Assessor de Bolsonaro, Filipe Martins faz gesto supremacista – Foto: Reprodução

Brasil 247 – O gesto racista e neonazista de Filipe Martins, assessor especial de Jair Bolsonaro para política externa, foi condenado pelo Museu do Holocausto. “Estupefatos, tomamos notícia do gesto do assessor especial para assuntos internacionais da Presidência da República durante sessão no Senado Federal. Semelhante ao sinal conhecido como OK, mas com 3 dedos retos em forma de ‘W’, o gesto transformou-se em um símbolo de ódio”, postou a página.

Depois de ser flagrado, Filipe Martins mentiu e disse que estava apenas arrumando a lapela do seu terno. Ele poderia ter sido preso em flagrante por seu gesto, mas agora será investigado por racismo. Confira abaixo reportagem:

Sputnik – O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), abriu pedido de investigação contra o assessor de assuntos internacionais da Presidência, Filipe Martins, após gesto durante sessão parlamentar.

Conforme publicou a colunista Mônica Bergamo no jornal Folha de São Paulo, nesta quarta-feira (24), o presidente do Senado decidiu investigar Martins devido ao gesto ligado a supremacistas brancos dos Estados Unidos, listado como símbolo de ódio no país pela Liga Antidifamação (ADL, na sigla em inglês).

O incidente do gesto ocorreu durante uma sessão do Senado na qual Martins esteve presente acompanhando o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. Ainda segundo a coluna, além da investigação, Pacheco quer a demissão imediata do assessor.

Nas redes sociais, o vídeo da transmissão oficial circulou amplamente, mostrando o momento em que Martins faz o gesto.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) reagiu à situação durante a sessão, da qual participou remotamente. Exaltado, Rodrigues pediu que a Polícia Legislativa retirasse Martins da sessão, afirmando que o que houve é “inadmissível”.

Mais tarde, após a repercussão do fato nas redes sociais, o assessor da Presidência ameaçou processar quem o acusa de ter feito um gesto supremacista, dizendo que apenas “estava ajeitando a lapela do terno”.

Não é a primeira vez que Martins é acusado de extremismo. Em abril de 2019, o assessor do presidente Bolsonaro publicou um poema que também abria o manifesto de Brenton Tarrant, que em março daquele ano realizou um ataque terrorista em uma mesquita na Nova Zelândia matando 50 pessoas.

À época, Martins também negou as acusações, e afirmou que elas não passavam de “ativismo camuflado de jornalismo”. O nome do poema continua ilustrando a conta do assessor de Bolsonaro no Twitter.

E veja também no 3 de Julho Noticias:

Veja o Vídeo Abaixo: Por que os governadores viabilizaram contratos de compra de milhões de doses da vacina contra a Covid-19 e o governo Bolsonaro vive dizendo que a burocracia impede aquisição da mesma? A verdade é que o Governo nunca demostrou interesse em vacinação para o povo Brasileiro.

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter 3 de Julho Notícias

Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook 3 de Julho Notíci

Veja o Vídeo:

Inscreva-se no Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe.

Inscreva-se no Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Inscreva-se na Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.