Chico Mendes e o seu lega serão homenageados 7ª mostra Ecofalante

Aos 44 anos, o ativista Chico Mendes era assassinado em sua casa  vítima de uma emboscada.

O tiro calou o ativista dos seringais do Acre mas não a sua causa. Chico se transformou num símbolo mundial contra a exploração irracional da Floresta Amazônica e da defesa dos povos da floresta.

Trinta anos após sua morte, a Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental escolhe Chico Mendes como o homenageado de sua 7ª edição. O objetivo é relembrar sua trajetória e atualizar a importância do seu legado que serão apresentados nos filmes Chico Mendes, Eu Quero Viver e Crianças da Amazônia e no debate que será realizado, no dia 05 de junho, Dia Mundial do Meio Ambiente.

Chico nasceu e foi criado no seringal Porto Rico, próximo à fronteira do Acre com a Bolívia, em Xapuri, estado do Acre. Aos 9 anos, muito antes de aprender a ler e a escrever, tomou para si a mesma profissão do pai: seringueiro. Ao longo dos anos, se viu cercado de uma injustiça crescente.

A convivência com Euclides Távora – um refugiado político que vivia nos seringais onde Chico trabalhava – despertou no garoto, de 12 anos, o respeito pela natureza e a importância de lutar pela terra coletiva.

Ele passou a atuar na diretoria do Sindicato de Trabalhadores Rurais de Brasileia (STR), o primeiro criado no Acre, presidido pelo líder Wilson Pinheiro. Foi nessa fase que os seringueiros criaram os “empates às derrubadas” – uma importante forma de resistência ao avanço da pecuária e o desmatamento que ameaçavam os seringais.

Após o assassinato do presidente Wilson Pinheiro, Chico passou a comandar o STR, em 1983. Com a organização do primeiro Encontro Nacional dos Seringueiros e a criação do Conselho Nacional dos Seringueiros, ele ganhou mais força como uma importante voz dos povos da floresta.

A luta de Chico para proteger a floresta e o direito dos trabalhadores ganhou repercussão internacional em 1987 com o lançamento do documentário produzido por Adrian Cowell, cinegrafista inglês que filmou o Encontro Nacional e decidiu acompanhar o cotidiano do líder seringueiro. Cowell também foi homenageado na 1ª edição da Mostra Ecofalante, em 2012.

O convite para Chico denunciar a destruição da floresta no congresso norte-americano, em Washington, resultou na suspensão dos financiamentos internacionais aos projetos que resultavam na destruição da floresta até que fossem tomadas medidas de proteção ao meio ambiente e aos povos atingidos.

Entre 1987 e 1988, Chico Mendes ganhou o Global 500, prêmio da ONU, na Inglaterra e a Medalha de Meio Ambiente da Better World Society, nos Estados Unidos. Entretanto, quanto mais visibilidade internacional ele alcançava, mais aumentavam suas desavenças no Brasil e as ameaças de morte.

A atuação de Chico desagradava as forças conservadoras e era alvo de uma campanha movida pela imprensa, pela polícia federal, por políticos e por juízes. Ele era acusado de ser um inimigo a serviço dos norte-americanos. Além disso, incomodava os grileiros de terras que se diziam prejudicados pela atuação dos seringueiros. Entre esses estava Darly Alves, o mandante da sua morte.

“A grande importância dele foi construir uma aliança social em defesa dos trabalhadores, das comunidades tradicionais e da floresta. Chico Mendes tem o valor de líder e herói nacional, que enxergou além de Xapuri, do Acre e do Brasil”, diz Cláudio Maretti, diretor de ações socioambientais do Instituto Chico Mendes, órgão do Ministério do Meio Ambiente que tem como objetivo executar as ações do Sistema Nacional de Unidades de Conservação e colaborar para a proteção da biodiversidade. “Ao falar dele, nunca podemos apenas querer reproduzir o que ele construiu lá atrás, mas incentivar mudanças na atualidade. Hoje, falta no Brasil uma liderança que nos leve para frente através de alianças sociais e ambientais. Por isso, incentivamos que sejam feitos debates sobre o Chico. Agradeço à Ecofalante pelo homenagem, em meu nome, do Instituto e das reservas extrativistas”, completa Maretti.

Dois filmes sobre a vida do ativista compõe a programação da 7ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental. Chico Mendes, Eu Quero Viver, do diretor Adrian Cowell (que teve seu acervo doado à Pontifícia Universidade Católica de Goiás) mostra a trajetória do líder seringueiro no Acre, em defesa da Amazônia. Com registros feitos entre 1985 e 1988, acompanhamos Chico Mendes na organização dos seringueiros em defesa da floresta, no nascimento da Aliança dos Povos da Floresta, e na luta pela demarcação das primeiras reservas extrativistas na Amazônia. O filme mostra, ainda, a trama armada para seu assassinato e as repercussões no Brasil e no mundo.

Adrian Cowell esteve no Brasil pela primeira vez em 1957, quando a Oxford & Cambridge Expedition veio à América do Sul para a produção da série “Adventure” da BBC. Em 1961, junto com o cinegrafista Louis Wolfers, viajou por vários estados brasileiros e produziu as séries: “The Destruction of The Indian” (A Destruição do Índio) e “The Fate of Colonel Fawcett” (O Destino do Coronel Fawcett). Dois anos depois, durante uma viagem de jipe pelo Nordeste com o cinegrafista Jesco von Puttkamer, produziu a série “The Devil in the Backlands” (Cultos do Sertão). Passou toda a década de 1980 no Brasil filmando a série “The Decade of Destruction” (A Década da Destruição), que apresenta os efeitos negativos da BR 364 na floresta amazônica, os povos indígenas e os problemas enfrentados pelos migrantes atraídos pela esperança de ganhar um lote de terra.

Já em Crianças da Amazônia, a cineasta Denise Zmekhol viaja por essa mesma estrada, a  BR 364, que corta o coração da Amazônia, à procura das crianças Suruí e Negarotê que ela havia fotografado 15 anos antes. Trata-se de uma jornada espacial, mas é também uma viagem no tempo que permite uma reflexão sobre as mudanças ocorridas, nesse período, na maior floresta do planeta, depois que a estrada cortou suas terras. O filme foi premiado em mais de vinte festivais e concursos de cinema ao redor do mundo.

“Entre 1987 e 1990 viajei à Amazônia em várias ocasiões. O que chamou muito minha atenção foram as crianças, cujos pais sobreviviam inteiramente da floresta amazônica, que estavam agora rodeadas de coisas que estavam destruindo a floresta. Fotografei Chico Mendes e sua família”, conta Denise sobre o início, não planejado, de seu projeto. Quinze anos depois, e longe do Brasil, ela resolveu olhar as fotografias que tirara e que nunca havia impresso nem mostrado a ninguém. “As imagens trouxeram uma recordação dolorosa: um telefonema que recebi de Chico em dezembro de 1988, me pedindo para filmar seu enterro. Eu respondi que ele não iria morrer, que ainda tinha muito trabalho pela frente. Duas semanas depois, ele foi assassinado. Emocionada com as fotos das crianças e pensando no assassinato de Chico, resolvi voltar à Amazônia – desta vez para fazer um filme. Apesar de não conseguir filmar seu enterro, sinto que o filme conta uma história mais importante ainda, que é a da sua vida e do seu legado. Foi muito tocante poder contar isso através de seus filhos Elenira e Sandino, sua esposa Ilzamar e o seu primo e companheiro de luta, Raimundo Barbosa”, diz a diretora.

Só em 1990, após a morte do ativista, foram criadas quatro reservas extrativistas com área de cerca de dois milhões de hectares no Acre, em Rondônia e no Amapá. O Seringal Cachoeira, o estopim de sua morte, com cerca de 30 mil hectares, foi transformado oficialmente na Reserva Extrativista Chico Mendes.

Hoje, as reservas extrativistas que integram o Sistema Nacional de Unidades de Conservação representam cerca de 15 milhões de hectares.

Além da exibição dos dois filmes, haverá um debate sobre o significado de Chico Mendes 30 anos após sua morte com cerimônia de homenagem com a presença de convidados que levam adiante o legado do líder ambientalista, como sua filha Elenira Mendes e a vice-presidente do Conselho Nacional dos Seringueiros, Edel Nazaré de Moraes Tenório.

Serviço:

7ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental v31 de maio a 13 de junho de 2018 entrada franca Locais: Reserva Cultural, Espaço Itaú de Cinema – Augusta, Centro Cultural Banco do Brasil, Circuito Spcine Lima Barreto (Centro Cultural São Paulo), Circuito Spcine Paulo Emílio (Centro Cultural São Paulo), Circuito Spcine Olido, Circuito Spcine Tiradentes, Unibes Cultural, Fábrica Brasilândia, Fábrica Capão Redondo, Fábrica Cidade Tiradentes, Fábrica Itaim Paulista, Fábrica Jaçanã, Fábrica Jardim São Luís, Fábrica Parque Belém, Fábrica Sapopemba, Fábrica Vila Curuçá, Fábrica Vila Nova Cachoeirinha. 

Circuito Spcine CEUs 

CEU Aricanduva 

CEU Butantã 

CEU Caminho do Mar 

CEU Feitiço da Vila 

CEU Jaçanã 

CEU Jambeiro 

CEU Meninos 

CEU Parque Veredas 

CEU Paz 

CEU Perus 

CEU Quinta do Sol 

CEU São Rafael 

CEU Três Lagos 

EU Vila Atlântica 

CEU Vila do Sol

Telejornal 3 de Julho 10ª Edição

Veja nesta edição: Médico do município de Brasileia vai a óbito após sofrer um acidente em São Paulo; Marcha Para Jesus leva multidão às ruas de Rio Branco; Prefeitura de Brasileia realiza festa do Dia das Mães ; Município de Epitaciolândia cedia a 4ª edição do movimento viver ciência; Operação apreende quatro traficantes em Epitaciolândia; Prefeita Fernanda Hassem participa de reunião com Ministro da Educação; Excesso de velocidade resulta em acidente na Marinho Montes, em Brasileia; Em menos de 12 horas 4 jovens foram executados em Rio Branco; Trabalhador luta com 4 criminosos e funcionários da limpeza são quem atende na recepção do hospital de Brasileia, curta a nossa Página do Facebook e se inscreva no nosso canal do YouTube.

Festival Estudantil da Canção abre inscrições em Rio Branco

As inscrições para o maior festival de música estudantil acreano tem início nesta quinta-feira, dia 3 de maio.

Nesta edição, além de alunos do ensino médio das redes pública e particular de Rio Branco também poderão participar estudantes das universidades e faculdades particulares.

As inscrições podem ser efetuadas nas próprias escolas das redes estadual e privada e ainda nas instituições de ensino superior. Para participar, os candidatos devem ter idade mínima de 13 e máxima de 29 anos completos até a data da etapa final do evento.

No ato da inscrição, o candidato deverá entregar um vídeo gravado com a música que será apresentada para o público. O material deverá ser entregue por meio de um dispositivo móvel ou aparelho celular.

Os candidatos poderão concorrer com músicas autorais, interpretações individuais e com banda. Podem se inscrever alunos do ensino médio de escolas públicas e particulares e, também, universitários de Rio Branco.

Serão premiados os três primeiros colocados, sendo R$ 3 mil para o 1º lugar, R$ 2 mil para o segundo e R$ 1 mil para o terceiro colocado. A premiação será a mesma para os candidatos de ensino médio e nível superior. O vídeo mais curtido na página do FEC no Facebook receberá um prêmio no valor de R$ 500,00. A torcida mais atuante de cada participante também será premiada, com um kit de Rádio Escolar.

Show do Forró Boys e Rodeio Raio de Lua é sucesso de público em Epitaciolândia

O organizador do evento em Epitaciolândia Naldo Maia Vem em público agradecer todos os patrocinadores e colaboradores do Rodeio Raio de Lua e do show do Forró Boys.

Por Paula Alcântara

O evento que foi a maior atração em Epitaciolândia no último final de semana superou as expectativas do Organizador e coordenador do Rodeio Raio de Lua e do Show do Grupo Forró Boys, Naldo Maia, que conseguiu reunir uma multidão de pessoas não só no Rodeio, mas também no Show mais esperado do mês de abril que foi do Grupo Forró Boys.

Segundo Naldo, nada teria sido possível se não fosse o apoio e a colaboração dos patrocinadores que decidiram investir no evento e tornar um projeto possível de ser realizado, e principalmente os participantes do Rodeio Raio de Lua que tiveram um bom desempenho e preencheram as 5 posições sendo.

1º lugar: Nelci Cunha de Assis Brasil; Premiação R$ 2000,00

2º lugar: Sebastião Freitas de Campina; Premiação R$ 1000,00

3º lugar: Adeilson Pereira de senador Guiomard, Premiação R$ 800,00

4º lugar: Felipe Souza de Rio Branco, Premiação R$ 700,00

5º lugar: Francisco Nogueira, de Epitaciolândia, Premiação R$ 500,00

“Obrigado a todos os patrocinadores que acreditaram no nosso trabalho e na nossa seriedade em levar entretenimento para os munícipes não só de Epitaciolândia, mas também Brasileia, Assis Brasil, Xapuri, Senador Guiomard, Rio Branco e outros municípios que se fizeram presentes, obrigado pela participação de todos e pelo grupo musical Forró Boys que deixou o público feliz e agitado”, disse Naldo Maia.

E os agradecimentos especiais vão para: Comercial Carvalho, Ferro Sul, Amigão do Produtor, Restaurante Tantico, Loteamento Jardim Imperial, Borracharia 24 horas, deputada Leila Galvão, Vereador Alcione Ferreira, SEBRAE, Areal São Pedro, Art Pinturas, CVC Brasileia, injetCar, Churrascaria do Armado, Elegan, Galego Ato Elétrica e Mecânica, Frios Vilhena, Pronto Vet, Central das Bebidas, Show dos Calçados, Show Magazine, só lembrando que o evento foi organizado de forma particular, mas teve a parcela de contribuição da Prefeitura de Epitaciolândia, Um alô todo especial para a Policia Militar, Corpo de Bombeiros e equipe de seguranças, que foram os responsáveis pela ordem no local.

Aniversário de 1 ano da BDF reuni dezenas de jovens, em Brasileia

A equipe Batalha da Fronteira, realizou no sábado, 14, a comemoração do seu aniversario de 1 ano, em parceria com a prefeitura de Brasiléia, no centro cultural.

O evento começou às 16h com a grafitagem realizada na área externa do centro, e encerrou com diversas apresentações culturais, como danças, break e batalha de rap.

O grupo vem tirando vários jovens das ruas, e as ações são realizadas semanalmente. o objetivo é levar cidadania, e mostrar para os jovens que é possível viver longe das drogas.

A batalha reuniu dezenas de pessoas que curtem essa arte. Júlio César Santos, um dos organizadores do grupo BDF destacou a importância do trabalho que é realizado.

“Estamos trabalhando para fortalecer a cultura urbana, com nossa arte, e queremos levar outra visão para a comunidade. Estamos na luta com esse trabalho, que mobiliza a juventude, e agradecemos a parceria da prefeitura que apoia os jovens”, disse Júlio.

William Lima, que participou da batalha falou sobre o evento. “Eu sou evangélico, e essa atividade é uma oportunidade de reunir os jovens através do rap, pois, gostamos muito das atividades que são realizadas pelo grupo BDF”, finalizou William.

Urgente veja o Vídeo abaixo do Telejornal 3 de Julho Noticias.

Assista a 3ª edição do Telejornal 3 de Julho Noticias e nos acompanhe pela página do facebook e se inscreva no canal YouTube.

O Estado do Acre é referência nacional no setor de artesanato

O estado foi homenageado no X Salão de Artesanato, no início desse mês, em Brasília.

Até julho, será realizada uma rodada de negócios com a presença de lojistas de todo o Brasil e alguns internacionais para comprar peças do artesanato acreano (Foto: Arquivo/Secom)

Graças às boas políticas públicas desenvolvidas ao longo dos últimos anos com o artesanato, o Acre tem se tornado referência nacional no setor pela forma organizada como vem trabalhando suas ações. 

Como forma de dar continuidade ao bom trabalho e de garantir a democracia e isonomia dos processos de implantação e implementação de suas políticas públicas, o governo do Estado, por meio da Secretaria de Pequenos Negócios (SEPN), divulgará na próxima sexta-feira, 13, os novos membros do Conselho Acreano de Artesanato. O conselho foi criado por meio da lei 3.004/2015.

Há três anos, a SEPN assumiu o compromisso de dar continuidade a essa política estadual. Novos espaços e empreendimentos específicos foram fomentados e criados, nesse processo de valorização das raízes culturais e dos fazedores de cultura.

Marilda Rios, secretária-adjunta de Pequenos Negócios, destacou que o estado tem investido também em clínicas de design voltadas a criação e inovação de novos produtos focados em segmentos como biojoias e utilitários decorativos para casa.

Este ano, em parceria com o Sebrae/AC, a SEPN aportou um recurso para lançar um catálogo oriundo das clínicas de design. “Essa é uma política pública que visa o aprimoramento produtivo dos produtos artesanais que o Acre tem produzido. Até julho será realizada uma rodada de negócios com a presença de lojistas de todo o Brasil e alguns internacionais para comprar peças do artesanato acreano”, revelou Marilda Rios.

O artesanato do Acre esteve nos estandes das principais feiras nacionais. A participação dos produtores foi viabilizada por meio da parceria entre o governo do Estado e o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Acre (Sebrae/Acre). Mais que vendas pontuais, o intercâmbio entre os artesãos do Acre e os empresários dos grandes centros do Brasil abriu as portas para o mercado nacional.

Qualidade dos produtos artesanais tem chamado a atenção de consumidores nacionais e internacionais (Foto: Arquivo/Secom)

Conselho Acreano de Artesanato

As políticas públicas têm incentivado a produção e comercialização do trabalho dos artesãos. Para julho está prevista a inauguração da loja do Funcab. O espaço vai funcionar na antiga administração do Parque da Maternidade e, nele, as peças serão compradas e comercializadas. O valor arrecadado volta para o fundo que se retroalimenta para novas compras.

Para os próximos meses, também está agendado o II Congresso Estadual de Artesãos, em Cruzeiro do Sul

O coordenador estadual do Artesanato do Acre, Wanderson Lopes, frisou que com a operacionalização das atividades ligadas ao artesanato se fez necessário à atualização dos membros para que eles deliberem sobre as atividades a serem executadas no período de finalização e consolidação das atividades na gestão do governador Tião Viana.

“O setor artesanal no Acre vem sofrendo uma grande revolução. A Secretaria de Pequenos Negócios está fazendo a transformação política e social na implementação e consolidação dessa nova fase do artesanato, que é de qualificar os artesão e dar autonomia para que eles tenham espírito empreendedor”, disse Lopes.

Urgente Plantão 3 de Julho Notícias

Veja o Vídeo Abaixo: Homem de 39 anos tem morte trágica após bater motocicleta na traseira de veículo na BR-317, onde o homem teve seu crânio perfurado, juntamente com um dos olhos, indo a óbito no local.

Governo inicia plano de turismo de base comunitária na reserva Cazumbá-Iracema

A equipes da Setul conversaram com moradores da Reserva Extrativista Cazumbá-Iracema para apresentar a proposta e ouvi-los.

Visando estimular a geração de trabalho e renda, aliado à qualidade de vida dos povos da floresta, o governo do Acre, por meio da Secretaria de Turismo e Lazer (Setul), deu início ao projeto de elaboração do plano de turismo de base comunitária na reserva Cazumbá-Iracema.

O plano irá nortear, futuramente, as comunidades a praticarem o turismo de forma organizado e sistematizada, inserindo o turismo como alternativa de renda e atividade de preservação ambiental.

A ação faz parte do projeto que está inserido na segunda fase do programa Redd Early Movers (REM), uma parceria com o banco alemão KFW para a redução de emissão do carbono em cinco comunidades, incluindo aproximadamente 250 famílias num primeiro momento no Cazumbá. Cerca de 40 famílias serão atendidas direta e indiretamente.

Uma visita técnica foi realizada nesta semana para apresentar o plano à comunidade da reserva extrativista, na região do Purus. No entanto, outras quatro comunidades estão inseridas no plano e devem ser visitadas ao longo do ano.

Além de avaliar o interesse da comunidade, foi realizado um breve levantamento quanto aos atrativos que compõem o local.

Para o chefe do Departamento de Turismo da Setul, Diego Rebouças, a proposta visa valorizar as culturas e tradições e busca o fomento de geração de renda aos moradores por meio do turismo de base comunitária.

“É importante citar que todos os planos serão construídos colaborativamente com a comunidade, garantindo um processo coletivo que atenda realmente as necessidades de cada local e permita o apropriamento por parte deles de todo o processo”, ressaltou Rebouças.

O projeto

Equipes da Setul na Resex Cazumbá-Iracema (Foto: Cedida)

Além de contribuir para a conservação e desenvolvimento da região, o turismo de base comunitária gera benefícios econômicos, culturais e sociais. O projeto busca um modelo mais justo e igualitário de turismo, que coloque a população local no centro do planejamento, da implementação e do monitoramento das atividades turísticas.

Essa interação é importante para que o morador preserve seus costumes e para que o turista perceba o quanto é primordial para essa comunidade manter o seu meio ambiente local com integridade.

O turismo brasileiro, como setor econômico, é reconhecido como importante gerador de divisas capaz de gerar oportunidades de trabalho e renda e de contribuir para a redução das desigualdades regionais e sociais em diferentes pontos do território.

Turismo de base comunitária são iniciativas e atividades protagonizadas pelas comunidades locais que, se ordenadas e bem estruturadas, representam importantes experiências turísticas, agregando valor aos roteiros e gerando emprego e renda para a região.

Equipes da Setul conversaram com moradores da Reserva Extrativista Cazumbá-Iracema para apresentar a proposta e ouvi-los  (Foto: Cedida)

Veja o Vídeo abaixo:

Acompanhe a 2ª edição do Telejornal 3 de Julho Noticia e saiba dos últimos acontecimentos, e você pode nos acompanhar pelo canal YouTube ou pela página do Facebook

Acre terá participação na maior feira de turismo da América Latina

No Chandless, o Estado construiu duas plataformas de observação de aves e pesquisas. Observatório de aves no Parque Chandlless, localizado na região do Purus.

Por Juliana Carla

Vitrine da América Latina para o mundo, a World Travel Market Latin America (WTM) atrai mais de 600 empresas expositoras para se reunirem e negociarem com profissionais do setor de viagens e turismo.

Marcado para o período de 3 a 5 de abril, na Expo Center Norte em São Paulo, o evento reunirá expositores de todos os estados brasileiros, que apresentarão suas propostas de turismo para atender a procura de outros estados e países.

Na oportunidade, o Acre apresentará, dentre os diversos atrativos turísticos, o parque Chandlless, localizado na região do Purus. Rico em biodiversidade, o parque possui amplo espaço de preservação e observação das mais distintas espécies de aves, algumas encontradas apenas nessa região. O local dispõe de plataforma para observação de aves além de trilhas com 14 km de extensão.

“O evento é uma grande oportunidade para o setor. Durante a feira conhecemos as demandas e apresentamos o que cada região dispõe conforme sua especificidade. O Acre estará com um estande mostrando os diversos pontos de turismo que tem atraído pessoas de outros países que buscam um maior contato com a natureza.  A biodiversidade, rios, lagos e cachoeiras também são atrativos turísticos na região”, disse a gestora do turismo no estado, Rachel Moreira.

Durante a participação do estado na WTM, o Acre participará do outros eventos importantes no setor, como o Fórum Nacional de Secretários de Turismo, o Encontro da Rede de Inteligência, do Ministério do Turismo, a qual é composta composta por técnicos de todos os estados do Brasil que discutem a estratégia de marketing no país e do 6º Seminário de Inteligência Competitiva, onde cada escritório apresentará as demandas de outros países nos estados brasileiros.

Sobre o WTM

A World Travel Market Latin America (WTM) é o evento que promove a América Latina para o mundo e traz o mundo para a América Latina, criando oportunidades pessoais e de negócios.

Em 2017 foi considerada a edição de maior êxito de negócios, com mais de 7 mil visitantes únicos do setor de viagens e turismo, o que representa um aumento de 20% em relação a 2016. O quinto ano do evento teve o número mais alto de profissionais de viagens, autoridades governamentais e veículos de mídia.

Entre os milhares de visitantes que estiveram na WTM, mais de mil compradores e “hosted buyers” (compradores convidados), do Brasil, da América Latina e do resto do mundo negociaram, fizeram novos contatos e interagiram com os diversos destinos, prestadores de serviços e gerentes de produtos presentes na exposição. A expectativa para 2018 é de que esse volume de negócios seja ainda maior.

Deputado Tiririca ‘viraliza’ com vídeo na privada; assista!

Tiririca fala com a esposa durante o ‘momento sagrado’. “Minha mulher me ligando pra fazer poesia logo de manhã no meu horário sagrado!”, diz Tiririca

Famoso pelas piadas, o deputado federal e humorista Tiririca viralizou com um vídeo postado nas redes sociais.

Nas imagens, ele aparece sentado na privada, com short abaixo e falando ao telefone com sua esposa.

Na legenda do vídeo, o humorista brinca: “minha mulher me ligando pra fazer poesia logo de manhã no meu horário sagrado!”.

Assista ao vídeo:

Com apoio do governo e prefeitura, artistas celebram Dia Nacional do Graffiti

O painel intitulado “HQ da Realidade” foi grafitado por mais de 20 artistas acreanos. Vandimylen Neves expressou em seu seu graffiti sobre a importância da educação.

Por André Araújo

Como forma de expressar a realidade de uma cidade ou simplesmente demonstrar os sentimentos nela contidos, a cultura do graffiti, a cada dia ganha novos adeptos que reproduzem verdadeiras obras de artes que embelezam e colorem a cidade e agradam os olhares de quem às prestigia.

Uma delas foi apresentada à comunidade, nesta quarta-feira, 28, na Avenida Ceará, nas proximidades do Hotel João Paulo, em Rio Branco. Trata-se do painel intitulado “HQ da Realidade”, onde 21 artistas se uniram para colorir um grande mural, localizado na avenida Ceará, centro de Rio Branco.

Vandimylen Neves realizou o seu quarto graffiti e nele expressou sobre a temática da educação como meio de compreender melhor o mundo. “Fico honrada de participar da pintura deste painel, e poder colocar uma reflexão de que a leitura e o conhecimento são libertadores e fundamentais para entender o nosso cotidiano”, disse Neves.

Além de artistas acreanos, o evento contou com a presença de um grafiteiro convidado. Michael Devis, de Curitiba, relatou a experiência. “Um intercâmbio muito rico, onde foi feito este painel que retrata as múltiplas representatividades sociais e culturais da cidade, o retrato da visão de cada artista e com este trabalho podemos compartilhar as nossas experiências, criar novos conceitos, tendências e aprimorar o seu estilo de pintura”, relata Deves.

Encontro internacional

A construção do painel também um ato em alusão ao Dia Nacional do Graffiti, celebrado na terça-feira, 27. Na oportunidade, foi apresentada a programação da segunda edição do RB Graffiti, evento que celebra as conquistas da arte urbana no Acre e promove ainda o intercâmbio entre artistas da tríplice fronteira e outros países.

“Em junho, iremos realizar o RB Graffiti, com o tema ‘plantando cores, colhendo ideias’ onde mai de 50 artistas nacionais e de outros países produzirão painéis simultaneamente em diversos pontos da cidade. Serão quatro dias de muito intercâmbio cultural, através de workshops, exposições, debates, entre outros”, pontuou o integrante do Coletivo de Artes Urbanas Acreano (Caua), Matias Souza.

Na somatória com o trabalho do coletivo, essas ações recebem o apoio do governo do Acre e da prefeitura de Rio Branco, por meio das fundações culturais Elias Mansour (FEM) e Garibaldi Brasil (FGB).

“O movimento de culturas urbanas se fortalece a cada ano e traz para os muros e paredes da cidade , novas simbologias em suas intervenções e principalmente traz reflexões para uma sociedade melhor”, destaca o diretor-presidente da FGB, Sérgio de Carvalho.

O microempreendedor Igor Alves, que também é produtor cultural comentou sobre a beleza e a importância destas obras contidas no painel. “Os grafites deram vida a esta parte da cidade e colocaram em evidência, o que a galera está pensando sobre o nosso tempo, em forma de arte. Gostei da iniciativa”, fala Alves.

Veja o Vídeo:

Servidores com Down defendem inclusão e relatam experiência no trabalho

Celenir é recepcionista e Chagas trabalha como auxiliar no setor de protocolo da Aleac. Os dois são os primeiros funcionários com Down do órgão. ‘Somos todos iguais’.

Celenir Vieira, de 33 anos, é recepcionista na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac) (Foto: Quésia Melo)

Celenir França Vieira, de 33 anos, e Francisco das Chagas, de 37 anos, decidiram lutar contra o preconceito e realizar o sonho de ingressar no mercado de trabalho. Celenir é recepcionista e Chagas trabalha como auxiliar no setor de protocolo da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), em Rio Branco.

Na data em que é comemorado o Dia Internacional da Síndrome de Down, 21 de março, os funcionários esperam que outras pessoas com Down também tenham a oportunidade de se profissionalizar.

“Me sinto bem, meus colegas de trabalho são a minha família. Eles me ajudam, me fazem rir, são minhas melhores amigas. Meu trabalho é um sonho realizado”, afirma a recepcionista.

Celenir e Chagas foram contratados há um ano, após a resolução nº 208 da mesa diretora da Aleac. O documento determina que 2% das vagas no quadro de cargos comissionados sejam ofertados a pessoas com Down.

“Eu gosto daqui, as pessoas são muito legais, me tratam bem. Fiz amigos e não quero deixar de trabalhar tão cedo”, afirma Chagas.

Como recepcionista, Celenir atende as pessoas no balcão de entrada da Aleac, entrega documentos e passa informações. Ela afirma que nunca sofreu preconceito ou foi maltratada por um colega de trabalho ou outra pessoa que buscou atendimento.

“Eu nunca fui ofendida aqui. Eu me sinto é bem vindo. Se alguém me ofendeu, ou me olhou diferente porque tenho Down eu nunca vi. Dou bom dia e boa tarde a todos, trato todos iguais, somos todos iguais”, destaca.

Chagas diz que não gosta de domingos e feriados, pois não gosta de ficar em casa sem fazer nada (Foto: Quésia Melo)

O auxiliar também diz que nunca foi vítima de preconceito no local de trabalho, mas já foi ofendido por uma mulher na igreja em que frequenta. Mesmo assim, diz que não liga para os comentários e que trabalha com pessoas tranquilas.

“Tem uma pessoa aqui que é como uma mãe para mim. De forma alguma penso em sair, amo o que faço e ainda ganho o meu dinheiro. Para quem tem medo de sofrer preconceito eu digo que o importante é fazer o seu trabalho e não ligar para isso”, aconselha Chagas.

Celenir já havia trabalho na Secretaria de Segurança Pública (Sesp) e Chagas trabalhou por dois anos na Associação de Pais e Amigos Excepcionais de Rio Branco (Apae). Atenciosos e focados, os dois não gostam de feriados e fins de semana, pois querem trabalhar todos os dias.

“Se eu ficar em casa sem fazer nada eu fico aperreado. Gosto de vir para a Aleac, organizar os jornais, entregar os documentos, ver meus colegas. Essa é a melhor parte do meu dia”, destaca o auxiliar.

Inclusão

A diretora da Escola do Legislativo Acreano, Rachel Farias, participou da seleção da recepcionista e do auxiliar. Segundo ela, os dois são os primeiros funcionários com Síndrome de Down a trabalhar na Aleac.

“Os familiares de pessoas com Down sempre levantaram na Aleac essa bandeira da profissionalização deles. Pensando nisso, convidamos algumas mães para falar sobre essa seleção e eles foram escolhidos por já terem trabalho antes e terem mais maturidade. O Francisco nos foi apresentado pela Apae e se encaixou no perfil que a gente procurava”, explica.

Dedicação

Rachel afirma que os dois funcionários são muito dedicados e amorosos. Além disso, sempre buscam dar o seu melhor e se esforçam para fazer um bom trabalho.

“Eles sempre querem mostrar mais serviço, são muito disciplinados e gostam de estar ocupados. A gente conversa com os colegas da casa para terem paciência com eles, pois existem algumas limitações, mas quanto à assiduidade, competência não temos problemas”, afirma.

Com o bom exemplo da Aleac, Raquel diz esperar que outros órgãos e também o setor privado contrate esses profissionais. De acordo com relatos dos pais, após começar a trabalhar a imunidade dos dois aumentou, assim como uma melhora na saúde mental.

“Para nós como servidores está sendo muito gratificante recebê-los na Aleac. É muito enriquecedor para nós e para eles. Seria muito bom se outros órgãos também contratassem. Essa profissionalização de pessoas com Down é muito importante e melhora a qualidade de vida deles”, finaliza.

Do G1 Acre