A ponte do Madeira que foi construída para atrair mais empresas ao Acre, tem sido porta de saída para centenas de famílias sair do estado e buscar oportunidades em outros estados.

Com 900 mil habitantes e com economia dependente do contracheque, o governo do Acre não atrai investidores para o estado, o que justifica a debandada de jovens e até famílias inteiras que saem em busca de oportunidades fora

Eleito com diversas pautas para alavancar a economia do Acre, gerar oportunidades e expandir o setor produtivo, Gladson Cameli (PP) não se diferenciou de outros governos em praticamente nada no tocante a política econômica do estado. Quem não lembra das promessas no setor da produção? O agronegócio que ainda não disse a que veio e pelo visto nem virá.

Com setor de serviços ainda tentando se recuperar com o estrago causado pela Pandemia, o Acre continua tendo o serviço público e o comércio como puxadores da economia local. Com muita gente se qualificando e pronto para o mercado de trabalho, a fila do desemprego quase não anda e gera incertezas profissionais em milhares de jovens.

Com a globalização ajudando no processo de interligar as informações, pessoas monitoram oportunidades em diversos estado, cadastram seus currículos e ao serem selecionadas deixam o Acre para trás e seguem uma nova trajetória nos centros Brasil a fora.

Nas redes sociais, grupos e páginas de busca de empregos bombam de acreanos e a tendência é aumentar cada vez mais. Os estados do Mato Grosso, Paraíba, São Paulo são alguns dos mais procurados, mas o campeão mesmo na preferência dos acreanos é Santa Catarina.

Com uma das melhores qualidades de vida do Brasil, o estado sulista de 8 milhões de habitantes, recebe mão de obra para fábricas de automóveis, indústria têxtil, supermercados e também oferece inúmeras oportunidades no setor de saúde e educação.

Mesmo com aparente situação de desemprego, os números mostram um aumento na geração de empregos no estado. No último trimestre o Acre teve saldo positivo na geração de emprego, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério da Economia divulgado este mês. O saldo de 806 vagas foi resultado de 3.413 admissões contra 2.606 desligamentos no mês de julho.

E veja Também no 3 de Julho Notícias

Deputado estadual Edvaldo Magalhães trouxe a tona e fez questão de escancarar na tribuna da ALEAC mais uma imoralidade do governo de Gladson Cameli, que desde o início de sua gestão resolveu priorizar empresas de fora e sufocar as pequenas empresas da Construção Civil do Acre. Em posse de documentos, o parlamentar enfatizou que o Governador Gladson quer fazer um registro de preço no valor de R$ 120.000.000,00 (cento e vinte milhões de reais) para obras, sendo que o mais adequado visando fortalecer a economia local, seria fazer licitação para cada obra.

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter 3 de Julho Notícias

Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook 3 de Julho Notíci

Veja o Vídeo:

Inscreva-se no Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe.

Inscreva-se no Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Inscreva-se na Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.