Com 40 bairros atingidos por águas de igarapés após enxurrada, Prefeitura declara emergência em Rio Branco — Foto: Asscom/Defesa Civil Municipal

Com cerca de 40 bairros atingidos pelas águas de igarapés que transbordaram após mais de 100 milímetros de chuva em 48 horas, a prefeitura de Rio Branco declarou situação de emergência. O decreto foi publicado na edição desta terça-feira (9) do Diário Oficial do Estado. Do G1 Acre.

Com a rápida subida das águas entre quinta (4) e sexta (5), várias casas, lojas, comércios e outros estabelecimentos foram atingidos. De acordo com o decreto, mais de 13 mil famílias foram afetadas pela enxurrada.

Inicialmente, a Defesa Civil Municipal havia falado em quatro igarapés inundados, mas o decreto cita que foram pelo menos seis que transbordaram. Entre eles, o Igarapé do Almoço, São Francisco, Dias Martins, Batista, o Igarapé da ETA e o Judia.

Famílias desabrigadas

O coordenador da Defesa Civil, major Cláudio Falcão, informou que apesar de ter havido uma pequena vazante no final de semana, o nível dos igarapés voltou a subir nas últimas horas.

Nesta terça-feira (9), 15 famílias atingidas estão abrigadas na Escola Álvaro Rocha e na Igreja Renascer, na região do bairro Conquista. Falcão informou que ainda estão atualizando o número de famílias desalojadas, ou seja, aquelas que foram atingidas pelas águas e precisaram ser levadas para casas de parentes.

A previsão é que ainda nesta terça a quantidade de famílias levadas para abrigos deve aumentar. Por isso, uma outra escola já está sendo preparada para receber essas pessoas.

Bairros atingidos pela enxurrada: Belo Jardim, Boa Esperança, Bosque, Calafate, Casa Nova, Centro, Conjunto Jardim Tropical, Conjunto Manoel Julião, Conjunto Mariana, Conjunto Oscar Passos, Rui Lino, Conjunto Universitário, Conquista, Bairro da Paz, Defesa Civil, Distrito Industrial, Geraldo Fleming, Ivete Vargas, Jardim América, Jardim de Allah, Jardim Primavera, João Paulo, Loteamento Jofre, Loteamento Praia do Amapá, Loteamento, Vila Maria, Mocinha Magalhães, Parque das Palmeiras, Placas, Raimundo Melo, Recanto dos Buritis, Canãa, Santa Inês, São Francisco, Sobral, Tancredo Neves, Waldemar Maciel, Vila Ivonete, Conjunto Procon, Conjunto Solar, Vila Nova.

Válido por 180 dias

O decreto de situação de emergência tem validade por 180 dias. Nesse período, de acordo com o documento, fica autorizada a mobilização de todos os órgãos municipais para atuarem nas ações de resposta ao desastre. Essas ações vão ser coordenadas pela Defesa Civil e Gabinete de Crises.

Também fica autorizada a convocação de voluntários para reforçar as ações e para a realização de campanhas de arrecadação de recursos e doações, com o objetivo de facilitar a assistência à população afetada.

As autoridades administrativas e os agentes de defesa civil, diretamente responsáveis pelas ações, em caso de risco iminente estão liberados a:

Adentrar nos imóveis, para prestar socorro ou para determinar a pronta evacuação; Usar de propriedade particular, no caso de iminente perigo público, assegurada ao proprietário indenização, se houver dano.

O decreto libera ainda o início de processos de desapropriação, por utilidade pública, de propriedades particulares comprovadamente localizadas em áreas de risco.

Por fim, estão dispensadas as licitações de contratos de aquisição de bens e de prestação de serviços e de obras relacionadas com a reabilitação dos cenários dos desastres, desde que possam ser concluídas no prazo máximo de 180 dias.

Emergência por causa da dengue

Além da situação das centenas de famílias atingidas pela enxurrada, a capital acreana enfrente o aumento de casos de dengue. Depois de Rio Branco registrar quase seis vezes mais casos suspeitos de dengue nos primeiros dias do ano comparando com o ano passado, o prefeito Tião Bocalom também decretou situação de emergência no último dia 2.

Conforme o decreto, nas três primeiras semanas epidemiológicas de 2021, que correspondem ao período entre 3 e 21 de janeiro, foram registrados 1.494 casos notificados de dengue. O que representa um aumento de 481% em relação ao mesmo período de 2020, quando foram registrados 257 casos suspeitos.

A capital acreana registra ainda o maior número de casos de Covid-19 do estado. Segundo último boletim da Secretaria Estadual de Saúde, divulgado nessa segunda (8), Rio Branco tem 22.772 casos confirmados da doença e 556 pessoas perderam suas vidas em decorrência da infecção.

E veja também no 3 de Julho Notícias:

Veja o Vídeo: Hospitais do Acre entraram para a lista dos hospitais com 100% de sua capacidade ocupada e sofrem drasticamente devido a grande quantidade de casos graves de pacientes com covid-19. De acordo com informações, 100% dos leitos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital de Campanha de Cruzeiro do Sul, Instituto de Traumatologia do Acre (INTO) e Hospital de urgência e Emergência de Rio Branco (Pronto Socorro) estão todos ocupados.

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter 3 de Julho Notícias

Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook 3 de Julho Notíci

Veja o Vídeo:

E veja também no 3 de Julho Notícias:

Veja o Vídeo: O município de Bujari originou-se no início de 1968/1969, por remanescentes indígenas que se integraram a sociedade ali instalada, com a construção da BR 364, trecho Rio Branco/Sena Madureira. Povoado elevado à categoria de Vila, em 1986. Elevado à categoria de município e distrito com a denominação de Bujari, pela Lei Estadual nº 1031, de 28 de abril de 1992, alterado pela Lei Estadual nº 1066, de 9 de dezembro de 1992, que o desmembrou de Rio Branco, assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

Veja o Vídeo: 

Inscreva-se no Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe.

Inscreva-se no Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Inscreva-se na Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.