Um raro capacete viking do século X intrigava há anos pesquisadores britânicos. O artefato, que pertence ao acervo do Museu Preston Park, foi descoberto por operários que instalavam canos de esgoto na localidade de Yarm, nos anos 1950. Nada parecido jamais havia sido encontrado no local, o que tornava o objeto ainda mais misterioso. Com informações de Museu Preston Park / Imagens: Museu Preston Park e Universidade de Durham.

Várias dúvidas rondavam o artefato desde sua descoberta. Por isso, um novo estudo, liderado por Chris Caple, da Universidade de Durham, se dedicou a tentar solucionar algumas delas. Em primeiro lugar, os pesquisadores queriam descobrir se o capacete era autêntico. Em caso de resposta afirmativa, como ele sobreviveu por tanto tempo na terra úmida das margens do rio Tees?

Após diversas análises, o estudo confirmou a autenticidade do artefato. Mais do que isso: trata-se do primeiro capacete viking encontrado na Grã-Bretanha. Seu estado de conservação também é algo que torna o objeto ainda mais especial. Além dele, há apenas mais um capacete viking praticamente completo no mundo.

Como algumas esculturas vikings foram localizadas no passado na região de Kirklevington, a cerca de 2,5 km de onde o capacete foi encontrado, os pesquisadores levantaram uma teoria. Eles especulam que líderes vikings moravam onde hoje é Kirklevington e que em Yarm funcionava uma espécie de mercado frequentado por aquele povo nórdico.

Feito de placas de ferro, o capacete está um pouco danificado. Os pesquisadores acreditam que ele pode ter sido atingido por um arado ou pá enquanto ficou enterrado. As análises mostram que o objeto parece ter sido escondido em um poço e que as condições de seu armazenamento impediram que ele se deteriorasse completamente.

Os especialistas também acreditam que o Capacete de Yarm não era uma peça decorativa, tendo sido possivelmente criado para ser usado em combate. 

E veja Também no 3 de Julho Notícias

Veja o Vídeo Abaixo: Será distribuído gratuitamente nas escolas municipais de Bujari o livro infanto-juvenil “Bujari. De Seringal a Município” de autoria dos irmão, Tito Torres e Mário Torres, fruto de uma parceria entre a Fundação Elias Mansour, Governo do Acre e Governo Federal. Visando levar mais conhecimento sobre a origem da cidade aos alunos.

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter 3 de Julho Notícias

Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook 3 de Julho Notíci

Veja o Vídeo: 

Inscreva-se no Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe.

Inscreva-se no Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Inscreva-se na Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.