Princesas e super heróis alegram Dia das Crianças em escola do bairro Cidade Nova

Princesas e super heróis invadiram a Escola Madre Hildebranda da Prá, no bairro Cidade Nova, na manhã desta quinta feira, 12, Dia das Crianças.

 Por Alexandre Noronha Assessoria 

Em comemoração à data, não faltaram atividades que fizeram as crianças sorrirem. Gincanas, brincadeiras, pula-pula, cabo de guerra, entre outras atividades foram lideradas pelo Batman, Robin,  Lanterna Verde, Homem de Ferro, entre outros heróis do cinema, que  fizeram alegria dos dezenas de participantes.

As atividades foram desenvolvidas pelo Instituto de Direitos Humanos do Acre. O presidente da entidade, Kaio Marcellus, explica que o Instituto promove atividades acadêmicas, mas que também realiza trabalhos sociais em comunidades consideradas vulneráveis.

“Para realizar as atividades recreativas nós trouxemos pula-pula, brinquedos, gincanas, princesas e super heróis para animar o Dia das Crianças. O IDHA tem essa finalidade de promover direitos e hoje estamos promovendo o direito da criança ser feliz, tudo em parceria com a Assessoria da Juventude e coordenação da escola”, ressalta.

Danielle Leão, coordenadora de ensino, fala que esse foi um dia importante e que vai ficar registrado na memória das crianças que, por serem carentes, muitas delas não têm nenhum entretenimento em casa. “Até nós, que somos adultos, nos divertimos. E esse é um momento de interação entre nós e os alunos, então foi muito bom mesmo”, fala a coordenadora.

Geovana Brito, estudante do 4º ano diz, enquanto descansa lendo um livro, fala que hoje o dia “foi muito legal, encontrei meus amigos, pulei e corri. Vou ficar até acabar”. E muitas que pensavam que não ganhariam nenhum presente, saíram cheios de lembrancinhas e doces distribuídos na escola.

Há 50 anos Che Guevara era preso e morto na Bolívia

Em suas últimas horas de vida, o guerrilheiro se preocupou com o destino de seu Rolex, menosprezou os africanos e apostou na "delação premiada"

O guerrilheiro argentino Ernesto Che Guevara, preso na Bolívia, em 1967

Em 1967, a Bolívia era o país e mais pobre da América Latina e possuía uma das forças armadas mais desequipadas da região. Mesmo assim, um grupo de soldados raquíticos, com armas da II Guerra Mundial e quase nenhuma proficiência de combate foi capaz de subjugar e prender aquele que os movimentos armados idolatraram como seu guerrilheiro máximo. Sob a mira dos bolivianos, ele suplicou: “Não me matem. Sou Che Guevara. Para vocês valho mais vivo do que morto”.

Há exatos cinquenta anos Ernesto “Che” Guevara fora vencido pelo pelotão comandado pelo então capitão Gary Prado Salmón. Ao longo da tarde e noite daquele dia 08 de outubro de 1967, Che e Prado compartilharam cigarros, tomaram café e conversaram. O guerrilheiro queixou-se que os soldados haviam lhe roubado o relógio Rolex que Fidel Castro havia lhe dado de presente. Che estava convencido que sairia ileso e, por isso, se dava ao luxo de se preocupar com o seu relógio.

Prado recuperou a peça e a entregou na mãos do argentino. Che pediu ao militar que a guardasse para evitar que voltasse a ser roubado. Gary Prado manteve o Rolex sob sua guarda até 1984, quando o entregou a um cônsul cubano para que pudesse ser devolvido à família de Guevara.

Entre os vários assuntos que tratou, Prado queria saber o motivo de ele ter escolhido a Bolívia para exportar a revolução. “Nós já havíamos passado por uma revolução com reforma agrária e direitos universais. Que revolução ele esperava fazer, perguntei. Ele me respondeu ‘Me deram uma má informação. Eu não preparei essa missão. As ordens vieram de instancias superiores’. Perguntei de Fidel, mas nunca me respondeu”.

O militar relembra o desdém que Che demonstrava para com aqueles ele não o seguiam em seus projetos revolucionários. Quando perguntado sobre a experiência no Congo, onde Cuba havia planejado exportar a revolução, Che disse “deu errado porque a gente quis fazer a revolução em um lugar onde as pessoas ainda viviam pendurada em árvores”.

Prado disse a VEJA que neste 50º aniversário da prisão e morte de Che Guevara, ele espera exorcizar o passado. “Não aguento mais todo ano a mesma história. A mesma obsessão em torno da morte dele e de todos os mitos decorrentes desses eventos.

A execução de Che no dia seguinte colocou um fim na pretensões do guerrilheiro de colaborar com as autoridades. “Ele acreditava que seria mantido vivo pelo valor estratégico que tinha”. Mas a decisão do governo da Bolívia de matá-lo impediu o que seria o primeiro acordo de delação premiada da esquerda latino-americana.

Hoje, Prado e outros veteranos inaugurarão em Santa Cruz de la Sierra um memorial em homenagem aos 54 bolivianos que morreram em combate com a guerrilha castrista. “São heróis nacionais que ficaram esquecidos pela história, ofuscados pelo mito Che Guevara”.

O agora general da reserva Gary Prado relembra que quando Che foi preso ele estava em frangalhos e ferido. O odor de seu corpo era tão insuportável, que depois de sua execução uma enfermeira pediu autorização para lavar o cadáver.

O que os militares bolivianos jamais poderiam imaginar era que o asseio post-mortem ajudaria reforçar o mito do martírio de Che. As fotografias do corpo limpo e bem arrumado estendido sobre a pia de cimento passou a ser comparada à pintura A lamentação sobre Cristo morto do renascentista Andrea Mantegna (1431-1506). Se vivo Che valeria muito para os seus captores. Morto, ele teve uma valor inestimável para Fidel Castro. Transformou-se no maior produto da propaganda cubana.

“Surgiram uma infinidade de relatos sem nenhuma conexão com a realidade”, diz o ex-militar. Segundo ele, jamais houve um discurso de despedida, como retratado em amentação sobre Cristo mortofilmes e relatado em livros. “Não houve tempo de Che dizer nada. O militar que o executou o encontrou se voluntariou para fazer isso. Entrou no local onde Che estava e o fuzilou com uma rajada de metralhadora”.

O fato de ter comandado a captura de Che Guevara quase custou a vida de Gary Prado. Em julho de 1968, menos de um ano depois da morte do argentino. Prado foi alvo de uma tentativa de atentado.

Na ocasião, ele estudava no Brasil. Fazia um curso da Escola de Comando e Estado Maior do Exército, no Rio de Janeiro. Militantes do Comando de Libertação Nacional (Colina) – organização da qual a ex-presidente Dilma Rousseff viria a fazer parte – montou uma emboscada para “vingar a morte de Che”. Mas os terroristas confundiram o alvo e mataram a tiros o major alemão Edward Westernhagen, que era colega de curso de Gary Prado.

Che antes de depois do banho (Foto Abaixo). O mal-cheiro do guerrilheiro quando vivo levou um enfermeira a banhá-lo depois da execução.

Por Leonardo Coutinho / Veja.abril.com

Trilha Chico Mendes é apontada como uma das mais interessantes do mundo

O blog de turismo Escalando apontou a Trilha Chico Mendes, no Acre, como uma das 15 mais interessantes do mundo para se fazer trekking (caminhadas de longa duração na natureza).

 Por Márcia Moreira Assessoria 

O site levou em consideração quesitos como beleza panorâmica e a distância percorrida, apontando trilhas conhecidas mundialmente, como a de Córsega, na Itália, Rota Laugavegurinn, na Islândia, e Travessia do Himalaia, no Nepal, entre outras.

Administrada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), a Caminhos de Chico Mendes se inicia em Xapuri, atravessa seringais e colocações entre os municípios de Xapuri, Assis Brasil e Brasileira.

O percurso, que tem 90 quilômetros de extensão e é feito numa média de cinco dias, foi inaugurado recentemente, dispondo aos visitantes a exuberância da natureza e contato com a realidade de quem vive dentro da reserva extrativista, considerada modelo de sustentabilidade.

“A travessia visa fomentar o ecoturismo na unidade de conservação, beneficiando as comunidades que vivem e produzem na Reserva Chico Mendes. O reconhecimento do potencial turístico da trilha por parte de um respeitado blog mostra que o Acre tem muito a oferecer neste segmento”, diz a secretária estadual de Turismo e Lazer, Rachel Moreira.

Um dos responsáveis pela sinalização da trilha, Carlos Alberto Araújo conta que a Caminhos de Chico Mendes é a primeira a ganhar esse tipo de destaque na Amazônia. “Isso nos deixa muito feliz, mas principalmente deve inspirar outros lugares a desenvolverem outras trilhas e caminhos. O interessante daqui é que, além de ser dentro da Floresta Amazônica, a visita ainda proporciona contato com as histórias ricas e interessantes das pessoas que vivem no lugar, e isso é o que deixa a experiência ainda melhor”, afirma.

O blog ainda aponta alguns outros atrativos do local: “A Trilha de Chico Mendes pode proporcionar uma imersão única para quem deseja conhecer mais sobre a fauna e flora da Amazônia. Por estar próxima da fronteira com o Peru e com a Bolívia, é possível ver espécies que usualmente somente são conhecidas em livros escolares como o porquinho do mato, o veado campeito, o macaco prego, a queixada e a anta”, diz Luciano Fernandes, autor da publicação.

Informações turísticas

A Trilha Chico Mendes está localizada na Reserva Extrativista que leva o mesmo nome, entre os municípios de Assis Brasil, Brasileia e Xapuri. O primeiro ponto de parada para almoço é na Colocação Paraguaçú. O local é apropriado para almoço, descanso em redes e lazer. Possui um salão com mesa de sinuca rodeado por árvores.

O trajeto ainda passa pelas colocações Revolta 01, Cariri, Boa Vista, São Domingos, Paraíso, Alto Alegre e Zé Costa.

A trilha conta com sinalizações direcional, confirmatória, calmante e indutiva. Para que tiver interesse em fazer o percurso, basta entrar em contato com o ICMBio por meio do telefone (68) 3224-3749 ou no site www.icmbio.gov.br.

Natex gera empregos e fortalece extrativismo no Alto Acre

Natex gera mais de 150 empregos diretos. Fábrica tem capacidade para produzir até 100 milhões de unidades de preservativos por ano. Equipes da ONU já conheceram a gestão da fábrica e sua forma de produção.

Localizada em Xapuri, a fábrica de preservativos masculinos Natex completou recentemente 11 anos com motivos para comemorar, como a geração de empregos na região e o fortalecimento do extrativismo no estado, graças ao trabalho realizado em parceria com a comunidade.

A Natex foi instituída por meio de decreto e é ligada à Fundação de Tecnologia do Acre (Funtac). Atualmente é responsável pelo fornecimento de 15% dos preservativos distribuídos pelo Ministério da Saúde (MS).

Com sua missão estratégica de preservar as florestas, a fábrica acreana mantém contrato com o MS para atender demandas de até 90 milhões de unidades de produtos por ano. Além do Acre, a Natex fornece preservativos para Brasília, Rondônia, Mato Grosso, Minas Gerais e São Paulo.

Sustentabilidade e valorização das reservas extrativistas

A fábrica é resultado de projeto governamental com o intuito de valorizar o potencial florestal do Acre, assim como as famílias que residem em meio à floresta.

É a única do mundo, nesse segmento, que tem sua base de produção na utilização do látex natural extraído manualmente seguindo práticas tradicionais e contribuindo com a sustentabilidade econômica e social da floresta tropical.

A Natex gera mais de 150 empregos diretos e envolve cerca de 700 famílias na extração e venda do látex ao estabelecimento.

Parceria em vista

O modelo sustentável de produção tem atraído olhares de instituições, como a Organização das Nações Unidas (ONU), que já sinalizou por meio do Fundo de Populações das Nações Unidas (UFNPA), o objetivo de estabelecer a inclusão da Natex no catálogo do fundo, que distribui preservativos para outros países. Assim, ela seria a primeira da América do Sul a compor a lista referendada pela ONU.

Além disso, o objetivo da parceria que deve se firmar por meio de cooperação técnica é fazer com que a Natex possa ter um preço de produto mais competitivo que seja praticado, sobretudo, na América Latina.

Três visitas agendadas pela ONU já foram realizadas no Acre para dar andamento ao processo de habilitação da fábrica. Em uma delas, a oficial de Programa Anna Cunha e a assessora de Saúde Sexual e Reprodutiva do UNFPA, Nair Souza, frisou: “Esse modelo de fábrica é algo inovador no mundo e nos deixou extremamente encantados”.

Sobre o UNFPA

O fundo está presente em mais de 150 países e abrange diferentes eixos, como saúde reprodutiva, educação e direitos da criança e do adolescente.

Desde 1996, é responsável pela aquisição de insumos que envolvem questões de saúde reprodutiva, intermediando por meio de catálogos o fornecimento para o setor público.

Para a diretora-técnica da Funtac, Silvia Basso, essa parceria vem para garantir a sustentabilidade econômica do empreendimento e da própria comunidade e impactar socialmente ainda mais as famílias que vivem em torno dela.

John Lennon completaria 77 anos nesta segunda-feira

Lennon foi assassinado com cinco tiros, por um “fã”, chamado Mark Chapman, que horas antes havia pedido seu autógrafo, no dia 8 de dezembro de 1980, em Nova York.

John Winston Lennon nasceu em 9 de outubro de 1940. Seu pai trabalhava num navio e ficava longos períodos ausente. Sua mãe, sem condições de criá-lo, entregou-o aos cuidados da irmã Mary e do cunhado George Smith. Aos seis anos, John já cantava no coro da igreja. Na escola, apresentava talento literário e apreciava a leitura de Lewis Carroll e Richmal Crompton.

Em 1955, John montou uma banda chamada The Quarry Men e dois anos depois Paul McCartneyuniu-se ao grupo. A dupla formada por John e Paul era perfeita para escrever canções e daria origem aos Beatles. Em agosto de 1962 John Lennon casou-se com Cynthia Powell e com ela permaneceu até 1969 quando se uniu a Yoko Ono, figura forte e misteriosa, a quem muitos responsabilizam como a causa da desagregação do grupo.

Lennon foi assassinado com cinco tiros, por um “fã”, chamado Mark Chapman, que horas antes havia pedido seu autógrafo, no dia 8 de dezembro de 1980, em Nova York.

Frequentemente Lennon é apontado como a cabeça pensante dos Beatles e o mais preocupado com as questões sociais de seu tempo. Em “O Poder das Barricadas, Uma Autobiografia dos Anos 60”, do escritor marxista Tariq Ali, é revelado mais detalhadamente esse viés da vida de Lennon em uma longa entrevista realizada por ele, em 1971, com o título “Poder ao Povo”.

Carreira solo

Com o fim dos Beatles, Lennon continuou carreira solo, com a participação de Yoko. Lançou, entre outros, “Plastic Ono Band” (1970), “Imagine” (1971), “Mind Games” (1973), “Walls and Bridges” (1974), “Rock ‘N’ Roll” e “Shaved Fish” (1975). Em 1975 interrompeu a carreira para se dedicar à família após o nascimento do filho Sean Lennon.

Voltou ao estúdios em 1980 e lançou “Double Fantasy”, seu último disco. Em 1982 ganhou postumamente o Grammy por “Double Fantasy”. E também postumamente é lançado, entre outros, “Milk and Honey” (1984), “Live in New York City” (1986, gravado em 1972), “Rock ‘N’Roll and Walls and Bridges”(1986), “Acoustic” (2004).

Lennon travou batalha jurídica com o Departamento de Imigração norte-americano, desde 1971 quando se mudou para Nova York, e radicalizou seu discursos e sua luta pela paz. Tornou-se amigo de ativistas de esquerda como Jerry Rubin e Abbie Hoffman, além de se aproximar de lideranças dos Panteras Negras. A administração Nixon tentou deportá-lo, mas em 1972 ele conseguiu o visto de permanência. Estava no índice das pessoas investigadas pelo FBI, fato só admitido após a sua morte.

Os Beatles

O grupo Beatles foi um dos maiores fenômenos da música popular de todos os tempos. Ao longo de apenas oito anos, os Beatles mudaram a face do rock and roll, criando uma linguagem musical única e influenciando profundamente o comportamento dos jovens de sua época.

Alguns de seus maiores sucessos foram: “Love me do” (1962); “She loves you” (1963); “I Want you Hold your Hand” (1963); “Can’t Buy me Love” (1964); “A Hard Day’s Night” (1964); “Help!” (1965); “Eleanor Rigby” (1966); “Penny Lane” (1967); “Strawberry Fields Forever” (1967); “All you Need is Love” (1967); “Hey Jude” (1968); “Revolution” (1967); “Don’t Let me Down” (1969); “Something” (1969); “Let it Be” (1970).

George Martin foi o produtor responsável pela maioria dos discos dos Beatles, tanto que era chamado de “o quinto beatle”.

A discografia dos Beatles lançada no mundo todo compõe-se de 22 compactos e 13 LP’s oficiais. Mas os discos lançados em diversos países têm repertórios diferente das edições originais inglesas, isso porque as gravadoras locais faziam seleções incluindo faixas que tinham sido bem-sucedidas nos discos anteriores. No Brasil, a partir de “Help!”, seguiu-se os originais ingleses.

O nome Beatles faz um trocadilho com “beetles” (besouros) e “beat” (batida ou compasso ritmado). Todos os integrantes do grupo – John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr – nasceram na cidade de Liverpool, na Inglaterra. O empresário do grupo, Brian Epstein foi quem descobriu os rapazes, vendo-os tocar num “pub” chamado “The Cavern Club”.

O grupo gravou nos estúdios Abbey Road o compacto “Love me do”-“P.S. I Love You”, com canções de Lennon e McCartney, lançado em 5 de outubro de 1962 pela Parlephone (EMI) e atingiu o número 17 nas paradas de sucesso inglesas.

Em 1963, John Lennon e Paul McCartney foram eleitos os melhores compositores do ano. Aumentou o número de shows e suas músicas não paravam de ser tocadas nas rádios. No ano seguinte os Beatles conquistaram os EUA.

A fama do grupo interessou a indústria cinematográfica e não demorou para os quatro rapazes de Liverpool aparecerem na grande tela do cinema nos filmes: “A Hard Day’s Night” (1964), direção de Richard Lester; “Help!” (1965), do mesmo diretor; “Magical Mystery Tour” (1967), dirigido por eles mesmos; “Yellow Submarine” (desenho animado, 1968), direção de George Duning; e “Let it Be” (1970), direção de Michael Lindsay-Hogg.

As vendagens de discos foram enormes, as excursões um sucesso, as condecorações chegavam sem parar. Milhões de fãs de todas as idades em todo o mundo geraram uma verdadeira “beatlemania”. Uma rápida aparição do grupo em qualquer lugar público produzia gritos histéricos, desmaios, cartas arremessadas e muito choro.

A crise da banda começou no final dos anos 60. John, Paul, George e Ringo não se satisfaziam com o desempenho dos Beatles nos shows. Além disso, os integrantes do grupo estavam cansados de tanto fanatismo e até de ameaças que recebiam. Em 1966 resolveram que fariam o último show nos Estados Unidos. No mesmo ano George Harrison viajou para a Índia e aprendeu a tocar cítara. John Lennon foi criticado pelo público por dizer que era mais conhecido que Jesus Cristo.

Em maio de 1967, Lennon declarou que os Beatles não fariam mais excursões e, em 27 de agosto, o empresário Brian Epstein foi encontrado morto em sua casa por uma overdose de drogas. A crise piorou com o fracasso de vendas de “Magical Mystery Tour”.

Em fevereiro de 1968, os Beatles viajaram para a Índia para estudar meditação transcendental com o Maharishi Mahesh Yogi. Em novembro gravaram o “Álbum Branco” e lançaram o desenho animado, “Yellow Submarine”. Ringo Starr já queria abandonar a banda.

A presença de Yoko Ono, que se tornou “o quinto Beatle” gerava incômodo ao restante do grupo. O LP “Abbey Road” foi gravado em meio a grande insatisfação.

“Let it Be”, de 1970 foi o último álbum da banda. Ainda em 1970, Paul foi à justiça para determinar oficialmente o fim dos Beatles. O sonho tinha acabado.

Tribuna de Justiça realiza 651 Casamento Coletivo em Cruzeiro do Sul

Número recorde demonstra importância da iniciativa; objetivo é promover cidadania e maior aproximação entre Judiciário e população.

“Para mim é um momento muito importante, único, pois casamento é só uma vez, pra sempre”, disse Maria de Fátima Feitosa, de 34 anos. “Foi muito difícil chegar aqui, e eu não teria condições de pagar, se não fosse o Tribunal, não realizaria algo que eu já queria há muito tempo”, afirmou Francisco Gomes da Silva, 42 anos.

As frases se fundem para expressar o sentimento do casal – que encerra um significado de alegria e satisfação estendido a outros 650 noivos -, os quais disseram SIM no último sábado (30/09), durante o Casamento Coletivo de Cruzeiro do Sul.

Acometido pelo vírus da paralisia infantil, que lhe causou sequelas nas pernas, impedindo-o de andar, Francisco Gomes conheceu Maria de Fátima ainda na juventude. “Não tive preconceito algum, nem vergonha dele. Pelo contrário, me orgulho da pessoa que ele é, corajoso, esforçado, um vencedor. E digo mais, aonde ele for, eu vou também”, ressalta convicta.

“Eu me sinto um homem normal e perfeito”, resume ele de modo assertivo. Prova disso é que o casal já tem dez filhos, todos plenos em saúde e vigor, como o pai na prática é.

A solenidade

Ao promover o Casamento Coletivo, o Tribunal de Justiça do Acre estende à comunidade a mão amiga da cidadania e da responsabilidade social.

O evento foi bastante concorrido, tendo no dispositivo de honra as presenças da desembargadora Eva Evangelista, representando a Presidência do TJAC; do juiz de Direito Erick Farhat, titular da 1ª Vara Cível da Comarca local; da promotora de Justiça Manoela Canuto, representando o Ministério Público Estadual; do prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro; e do presidente da Câmara Municipal, Romário Tavares.

A vice-prefeita de Mâncio Lima, Angela Valente; o presidente da OAB-Seccional Acre, Tota Filho; e o delegatário Cleber Correa (do Ofício do Registro Civil das Pessoas Naturais) também prestigiaram a solenidade.

O Ginásio Poliesportivo Jader Saraiva tornou-se pequeno para abrigar tamanho número de pessoas e, principalmente, para conter a ambiência festiva e familiar.

A organização de um evento desse porte deu trabalho à equipe do Projeto Cidadão, haja vista o número recorde de casais (651), contra 550 (em 2016) e 500 (em 2015). Mas o esforço e dedicação dos profissionais suplantaram as dificuldades.

Discursos e cerimônia civil

Sentindo-se honrada e privilegiada por representar a desembargadora-presidente Denise Bonfim na ocasião, a desembargadora Eva Evangelista destacou qual é a mensagem do Tribunal de Justiça Acreano.

“Levar os melhores serviços às comunidades mais distantes, ou que mais precisam, estabelecendo maior aproximação entre o Poder Judiciário e a sociedade”.

Ao chamar a atenção para o cenário contemporâneo, marcado por “assustadora violência doméstica e social”, a decana da Corte de Justiça Acreana deixou uma reflexão para os noivos e famílias presentes.

“Digo a todos que a nossa missão; a missão de cada um de nós diante dessa problemática é sermos semeadores de paz, plantadores de esperança. E a paz não começa em outro lugar senão dentro dos lares, nos seios das famílias. Cada casal aqui presente tem uma responsabilidade muito grande. E sabem qual é o papel de vocês? Antes de tudo, o respeito e o amor”, explicou.

O prefeito municipal parabenizou mais de uma vez ao TJAC pela ação social que, segundo ele, engrandece a cidade e valoriza o seu povo. “Há um tempo determinado para todas as coisas, e este é muito especial para todos nós, principalmente para os casais”, finalizou citando versículos bíblicos.

O juiz-celebrante Erik Farhat, que, além de salientar a questão da igualdade de direitos civis entre os cônjugues, ensinou os caminhos para o bom casamento.

“É preciso comunhão, tolerância e solidariedade familiar, além do amor e respeito, estes últimos tão bem assinalados pela desembargadora Eva”, frisou.

O casal mais novo foi formado por Orleilson Muniz da Silva, de 19 anos, e Nilcilândia Lemos de Souza, de apenas 16.

Já o casal mais experiente foi composto por João Pereira da Silva, que completa 89 anos nesta semana, e Maria do Carmo Rodrigues da Silva. Juntos há pelo menos 20 anos, ambos eram viúvos quando se conheceram, têm uma filha, mas nunca haviam se casado.

“Agora é pra valer, me sinto realizada. É o melhor pra nós”, resumiu emocionada a dona Maria.

Eles e outros 650 casais disseram o aguardado SIM coletivo, acompanhado de abraços sinceros, beijos afetivos, mãos entrelaças pelas alianças, e muitas fotos, inclusive selfies, que registraram na memória e história o momento marcante.

Outras atrações

Atrações não faltaram no Casamento Coletivo, que enalteceu o aniversário de 113 anos de Cruzeiro do Sul.

A apresentação da cantora Daíris Costa, regente do Coral do Conservatório Musical (fruto da parceria Judiciário e MPAC); e da Banda de Música do Exército (61º BIS) embalaram com musicalidade o coração dos novos casais.

Eles ainda tiveram direito à decoração feita no capricho, stands para fotografias, sorteio de diversos brindes e, claro, a certidão de casamento de forma gratuita.

O Casamento Coletivo integra as atividades do Projeto Cidadão e, nessa edição, teve as parcerias da Prefeitura Municipal de Cruzeiro do Sul, do Exército Brasileiro, do Cartório de Pessoas Naturais, da Coordenação do Ginásio Esportivo Jader Machado, e dos servidores que atuam na Cidade da Justiça local.

Por GECOM – TJAC

TV Aldeia recebe visita de Presidente da Anatel para tratar sobre digitalização

Neste domingo, 1, o presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Juarez Quadros, visitou a sede da TV Aldeia em Rio Branco para dialogar sobre as etapas de digitalização do sinal da emissora pública.

O encontro com os gestores da Fundação Aldeia de Comunicação (Fundac) e a secretária Andréa Zílio teve a participação do conselheiro da Anatel, Aníbal Diniz, acompanhado de técnicos da agência fiscalizadora.

As fases de migração do sinal analógico para o digital em todo o Brasil, e o cronograma de ações em curso para consolidar essa implementação na emissora pública norteou a reunião da agenda.

O processo de digitalização das transmissões e desligamento do sinal analógico da TV aberta é uma determinação do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, coordenado pela Anatel juntamente com Grupo de Implantação do Processo de Redistribuição e Digitalização de Canais de TV e RTV (Gired).

“Os trabalhos de digitalização estão intensificados em todo país e Rio Branco, deu passos importantes para consolidar esse processo, superando as dificuldades tecnológicas em função da sua localização geográfica. Nós  estamos num esforço concentrado junto com a gestão estadual para que a TV Aldeia também se digitalize antes da data de desligamento do sinal analógico, previsto para 2018”, relata o presidente da Anatel, Juarez Quadros.

Com a digitalização da TV aberta, os telespectadores obterão maior qualidade na imagem e no som, além do acesso à múltiplas programações e interatividade.

Nesta perspetiva, a Secretária de Comunicação, Andréa Zilio ressalta a função social da emissora pública em poder transmitir mais conteúdos com caráter educativo.

“A TV Aldeia não pode ficar de fora desse processo. A emissora entra na etapa de digitalização a partir de uma decisão do governador Tião Viana e esse apoio e acompanhamento da Anatel tem sido fundamental. Com essa nova fase, temos o compromisso de reforçar e reformular a programação que sempre apostou no caráter educativo”, diz a secretária Andréa Zílio.

Comunicação Pública

A TV Aldeia foi instalada pelo governo do Estado com concessão do Ministério das Comunicações em 1985, mas só trabalhou de forma efetiva a partir de 2002, quando as retransmissoras foram instaladas nos municípios acreanos. Hoje, ela é vinculada à Fundac e faz parte da Rede Pública de Comunicação e retransmite parte das programações das TVs Brasil e Cultura.

Além desse processo de digitalização, atualmente a Fundac realiza a manutenção e preparação de seu parque de transmissão das AM Difusora Acreana para mudança de classe, que resultará na modernização e um maior alcance de transmissão. Junto a isso, todos os transmissores, incluindo a Aldeia FM estão tendo manutenção e correção de defeitos.

Melhorias na internet

Nesta segunda-feira, 02, no Palácio Rio Branco, o governo do Acre, a Anatel e representantes das empresas Vivo, Claro e TIM um Termo de Cooperação que visa melhorias e ampliação nos serviços de rede móvel e internet no Estado.

A solenidade contará com a presença do governador Tião Viana, do presidente da Anatel, Juarez Quadros, do presidente da Telefônica Vivo, Eduardo Navarro e do senador Jorge Viana.

Jovem faz e vende desenhos realistas para pagar custos da faculdade

Com o dinheiro que fatura com as reproduções, ele paga transporte e materiais do curso de biologia. Preços variam de R$ 150 a R$ 250.

Jovem cursa biologia na Ufac e vende quadros para ajudar nos curstos do curso (Foto: Adelcimar Carvalho)

Há dois anos, o estudante João Paulo da Silva, de 22 anos, decidiu usar o seu talento para custear os gastos que tem com o curso de biologia da Universidade Federal do Acre (Ufac). Ele mora em Cruzeiro do Sul e vende duas obras para pagar o material e o transporte para frequentar as aulas.

Natural de Porto Walter, a paixão por desenhos o acompanha desde pequeno. Autodidata, ele aprendeu as técnicas sozinho e atualmente se dedica às obras mais realistas, que também aperfeiçoa com estudos solitários.

“Desenho desde pequeno. Sempre fazia os melhores desenhos na escola e era elogiado pelas professoras. O desenho realista a lápis e grafite só passei a estudar as técnicas há cerca de dois anos”, conta.

Os desenhos são feitos em papel A4 ou A3 e podem levar de 20h a 60h para ficarem pronto. As obras são vendidas por R$ 150 a R$ 250, dependendo do trabalho que exige e tamanho escolhido pelo cliente.

Obras variam de R$ 150 a R$ 250 e ajudam a pagar estudos de jovem​. Técnicas realistas foram aprendidas pelo jovem, que é autodidata (Foto: Adelcimar Carvalho)

O que fatura, Silva investe na sua formação na universidade. “Ainda não tenho uma renda fixa, pego encomendas esporádicas, duas ou três por mês.

O que faturo é um dinheiro extra que compro o meu material e ajuda no custo da faculdade”, explica. O material usado por ele também é profissional.

Para fazer os desenhos que impressionam pela sensibilidade, ele usa grafite, lápis artístico e também uma borracha especial. O restante é técnica para não passar a mão no desenho e deixá-lo esfumado.

O jovem planeja, após a conclusão do curso de biologia, se dedicar mais à sua arte e aprofundar o estudo para, quem, sabe um dia viver exclusivamente de seu talento.

Do G1 Acre

Brasileia realiza a I Conferência de Promoção da Igualdade Racial

Com o objetivo de fortalecer a Interiorização das Políticas de Promoção da Igualdade Racial no Acre.

A Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), juntamente com a Secretaria Municipal de Educação de Brasileia (SEME),realizou na quinta-feira, 28, no auditório do CEDUP, a I Conferência Municipal de Promoção da Igualdade Racial.

Durante a conferência foi apresentado o nome dos conselheiros municipais de igualdade racial de Brasileia, onde será encaminhado para o gabinete da prefeita, Fernanda Hassem,e depois levado para a Câmara Municipal de Brasileia para ser colocada em votação e ser aprovado pelos vereadores, para que o conselho possa representar o município nas conferências estaduais e nacionais.

“Hoje Brasileia está dando o primeiro passona promoção de igualdade racial, onde estamos realizando a primeira conferencia municipal em parceria com a sociedade civil, órgãos não governamentais e prefeitura, que estão reunidas propondo ações que possam garantir o direito da população negro e indígena, para que posteriormente possamos estar participando da conferencia estadual levando propostas elaboradas aqui”, informou Ramiege Rodrigues, secretária municipal de educação.

O projeto começou em 2016, onde realizou em todo o Estado um seminário de sensibilização e orientação para a criação do conselho e do fórum de educação étnico racial.

“Saio de Brasileia bastante satisfeita. Vejo que alcançamos o nosso objetivo, juntamente com a Prefeitura de Brasileia, porque agora os conselheiros, gestores e os membros dos fóruns tiveram a oportunidade de estudar o marco legal das Políticas de Igualdade Racial (PIR). E agora todos já conhecem o estatuto de igualdade racial, o plano estadual de igualdade racial e as diretrizes nacionais”, relatou Almerinda Cunha.

Dos vinte e dois municípios acreanos, Brasileia foi o oitavo município assistido pelo Departamento de Igualdade Racial que está sendo realizada as conferencias municipais.

Músico do Acre lança clip e já conta com mais de 90 mil visualizações no YouTube

Allan é professor da Universidade Federal do Acre e já muito conhecido por vídeos e músicas pop.

Vocês lembram do Allan? Ele está de volta! O músico do Acre que ganhou notoriedade com canções em inglês e que faziam forte referência a trabalhos de artistas como Lady Gaga vem agora com uma produção mais ‘acreanizada’.

“Chama atenção”, seu mais novo single, já tem até clipe – vídeo este que foi gravado todo em solo acreano e com profissionais locais. Apesar disso, a produção musical é de São Paulo: Allan buscou, para seu mais novo trabalho, tudo que há de mais atual no mercado seguindo a linha do pop brasileiro, que nunca esteve em tamanha evidência.

Lançado há poucos dias, o clipe já conta com incríveis 90 mil visualizações no YouTube. Em conversa com reportagem da ContilNet, Allan conta sobre a alegria de ter produzido o clipe em sua terra.

“Pela primeira vez eu fiz um clipe com um diretor acreano, o Rodrigo Oliveira – então a equipe do vídeo é toda aqui do Acre. Eu levei a ideia para o diretor, especifiquei as locações que eu queria e a mensagem que eu queria transmitir. E junto com a equipe dele, adaptamos isso. Eu sempre tento passar mensagens positivas nas minhas músicas e vídeos. Nesse vídeo nós fizemos um ‘protesto’ em prol do amor, contra preconceito e racismo. A letra da música fala sobre não se importar com a imposição de regras terceiros em cima da sua vida. Que não há um manual para a felicidade e você pode e deve ser exatamente quem é”.

Chama atenção

Tá cheio de gente por aí
Sabem muita coisa
Até o que temos que vestir
Como viver, e o que fazer
Cade o manual que deram a eles?
Eu nao recebi e
Quando um apontar o dedo
Tem que relevar
Faz que tá na passarela
Pronto para desfilar
Vida é pra ser vivida
Deixa criticar

Na verdade quem critica
Quer o seu lugar

Então dança, desce
Pula, grita
Escuta o coração
Dança, mexe
Seja diva
Chama toda atenção

Dança, desce
Pula, grita
Escuta o coração
Dança, mexe
Seja diva
Chama atenção

 Veja o Vídeo 

Fonte: Contilnet.com