O deputado federal Leo de Brito (PT) quer explicações do ministro da Economia, Paulo Guedes acerca da manutenção de empresas offshores, citadas no escândalo Pandora Papers, divulgado na última semana na imprensa. Para isso, o parlamentar acreano apresentou requerimento à Comissão de Fiscalização Financeira e Controle (CFFC), da Câmara dos Deputados.

“Paulo Guedes vai ter que nos explicar isso. Pelo que foi divulgado, ele mantém empresas offshores em paraísos fiscais mesmo após ter entrado para o governo Jair Bolsonaro, segundo a série de reportagens Pandora Papers. De acordo com a reportagem, Guedes não respondeu se fez investimentos após assumir o cargo, algo que desrespeitaria normas do serviço público e da Lei de Conflito de Interesses. Sua empresa segue em funcionamento”, afirma o parlamentar.

Leo de Brito completa: “Enquanto Paulo Guedes ganha milhões com o aumento do dólar, a população brasileira sofre com a fome, aumento da inflação e o desemprego. Isso é um desrespeito com o povo que está sofrendo”.

Além de Guedes, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto também está na lista das autoridades cujo nome aparece na lista de documentos vazados que têm empresas offshores, ou seja, empresas localizadas em regiões insulares e costeiras, localizadas em outros países.

“Paulo Guedes e Campos Neto fazem parte do Conselho Monetário Nacional [CMN], órgão responsável por emitir resoluções sobre temas relacionados a ativos mantidos no exterior. Além disso, os dois têm acesso a informações sensíveis relacionadas a flutuações nas taxas de câmbio e variação nas taxas de juros”, pontua.

As revelações divulgadas até o momento restringem-se a contas operadas nas Ilhas Virgens Britânicas, situadas no Caribe, território conhecido como peça chave no sistema offshore.

Entenda o caso

A série Pandora Papers, está sendo considerada a maior investigação da história do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos. Por meio desse consórcio, jornalistas encontraram offshores ligadas a 133 bilionários, de mais de 40 países, listados no ranking da revista Forbes, segundo informa o portal Poder360.

Ainda de acordo com a reportagem do Poder360, o Brasil é o 2º país em número de pessoas do ranking ligadas a empresas em paraísos fiscais nesta investigação.

E Veja Também no 3 de Julho Notícias

Veja o Vídeo Abaixo: O líder do Movimento Social Pró Ponte, Ralf Luiz, frisou que a obra da ponte de Rodrigues Alves é salutar mas, que o governador Gladson Cameli precisa fazer o ‘dever de casa’ primeiro. “Essa Interligação é importante mas, o debate precisa ser mais bem amadurecida pelos dois países. O governador não fez nem o dever de casa. Rodrigues Alves por exemplo, está precisando de uma ponte há anos. A nossa BR-364 até hoje não foi concluída. Portanto, discutir sobre a Interligação de Cruzeiro do Sul com Pucallpa é uma discrepância sem fim”, Concluiu.

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter 3 de Julho Notícias

Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook 3 de Julho Notíci

Página do Instagram 3 de Julho Noticias

Veja o Vídeo:

Veja-se no  Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe

Veja-se no  Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.

Veja-se na  Página do Instagram 3 de Julho Noticias, seja membro e compartilhe.