Medo e opressão: as marcas de um relacionamento abusivo

As palavras que ele me dizia machucavam muito. Eu preferia levar um tapa, quem sabe assim conseguisse esquecer. Tudo que foi dito abriu uma ferida dentro de mim.

O relato é da artesã acreana Francisca Silva, 44 anos, vítima de um relacionamento abusivo por 16 anos.

O trato hostil do marido se agravou bastante após meia década de casamento. O que antes era naturalizado, por se tratar do “jeito dele”, expressou-se de maneira mais contundente: violência psicológica e moral.

“Ele dizia que eu era velha e gorda, mas uma das piores coisas era quando falava que arranjaria uma pessoa mais nova, porque eu não dava mais cria [pudesse engravidar]. Isso até hoje não consegui esquecer totalmente”, relembra Francisca, que ao procurar ajuda médica se deparou com as acusações de que não estava doente e inventava tudo para sair de casa.

As cores do esmalte e do batom também passavam pelo crivo do agressor. “Se eu pintasse as unhas ou a boca com cores mais fortes, ele dizia que era jeito de vagabunda, de prostituta. Uma vez cortei o cabelo, e ao chegar em casa ouvi que o restante seria cortado de terçado [facão]”.

E foi assim que artesã viu o sonho do casamento feliz se transformar em um pesadelo. Oprimida, ela pensou em desistir várias vezes. “Pensava em parar de viver. Já não conseguia mais ficar sozinha e aos poucos parei de sair de casa.”

A ausência de agressão física não torna a relação abusiva menos nociva. De acordo com a psicóloga Talita Montysuma, os relatos de maus-tratos psíquicos estão sempre disfarçados de amor.

“Tudo que tira a individualidade e a liberdade da pessoa ao lado é abusivo. Coisas comuns e corriqueiras como mexer no celular, controle de horários, costumes, roupas, entre outras práticas, são características de atitudes abusivas que se intensificam com os xingamentos e, às vezes, cárcere privado”, alerta a profissional.

Ajuda especializada

O medo, a angústia e a depressão passaram a assolar a vida de Francisca. Encorajada pelos filhos e pela vontade de ser feliz, decidiu procurar ajuda no Centro Especializado de Atendimento à Mulher (Ceam) – a cidade não é mencionada na reportagem para preservar a imagem da vítima.

“Teve um momento em que eu não aguentei mais e decidi buscar ajuda. Foi aí que conheci as meninas do Ceam. Iniciei um tratamento psicológico, e o acolhimento recebido fez toda a diferença na minha vida”, reconhece a vítima, que precisou tomar antidepressivos por dois anos.

O governo do Estado, por meio da Secretaria de Políticas para Mulheres (SEPMulheres), implementou centros de atendimento nas regionais do Alto e Baixo Acre, Purus e Vale do Juruá. Nesses locais, o público feminino desfruta de um serviço de acolhimento profissional e acesso gratuito à assistência social, psicológica e jurídica.

A gestora da SEPMulheres, Concita Maia, é enfática ao afirmar que, em situações de relacionamento abusivo, o Estado mete a colher. “Temos que dar resposta à sociedade com políticas públicas e ações afirmativas. Nesse sentido, encabeçamos a campanha ‘Quem Ama Abraça na Comunidade’, com o propósito de fomentar o debate e levar informação, pois elas salvam vidas”, salientou.

Desde 2006, o Brasil dispõe de uma das legislações mais completas no enfrentamento à violência contra a mulher: a Lei Maria da Penha. Em março de 2015, o instrumento jurídico ganhou reforço com a sanção, pela então presidente Dilma Rousseff, da Lei do Feminicídio.

Ainda assim, o Brasil encontra-se entre os dez países com maior taxa de violência contra a mulher, ocupando a quinta posição no ranking do Mapa da Violência, divulgado no ano passado. O machismo alimenta esse cenário, ressalta Concita: “Nossa luta é por equidade de gênero e respeito”.

O recomeço

O auxílio médico foi determinante para a recuperação de Francisca, divorciada há três anos. “Aquele pensamento que eu tinha saiu: ‘Você é mais forte e consegue’, fui colocando isso na minha mente. Hoje, compreendo que não vale a pena viver uma relação abusiva só para criar os filhos próximos ao marido e dizer que tenho uma família”.

Ao romper o ciclo de violência, a artesã se lançou para o mercado de trabalho. Hoje é gestora pública e atua na promoção de oficinas de arte (reciclagem de produtos) às comunidades em situação de vulnerabilidade social.

Com o emprego conseguiu comprar a casa própria, onde mora com os dois filhos mais novos. O primogênito é casado. As marcas de um relacionamento abusivo ainda atormentam o imaginário da acreana, que utiliza as memórias para empoderar outras vítimas.

A Francisca de hoje é uma guerreira que aconselha outras mulheres de que não vale a pena seguir sendo maltratada. Primeiramente, você precisa se amar do jeito que é, pois só assim se alcança a felicidade. A Francisca de hoje é uma águia, que mesmo no fundo do poço, com todas as penas caídas, recomeçou. Deus coloca as pessoas no caminho da gente, mas quando percorremos em grupo torna-se breve e proveitoso. Busque ajuda, denuncie

Por agencia.ac

Vídeo: Cirurgiã pediátrica do Acre receberá prêmio internacional

Trabalho da médica realizado no Acre ganha reconhecimento internacional 

Por Fhaidy Acosta 

Fernanda Lage durante atendimento no Hospital da Criança (Foto: Júnior Aguiar)

Dedicação e amor ao seu trabalho. Estas duas palavras definem bem o comportamento profissional da médica Fernanda Lage Lima Dantas.

Vinda do Rio de Janeiro após concluir suas especializações, há 13 anos ela trabalha no Acre como cirurgiã pediátrica no Hospital da Criança e também no Hospital das Clínicas e atua, principalmente, no cuidado a crianças nascidas com malformações congênitas.

E este ano, o trabalho de Fernanda Lage ganha reconhecimento internacional, sendo premiada pelo Colégio Americano dos Cirurgiões (ACS) dos Estados Unidos, por conta da alta qualidade técnica da cirurgia pediátrica que é desenvolvida no Acre e também associada ao comprometimento e dedicação ao ensino da cirurgia, ou seja, a multiplicação do conhecimento.

Competindo com médicos cirurgiões do mundo todo, ela foi escolhida pelo Comitê de Relações Internacionais para receber o prêmio de “Cirurgião da Comunidade 2018” – Baxiram S. and Kankuben B. Gelot Community Surgeons Travel Award for the year 2018.

“Fiquei muito feliz. Quando me inscrevi não esperava ganhar, pois são analisados os trabalhos de cirurgiões do mundo todo e geralmente os médicos selecionados são de outros continentes como a Ásia”, enfatiza a médica.

O prêmio de “Cirurgião da Comunidade” é dado em reconhecimento ao comprometimento com a prática de cirurgia de alta qualidade e dedicação na melhoria do acesso ao tratamento cirúrgico para a população.

A cerimônia de premiação será realizada durante o Congresso Clínico do Colégio Americano dos Cirurgiões, no mês de outubro, em Boston (estado de Massachusetts), nos EUA.

Reconhecimento

Como parte da premiação, Fernanda Lage foi convidada para conhecer o Hospital das Crianças de Boston, um dos melhores dos Estados Unidos, que é associado à Universidade de Harvard, onde fará um estágio de três semanas acompanhando o serviço de cirurgia pediátrica.

O hospital das Crianças de Boston é um dos berços das cirurgias pediátricas no mundo e foi onde começou o tratamento das crianças com malformações congênitas.

“Vou para esse intercâmbio com a intenção de fazer parcerias internacionais. Nosso objetivo é receber aqui no Acre cirurgiões que moram em outros lugares do mundo. Então a ideia é não só trazer conhecimento, mas também trazer esses profissionais”, explica Fernanda.

No Acre

A malformação congênita a princípio acomete um em cada cinco mil nascidos vivos. No Acre, os casos são mais frequentes que em os outros lugares – média de três casos para cada cinco mil nascidos vivos.

“Temos no Acre uma quantidade de malformações muito elevada em comparação proporcional a outros lugares do mundo, e mesmo com esses números, conseguimos realizar todas as cirurgias, desenvolvendo um trabalho de qualidade com excelentes resultados;. O prêmio vem em reconhecimento a esse trabalho”, destaca a cirurgiã.

O Acre oferece tratamento de cirurgia de alta complexidade em cirurgia neonatal e tratamento completo para as principais malformações existentes. Ao longo dos últimos anos mais de 500 crianças foram beneficiadas. Por meio do Sistema Único de Saúde (SUS) é realizado o acompanhamento dessas crianças desde o seu nascimento na Maternidade Barbara Heliodora até o tratamento no ambulatório do Hospital das Clínicas, incluindo cirurgias e consultas.

Gracilene Souza dos Santos é mãe da pequena Isabelle, que logo ao nascer foi diagnosticada com a necessidade de procedimento cirúrgico. Vinda de Sena Madureira, Gracilene permaneceu internada com a filha para que pudesse fazer a cirurgia e receber o acompanhamento necessário.

E sobre o atendimento prestado por Fernanda, a mãe destaca: “Essa doutora é um anjo, não tenho palavras para agradecer o que ela fez. Só em ela estar cuidado bem da minha filha, fico até sem palavras”, conta Gracilene.

As crianças, mesmo após feita a cirurgia, recebem acompanhamento periódico de acordo com a necessidade de cada uma, inclusive durante vida adulta.

Fernanda Lage também atua na formação de novos médicos e novos cirurgiões para atuarem no Estado, tanto como professora no curso de Medicina da Universidade Federal do Acre (Ufac) como na especialização em residência médica de cirurgia geral.

3 de Julho Entrevistas 5ª Edição

Veja nesta entrevista o trabalho desenvolvido pelo Movimento de reintegração das Pessoas que contraíram a Hanseníase, e conheça mais sobre esta doença, Curta a nossa página do Facebook 3 de Julho Noticias – A voz da Fronteira e se inscreva no nosso canal do YouTube 3 de Julho Noticias e lembre-se de ativar as notificações clicando no sininho.

Policial Civil tem participação no roubo de arma na delegacia de Brasileia

O policial Civil Maicon Cesar já foi condenado a 7 anos de prisão pela participação no sequestro de um Brasileiro na cidade de Epitaciolândia.

O delegado Karlesso Nespoli, da Delegacia de Brasileia, confirmou na manhã deste domingo (17), que o roubo de armas da delegacia da cidade, teve a participação de um policial civil, lotado naquela especializada.

Segundo a autoridade policial, o agente envolvido é Maicon Cesar Alves, policial condenado pelo sequestro de um brasileiro em Epitaciolândia, que foi levado para Cobija com apoio de policiais bolivianos.

Policiais desenterrando as armas em Brasileia

As armas foram encontradas em um beco próximo a um hotel arrendado por Maicon Cesar em Brasileia.

Sábado a tarde, depois que as armas foram localizadas, Maicon Cesar abandonou o hotel e viajou para Rio Branco, onde foi localizado pela polícia.

Ele foi condenado a mais de 7 anos de prisão pela participação no sequestro de Sebastião Rodrigues, ocorrido em fevereiro de 2016.

Na ocasião, segundo as investigações do MP, Maicon e dois policiais bolivianos, invadiram a casa de Rodrigues e o levaram para a Bolívia. No pais vizinho, o brasileiro é acusado de comandar o sequestro do filho de um senador.

No inicio do ano, a justiça do Acre expulsou o policial da Segurança Pública, mas ele foi reintegrado depois que a Corregedoria da própria PC, verificar que a decisão judicial não poderia ser executada porque o processo ainda cabia recurso.

Na época em que foi condenado, Maicon Cesar recebeu irrestrito apoio dos colegas policiais que até fizeram uma campanha interna para arrecadar dinheiro e pagar um advogado.

Nesta segunda feira, a cúpula da Segurança Publica vai conceder uma entrevista coletiva em Rio Branco e confirmar o furto que tentaram, sem sucesso, negar.

3 de Julho Entrevistas 5ª Edição

Veja nesta entrevista o trabalho desenvolvido pelo Movimento de reintegração das Pessoas que contraíram a Hanseníase, e conheça mais sobre esta doença, Curta a nossa página do Facebook 3 de Julho Noticias – A voz da Fronteira e se inscreva no nosso canal do YouTube 3 de Julho Noticias e lembre-se de ativar as notificações clicando no sininho.

Por Jairo Barbosa / ac24horas

Brasil vacila e empata com a Suíça na estreia na Copa

Seleção brasileira sai na frente, com gol de Philippe Coutinho, mas toma empate em bobeada da zaga no início do 2º tempo.

A esperada estreia do Brasil na Copa do Mundo da Rússia ficou abaixo do esperado. O empate em 1 a 1 com a Suíça, em Rostov, foi resultado do primeiro tempo de bom futebol, toque de bola, demonstrações de talento, com uma etapa final errante, de falhas na defesa e falta de criatividade. Desde 1978 a seleção não começava um Mundial sem vitória.

O placar igual em Rostov deixa lições para o próximo compromisso na Copa, contra a Costa Rica, sexta, em São Petersburgo. Neymar e Gabrel Jesus sofreram com a marcação adversária e pouco produziram. A defesa cometeu uma rara falha. A outra reflexão é que talvez um outro árbitro possa ser mais enérgico e coibir os lances violentos.

O bom futebol do Brasil demonstrado durante grande para das Eliminatórias levou alguns minutos para aparecer na Copa. Os primeiros instantes foram de domínio suíço, com uma finalização perigosa de Dzemaili. A seleção pareceu no começo mesclar a ansiedade com um estudo do adversário, até começar a dominar o jogo depois de dez minutos. A paciência para tocar a bola, a aproximação dos jogadores e as triangulações pela esquerda iniciar a ditar o ritmo.

O lado do campo com Marcelo, Neymar e a aproximação de Philippe Coutinho passou a trocar passes, ter paciência e buscar uma brecha para o gol. Na primeira investida, Paulinho quase fez. Foi uma amostra de que ali era o caminho. Então, era preciso insistir. Aos 20, nova jogada pela esquerda e na sobra da zaga, Coutinho chutou de fora da área, com curva, para colocar a bola no canto de Sommer e fazer 1 a 0.

A vantagem deixou a seleção ainda mais confiante a ponto de Alisson arriscar passes ousados com os pés e a defesa sair para o jogo com classe. O Brasil prosseguiu o domínio, porém sentia mais falta da participação de Neymar. Caçado pelos suíços, sofreu faltas duras e em uma delas, fez o adversário levar amarelo. Em outros lances, porém exagerou da individualidade.

A equipe diminuiu o ritmo antes do intervalo e viu a Suíça passar a ter mais posse de bola. Ainda assim, sem finalizações de perigo. A torcida brasileira, presente em maior número, terminou o primeiro tempo cantando “o campeão voltou” para logo se calar quando começou a etapa final. No começo, logo aos cinco minutos, escanteio para a Suíça, Zuber se desmarca de Miranda e na pequena área, cabeceia para empatar.

O lance gerou muita reclamações dos brasileiros, principalmente sobre um empurrão do suíço no defensor antes da chegada da bola. O fato é que o empate mostrou o quanto a seleção desperdiçou no primeiro tempo um bom momento e a chance de ter ampliado, ao se acomodar. O segundo tempo era de erros de passes e perda no vigor na marcação no meio. Tite sentiu isso e para tentar conter o crescente domínio adversário, colocou Fernandinho e Renato Augusto para refoçar o setor.

O Brasil melhorou, voltou a comandar a partida, mas se viu de frente a um obstáculo cruel. A arbitragem insegura do mexicano Cesar Ramos, de 34 anos, havia irritado os jogadores no momento do gol suíço, tinha deixado de marcar faltas em Neymar e não assinalou pênalti em um lance de Akanji em Gabriel Jesus.

Nos minutos finais a seleção se arriscou em busca do segundo gol e a Suíça se fechou na defesa. O goleiro Sommer passou a trabalhar em cabeçadas perigosa de Neymar e Firmino. Miranda quase fez em um chute. A bola, definitivamente, não quis entrar, para a frustração do Brasil.

Armas levadas por bandidos na Bolívia são de guerra e de grosso calibre

Forças bolivianas estão realizando blitz pela fronteira afim de tentar localizar as armas roubadas na noite passada.

As armas que foram levadas durante uma ousada ação de bandidos na cidade de Porvenir, distante cerca de 27km da capital pandina, são as preferidas por países socialistas e dos bandidos.

Por serem de fácil manuseio e quase inquebrável, além do alto poder de fogo, milhões do fuzil russo Kalashnikov Automática, ou AK 47, circulam pelo mundo desde o fim da antiga União Soviética, passando principalmente, pelas mãos de bandidos através do contrabando.

Desta vez, os bandidos têm em suas mãos, armas que podem atirar até mesmo de dentro dágua e com cadencia de 600 tiros por minuto. A ação dos meliantes que invadiram o quartel e deixaram feridos em troca de tiro, deixou as forças de segurança dos dois países em alerta.

Em tempo, essa não seria a primeira vez que bandidos invadem quarteis localizados em Pando. Em setembro de 2015, o quartel da Marinha da Bolívia localizado em Cobija, foi invadido após quebrarem a parede e levaram quase 20 fuzis, sendo recuperados 11 no estado de Rondônia cerca de três meses depois e três pessoas presas.

As forças de segurança do lado boliviano estão em alerta máximo, realizando barreiras policiais pela fronteira, realizando revistas em veículos e pessoas que entram, ou saem do país pelas cidades de Brasiléia e Epitaciolândia.

3 de Julho Entrevistas 5ª Edição

Veja nesta entrevista o trabalho desenvolvido pelo Movimento de reintegração das Pessoas que contraíram a Hanseníase, e conheça mais sobre esta doença, Curta a nossa página do Facebook 3 de Julho Noticias – A voz da Fronteira e se inscreva no nosso canal do YouTube 3 de Julho Noticias e lembre-se de ativar as notificações clicando no sininho.

Por Alexandre Lima / oaltoacre

Polícia boliviana prende dois brasileiros portando pistolas em Cobija

Com os dois brasileiros foram encontradas duas pistolas os mesmo circulava pelo bairro Mapajo, na cidade de Cobija, localizada na divisa com Brasiléia.

Foram presos na noite deste sábado, dois brasileiros identificados como Jhakson Chávez de Sousa e Célio da Silva Cunha, que circulava pelo bairro Mapajo, na cidade de Cobija, capital de Pando, localizada na divisa com Brasiléia, no Acre.

Com os dois, foram encontradas duas pistolas municiadas, uma Browning 9mm e uma Bersa, calibre 38, além de colete a prova de balas e toucas ninjas. Segundo foi levantado, um dos detidos seria foragido da justiça.

As autoridades estão tentando descobrir se a dupla teria envolvimento com o assalto no posto policial da cidade vizinha de Porvenir, distante cerca de 27km, onde levaram várias pistolas e fuzis AK, na noite deste sábado após a prisão dos dois, ou se planejavam outro tipo de assalto pela cidade de Cobija.

Foi informado que o trabalho que resultou na prisão da dupla, seria resultado de investigações de grupos especializados da Polícia Nacional Boliviana de Pando. Jhakson e Célio foram detidos e conduzidos para a sede principal da polícia especializada contra o crime (FELCC), onde seriam presos em flagrante delito.

3 de Julho Entrevistas 5ª Edição

Veja nesta entrevista o trabalho desenvolvido pelo Movimento de reintegração das Pessoas que contraíram a Hanseníase, e conheça mais sobre esta doença, Curta a nossa página do Facebook 3 de Julho Noticias – A voz da Fronteira e se inscreva no nosso canal do YouTube 3 de Julho Noticias e lembre-se de ativar as notificações clicando no sininho.

Brasileiro naturalizado polonês, Cionek pode ser titular contra Senegal

Ainda em recuperação de uma lesão no ombro esquerdo, o zagueiro Glik ainda é dúvida na Polônia a dois dias da estreia contra Senegal. Cionek diz estar pronto para assumir a vaga.

A dois dias da estreia na Copa do Mundo, a Polônia tem muitos motivos para estar ansiosa e vivendo uma boa expectativa para enfrentar o Senegal, nesta terça-feira, às 12h. Fora da competição desde 2006, quando caiu ainda na fase de grupos, a equipe chega com um grande peso nas costas, além da responsabilidade de agregar bons resultados na disputa para chegar as oitavas.

Nascido no Brasil e naturalizado polonês, o zagueiro Thiago Cionek deixou claro que seu foco é dar atenção exclusivamente as cores vermelha e branca da bandeira da Polônia, mas afirmou que enxerga a Seleção Canarinho como uma das favoritas ao título.

– Nasci no Brasil, tenho um grande carinho pelo país, mas neste momento só a Polônia que importa. O Brasil é um dos favoritos para ganhar – disse o zagueiro.

Como ainda há dúvida sobre a presença de Glik na disputa, Cionek é uma das principais opções do técnico Adam Nawałka para ocupar a vaga do defensor. Apesar de confirmar uma concorrência interna pela posição, ele garantiu estar pronto para ajudar a seleção polonesa em campo.

– Há muita concorrência, mas todos estão preparados. Tudo pode acontecer. Estou na seleção há quatro anos, estou pronto para jogar e darei o meu melhor. Nós vivemos a atmosfera da Copa do Mundo, tentamos assistir aos jogos. Você tem que estar preparado para cada rival – finalizou.

Também presente na coletiva, o assistente Bogdan Zajac falou sobre a situação de Glik, mas não confirmou o jogador na partida de estreia pelo Grupo H, que tem, além da Polônia, Colômbia, Japão e Senegal.

Fonte: Terra

México surpreende e vence a Alemanha por 1 a 0 na estreia do Grupo F

A Alemanha, atual campeã mundial, estreou na Copa do Mundo de 2018 com uma surpreendente derrota para o México.

Apesar das muitas tentativas da equipe de Joachim Löw, Lozano marcou o único gol da partida.

Logo no primeiro minuto, Lozano recebeu um bom passe na área, mas Boateng se atirou na bola e evitou uma finalização perigosa. A resposta alemã veio na sequência: Kimmich lançou Werner, que bateu cruzado e viu a bola passar o lado da trave direita de Ochoa.

O ritmo frenético do início da partida se manteve por boa parte do primeiro tempo. A Alemanha ficava com a maior posse de bola, enquanto o México acelerava em saídas rápidas no contra-ataque.

A grande chance alemã do primeiro tempo foi desperdiçada por Timo Werner. Aos 19 minutos, após um bom Kimmich, o centroavante dominou, tirou o zagueiro do lance e bateu. Mas a bola saiu sem força, para defesa tranquila de Ochoa.

Empurrados pelos gritos de “olé”, o México empolgava a sua torcida no estádio Luzhnik com saídas alucinantes para o contra-ataque, mas que acabaram desperdiçadas por Chicharito, Lozano e Layun.

Até que aos 34, o México, enfim, acertou. Herrera, um dos melhores em campo, desarmou Müller na entrada da sua área. Hector Moreno lançou rapidamente Chicharito, que tabelou com Vela e avançou. O centroavante esperou a passagem de Lozano e tocou para o companheiro. Desta vez, o atacante tomou a decisão certa: driblou Ozil e bateu no canto direito de Neuer, sem chances de defesa, para abrir o placar.

O gol despertou novamente o ímpeto da Alemanha. A equipe de Joachim Löw partiu para o campo de ataque. Mas a grande chance de empatar parou em Ochoa. Kroos cobrou falta da entrada da área. A bola partiu em direção ao ângulo, mas o goleiro mexicano conseguiu o desvio e o travessão evitou a igualdade no primeiro tempo.

Na volta do intervalo, a Alemanha tentou aumentar a pressão sobre o adversário. A pressão na saída de bola mexicana diminuiu o número de contra-ataques sofridos, mas ainda não resultava em chances claras de gols.

Aos 11, Vela desperdiçou uma oportunidade claríssima de ampliar a vantagem. Os mexicanos partiram com a bola dominada contra apenas um defensor, mas o passe de Chicarito para Vela foi forte demais e a defesa alemã conseguiu afastar o perigo.

Joachim Löw colocou as suas principais opções o setor ofensivo em campo: Reus entrou no lugar de Khedira, Mario Gomez na vaga de Plattendardt e Brandt substituiu Timo Werner. Em uma bicicleta entre os zagueiros mexicanos, Kimmich fez os torcedores se erguerem das cadeiras. Mas a bola passou por cima do gol de Ochoa.

O México seguia perigoso no contra-ataque, mas o domínio alemão crescia a cada minuto. Juan Carlos Osório , ex-técnico do São Paulo, colocou o experiente defensor Rafa Márquez em campo para tentar conter as investidas do rival.

Com uma linha de cinco defensores, e outros quatro jogadores protegendo a entrada da área, o México resistia aos ataques alemães. Chicharito brigava sozinho contra os zagueiros alemães, mas os contra-ataques não ameaçaram o gol de Neuer. Aos 43, após bate e rebate na área, Brandt aproveitou um rebote e chutou com força. A bola bateu na trave e saiu. Para desespero dos alemães e êxtase dos mexicanos.

Fonte: web

Polícia prende jovem com arma e droga no bairro Conquista, em Rio Branco

O jovem foi flagranteado pelo crime de posse ilegal de arma de fogo e também tráfico de drogas.

João Inácio Araújo de Souza, de 22 anos, foi preso na manhã deste domingo (17), por uma guarnição do Quarto Batalhão de Polícia Militar no bairro Conquista. 

Os militares realizavam patrulhamento na região quando avistaram em frente a uma residência, conhecida como ponto de tráfico, um homem em atitude suspeita. Na revista, foi encontrado a arma de fogo tipo garuncha, calibre 22 e uma porção de droga, além de dinheiro. Ele confessou traficar drogas naquela região e também fazer parte de uma facção criminosa, por isso estaria andando armado.

Mediante os crimes ele foi conduzido à Delegacia de Flagrantes (Defla), e apresentados à autoridade policial de Plantão. Ele ainda deve passar por audiência de custódia nesta segunda-feira (17).

3 de Julho Entrevistas 5ª Edição

Veja nesta entrevista o trabalho desenvolvido pelo Movimento de reintegração das Pessoas que contraíram a Hanseníase, e conheça mais sobre esta doença, Curta a nossa página do Facebook 3 de Julho Noticias – A voz da Fronteira e se inscreva no nosso canal do YouTube 3 de Julho Noticias e lembre-se de ativar as notificações clicando no sininho.

Em jogo fraco, Sérvia faz valer força da bola parada para vencer a Costa Rica

Em Samara, na Cosmo Arena, a Sérvia contou com uma cobrança de falta excepcional de Kolarov para vencer a Costa Rica por 1 a 0, pelo grupo E.

O primeiro jogo da Copa do Mundo deste domingo não foi grandioso em qualidade técnica, mas foi um duelo tático interessante de duas seleções que chegam como francos-atiradores na Rússia e um golaço que definiu a partida. 

O primeiro tempo foi equilibrado, mas de momentos bastantes distintos. Depois de um início empolgante, as propostas passaram a ser menos agressivas e o cenário se tornou da Sérvia com posse da bola, mas pouca efetividade, enquanto a Costa Rica apostava nas transições rápidas para tentar surpreender. Se Milinkovic-Savic perdeu a melhor chance do jogo, do outro lado Ureña, Calvo e Giancarlo González levaram perigo, mas ninguém balançou a rede.

Os 45 minutos finais fizeram com que a partida se encaminhasse para outra dinâmica, principalmente pelo gol logo no início. Aos 10, Mitrovic acabou calçado por Guzmán perto da área e na cobrança de falta brilhou a estrela de Kolarov. O lateral bateu com perfeição e Keylor Navas nada pôde fazer. No decorrer da partida, virou um verdadeiro ataque contra a defesa, mas os costa-riquenhos pouco assustaram o goleiro Stojkovic.

Na próxima rodada, a Costa Rica terá a missão de se recuperar contra um adversário que se desenha indigesto. Na próxima sexta-feira, em São Petersburgo, o duelo é contra a Seleção Brasileira. Já a Sérvia tenta garantir mais um triunfo a fim da classificação contra a Suíça, também na sexta, em Kaliningrado.

Um começo empolgante e nada mais

O duelo de costas-riquenhos e sérvios começou de forma até surpreendente, com muita intensidade e dois times muito a fim de propor o jogo para abrir o marcador em Samara. Logo no primeiro minuto, os europeus chegaram com perigo, mas a conclusão do lance teve um cabeceio de Mitrovic que ficou pelo caminho. A resposta sérvia veio pela bola parada, um escanteio, que Gonzáles testou nas mãos de Stojkovic.

A primeira chance mais clara da partida foi da Costa Rica, aos 11 minutos, novamente com Gonzáles. O zagueiro subiu sozinho dentro da pequena área, mas o cabeceio ganhou altura e saiu raspando o travessão. Enquanto isso, a Sérvia já se comprometia a tocar a bola em busca de espaços, que pouco encontrava. As melhores jogadas saíam pelo lado direito, com Ivanovic e Savic, mas sem muita efetividade.

Chances esparsas e jogo de muito toque, mas pouco chute

Os números do jogo dizem muito a respeito da sequência da partida, a partir dos 15 minutos. Com mais de 60% de posse de bola, a Sérvia encontrava dificuldades para infiltrar com passes e um dos melhores do time nesse quesito, Matic, teve primeiro tempo apagado. Uma das alternativas passou a ser a ligação pelo alto e dessa forma, por pouco, Milinkovic-Savic não abriu o placar. Ele recebeu ótima bola de Kolarov, saiu na cara de Navas, que fechou bem o ângulo, contou com o chute fraco e fez a defesa.

Final esperançoso da Costa Rica

Duas chances da Costa Rica na reta final deixaram o jogo mais emocionante a atrativo. Aos 38, Ureña aproveitou a falha na saída de Tosic, recuperou, limpou a marcação e testou de longe, mas para fora. Três minutos depois, foi Calvo quem arriscou e, apesar de passar rente a trave, também saiu pela linha de fundo.

Segundo tempo com a Sérvia melhor e na frente do placar

O segundo tempo começou com a Sérvia fazendo o que pouco fez nos 45 minutos iniciais: finalizando. Aos quatro minutos, Mitrovic perdeu uma chance claríssima de gol. Na tabela com Milinkovic-Savic, o atacante recebeu na cara de Navas, que se agigantou e fez grande defesa para manter a igualdade no placar.

Entretanto, o 0 a 0 não durou muito. Na verdade, mais seis minutos, quando Guzmán derrubou Mitrovic. Na cobrança, da intermediária direita, Kolarov fez uma pintura: colocou a bola no ângulo de Navas, que depois que a bola passou pela barreira pouco pôde fazer.

Costa Rica, na tentativa do gol, povoando o ataque

Atrás no placar, a Costa Rica mudou a postura e tentou povoar o campo ofensivo da Sérvia. A alternativa encontrada, porém, não se refletiu a correta: jogar bola na área. Mais altos, os europeus se sobressaíram, correram poucos riscos e, além disso, chegaram com perigo em alguns contra-ataques. Destaque para a atuação de Milinkovic-Savic, que controlou muito bem e dominou o meio-campo.

Na reta final, já nos acréscimos, uma confusão tomou conta do jogo. A fim de acelerar a partida, um membro da comissão técnica da Costa Rica tentou pegar a bola que havia saído pela lateral, mas teve de conter a empolgação de Matic. Os dois se estranharam, mas tudo foi contornado pelo árbitro de Senegal.

No último lance, apesar do impedimento, Bolaños perdeu uma chance incrível para a Costa Rica na cara do goleiro. Resultado final: 1 a 0 para Sérvia.

Fonte: Terra