Igarapés transbordam em Rio Branco e mais de 30 bairros são atingidos — Foto: Tálita Sabrina/Rede Amazônica

As chuvas continuam a atingir a cidade de Rio Branco e a situação ficou ainda pior na madrugada deste sábado (6) com o transbordamento de pelo menos quatro igarapés que atingiram casas, lojas, comércios e outros estabelecimentos. A Defesa Civil Municipal calcula que mais de 30 bairros estão atingidos pela enxurrada. Do G1 Acre.

Pelas equipes da Defesa Civil foram atendidas mais de 370 famílias atingidas. Dessas, 31 precisaram ser removidas de suas casas e sete delas foram levadas para abrigos nas escolas Álvaro Rocha e Adib Jatene. As demais famílias foram para casas de parentes.

Nas últimas 48 horas choveu mais de 100 milímetros na capital acreana. O esperado para todo o mês de fevereiro é de um acumulado de 292 milímetros. E, segundo o coordenador da Defesa Civil Municipal, major Cláudio Falcão, a previsão é de mais chuvas para as próximas horas.

Entre os igarapés que transbordaram estão o São Francisco, Dias Martins, Batista e o Igarapé Almoço.

“Por grau de gravidade, a gente coloca aqui a região do Bairro da Paz e também no Distrito Industrial. Estamos com 31 famílias removidas, mas esse número deve aumentar porque estamos distribuindo aqui equipes para atender mais famílias. Nas últimas 24 horas tivemos chuvas não muito fortes, porém constantes. Nós estamos tratando aí de enxurradas e transbordamento de igarapés que esperamos que em 48 horas possa retornar à normalidade”, afirmou Falcão.

Morador do bairro Conquista, um dos afetados pela alagação do igarapé São Francisco, Eziel da Silva resolveu ajudar os vizinhos com um barco que tem.

“Eu comprei um barco para pescar e acabei por ajudar a população, as pessoas precisavam tirar as mudanças, então cedi o barco para o pessoal tirar as coisas e as pessoas que estão ilhadas. Tem que se ajudar da forma que a gente pode, os vizinhos se juntam para ajudar uns aos outros”, disse.

O morador Vando Barbosa reclamou da falta de atendimento da Defesa Civil e disse que passou a madrugada toda vendo o nível da água subir em sua casa.

“Estou retirando minhas coisas aqui, até agora a Defesa Civil, nem deputado, nem governador apareceu aqui para dar apoio para nós. Nós perdemos nossas coisas todas aqui na alagação. É a primeira vez que dá uma alagação dessa aqui, passamos a noite toda em claro vendo a água vim acabar com nossas coisas. Eu, meu pai, minha irmã, minha filha. Passamos a noite toda dentro dessa água. Indignação ver nossas coisas se acabar assim de uma hora para outra”, reclamou.

A senhora Ana Maria Alves mora no Bairro da Paz há quatro anos e diz que nunca tinha acontecido nada parecido. Ela conta que perdeu todos os móveis da casa porque não deu tempo de retirar as coisas.

“A gente se acordou de manhã e estava enchendo, mas a gente achava que não ia encher tanto. Fomos levantando as coisas que podia levantar e chegou uma hora que não deu mais e perdemos tudo. Está tudo alagado, fogão está nadando dentro de casa, guarda-roupa caiu e quebrou tudo, cama. Não tinha mais tijolo para a gente colocar debaixo. Acabou tudo.”

Com as chuvas, o nível do Rio Acre, em Rio Branco também subiu nos últimos dias. Na última quinta-feira (4), o manancial marcava 9,87 metros e neste sábado (6), amanheceu com 11,67 metros.

Moradora diz que perdeu tudo após igarapé transbordar e atingir casa em Rio Branco — Foto: Tálita Sabrina/Rede Amazônica

E veja também no 3 de Julho Notícias:

Veja o Vídeo: O prefeito da segunda maior cidade do Acre, Zequinha Lima, se pronunciou sobre o decreto com medidas mais rigorosas. O governador do Estado decretou o fechamento do comércio, igrejas, academias e outros. Segundo o Decreto 5.496, durante a Bandeira Vermelha.

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter 3 de Julho Notícias

Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook 3 de Julho Notíci

Veja o Vídeo:

E veja também no 3 de Julho Notícias:

Veja o Vídeo Abaixo: Um adolescente de apenas 11 anos foi resgatada acorrentado em um barril pela Polícia Militar, os militares foram surpreendidos com uma cena deplorável, tratava-se do garotinho acorrentado sem água e sem comida, apresentando subnutrição e desidratação. A polícia apurou que o garoto era mantido naquela situação há pelo menos 7 anos, quando foi adotado pela família. 

Veja o Vídeo:

Inscreva-se no Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe.

Inscreva-se no Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Inscreva-se na Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.