Eduardo Pazuello alega problemas de saúde e pede para sair do ministério, diz jornal. Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, em entrevista coletiva Into) no Rio de Janeiro – Foto: Reprotução

Brasil 247 – Jair Bolsonaro vai trocar pela quarta vez o comando do Ministério da Saúde, hoje a cargo do general Eduardo Pazuello, que promoveu a intensificação do caos que o país enfrenta no combate ao vírus. 

Internautas e articulistas apontam que o governo de Jair Bolsonaro é obrigado a se movimentar no combate à pandemia temendo a vitória de Lula em 2022. Desde o discurso histórico do petista, realizado na última quarta, Jair Bolsonaro faz a defesa da vacina e agora demite seu ministro.

Fontes do Planalto que participam das tratativas disseram à reportagem do jornal O Globo que o atual ministro comunicou a Bolsonaro estar com problemas de saúde e que, por isso, precisará de mais tempo para se dedicar aos cuidados com o corpo. O pedido de afastamento coincide com o auge da pressão de deputados do Centrão, que pleiteiam mudança no comando da pasta, sob pretexto de má gestão durante a pandemia.

Nesta manhã, a jornalista Andreia Sadi disse que “aliados do presidente Bolsonaro defenderam nos últimos ao presidente e a integrantes do Palácio do Planalto que seja feito um “rearranjo” de ministérios — começando pela troca urgente do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, para que o governo consiga se preparar politicamente à oposição do ex-presidente Lula, que voltou ao tabuleiro eleitoral na semana passada.”.

A reportagem ainda acrescenta que interlocutores de Bolsonaro já entraram em contato com dois cardiologistas cotados para substituir Pazuello: Ludhmilla Abrahão Hajjar e Marcelo Queiroga. O primeiro nome, como divlugou o blog de Andreia Sadi, é o preferido do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e de deputados do Centrão para assumir a vaga. Hajjar é professora associada de Cardiologia da USP. Queiroga preside a Associação Brasileira de Cardiologia.

Nesta manhã, Lira falou publicamente sobre a importancia de Pazuello sair do cargo: A avaliação de Lira é de que Pazuello “perdeu o rumo” e não tem mais a “confiança mínima” da sociedade para exercer seu cargo.

Pazuello deixará o ministério com legado de estoques lotados de cloroquina, medicamento que não possui eficácia alguma no combate ao vírus, e também pela ineficiência na aquisição de vacinas contra a Covid-19. 

Veja a repercussão: 

Veja o Vídeo:

Veja Abaixo Matéria Relacionada:

O povo caiu na real: Com falta de vacinas, aumento da fome, alta do gás e combustíveis, Acreanos não aderem carreata em defesa de Bolsonaro

E veja também no Plantão 3 de julho noticias:

Veja neste vídeo Abaixo onde vamos falar sobre o lockdown que está acontecendo no Acre todos os finais de semana, Coronavírus e outros assuntos interessantes a serem debatidos. Dentre eles, Iremos abordar também a possibilidade de uma lei de incentivo à cultura, para os artistas da noite que até o momento estão desamparados como garçons, músicos e vendedor de banquinha e outros.

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter 3 de Julho Notícias

Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook 3 de Julho Notíci

Veja o Vídeo:

Inscreva-se no Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe.

Inscreva-se no Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Inscreva-se na Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.