador Tião Viana, na ALEAC, com a aprovação do Projeto do PRÓ-SAÚDE. Perto do Raimundinho, o deputado federal Major Rocha (PSDB) é queridinho dentro do governo.

NOVAMENTE NO COMANDO

E nesta segunda fase de embate para derrubar o veto oposto pelo governador Tião Viana ao Projeto do PRÓ-SAÚDE, novamente o deputado Raimundinho da Saúde (PODEMOS) está à frente do movimento, cabalando votos dos colegas para a derrubada. A conferir se consegue.

EM PLENA CAMPANHA

O candidato ao Senado, deputado Ney Amorim (PT), não está parado como pode se pensar pela sua ausência do noticiário. Tenho informação que vem fazendo uma reunião atrás da outra na busca de parcerias, inclusive, jogando pelo segundo voto dentro da oposição. Ney é muito hábil, ou não teria sido reeleito para a presidência da ALEAC com todos os votos da Casa.

AVISO AOS NAVEGANTES

Antes que a campanha comece a entrar em ebulição vai um aviso aos navegantes: neste espaço nenhuma notícia será tabu e os fatos serão divulgados, sem importar, que o candidato ao Governo ou ao Senado goste ou deixe de gostar. E a ingerência política na coluna será zero.

GRITO DO MAPINGUARI

Esta disputa do Senado será para o Márcio Bittar (PMDB) o último grito do Mapinguari no campo majoritário. Até aqui já perdeu para o governo, para a prefeitura de Rio Branco e para o próprio Senado. Se perder mais esta enfie a viola no saco e se limite a buscar ser daqui quatro anos, deputado estadual ou federal. Por isso vai jogar tudo na campanha deste ano.

GRANDE DESAFIO

A candidatura do Márcio Bittar também será o grande desafio do ex-prefeito Vagner Sales, que virou uma espécie de seu padrinho político dentro do MDB e da própria campanha.

ROUPA NOVA NUM CORPO SUJO

Os políticos costumam achar que são o máximo da inteligência e que a população é composta apenas de ignorantes. Trocar os nomes dos partidos não significa nada na opinião pública. É como vestir uma roupa nova num corpo melado de lama. Acham que, eles enganam quem?

CEDO PARA AVALIAR

Um deputado me perguntou ontem se achava que a candidatura do Reitor da UFAC, Minoru Kinpara, pode decolar na eleição para senador. Respondi que era uma incógnita política, porque nunca disputou mandato no Legislativo e estava num partido pequeno. E completei dizendo que via sua entrada no cenário como algo positivo, pela extrema qualificação. Só.

PROFISSÃO CARGO DE CONFIANÇA

Um bom observador da política acreana comentava ontem num papo, a balbúrdia que seria dentro do PT, uma eventual vitória do candidato ao governo, senador Gladson Cameli (PP). “Luis Carlos, uma média de 20% dos cargos de confiança do governo tem outro emprego, 80% se especializou nestes últimos 20 anos em ser cargo de confiança e fizeram disso uma profissão rentável e cômoda. E só! Como a prefeitura não tem como abrigar os egressos do governo, tem neguinho que teria que vender o carro e abrir mão de mordomias garantidas por estes cargos. Por isso esperem todos eles, como nunca estiveram, nas ruas fazendo campanha, porque a derrota do Marcus Alexandre está diretamente ligada às suas demissões”. Analisando bem faz sentido e tenho que concordar que seria mesmo um Deus nos acuda para esta turma.