Após o anúncio da regressão de faixa que deixou o Acre em alerta, devido à lotação de leitos hospitalares e aumento do número de casos por coronavírus, o governo precisou impor medidas mais rígidas para conter a propagação da doença e evitar que a estrutura da saúde pública entre em colapso, passando pelos mesmos problemas vivenciados pelo Estado do Amazonas.

A fim de esclarecer as novas medidas, o governador Gladson Cameli dedicou esta quarta-feira, 3, para o atendimento dos veículos de imprensa, agradecendo pela contribuição na propagação da informação e por ter lhe cedido a oportunidade de divulgar as razões de suas ações, voltadas única e exclusivamente para a preservação da vida.

Durante as quatro entrevistas em distintos veículos de comunicação, três assuntos foram abordados: ocupação de leitos, estruturação da saúde pública e medidas de regulação das atividades comerciais.

Sobre Leitos

Segundo o secretário de Estado de Saúde, Alysson Bestene, o Acre dispõe atualmente de 70 leitos de unidade de terapia intensiva (UTI), estando apenas cinco desocupados. Quanto aos leitos clínicos, são 200, e no Instituto de Traumatologia e Ortopedia do Acre (Into), local onde estão sendo atendidos os pacientes com coronavírus, 80 já estão ocupados. Para o governador Gladson Cameli, o estado vivencia “um momento crítico e a necessidade prioritária é de salvar vidas”.

“Quero deixar claro que não estou de acordo com restringir as pessoas, fazendo com que deixem de trabalhar. Até porque, para o Estado, que arrecada imposto e precisa de uma economia estabilizada, isso é extremamente necessário, mas, diante de tal problema, em que temos que decidir entre a vida das pessoas e a continuidade da economia, só temos o caminho mais sensato: salvar vidas. Precisamos ter essa consciência de que, se cumprirmos as regras, podemos voltar à normalidade mais rápido, mas, se continuarmos como estamos, chegaremos ao colapso, assim como Manaus, e não quero que isso aconteça aqui”, disse o governador.

Sobre a estruturação das unidades de saúde do Acre

Com a chegada do período de chuvas, além da procura para tratamento de pessoas infectadas pelo coronavírus, as unidades de saúde também têm tido alta demanda com pessoas acometidas pela dengue.

Ainda, há o aumento do número de acidentes que causam trauma e a consequente internação dessas vítimas. Todos esses fatores têm colaborado para a superlotação de leitos, o que gerou preocupação e a necessidade de regular a saída das pessoas à rua.

Uma forma de prevenir o colapso da saúde é aumentar a capacidade de atendimento dos hospitais, criando leitos clínicos e de UTI, não só na capital, mas em municípios do interior.

“Estamos trabalhando com a ampliação do número de leitos no Hospital do Idoso, em Rio Branco, que tem capacidade para 30 leitos, sendo dez destinados a UTI; e também no Pronto-Socorro, com a extensão de 40 leitos clínicos, com previsão para começar a funcionar neste fim de semana. No Into ampliamos em mais dez o número de leitos de UTI, e no Hospital do Juruá também, mais dez leitos para atendimento”, explicou Alysson Bestene.

Sobre as medidas de enfrentamento à doença

O secretário de Estado de Segurança, Paulo Cézar dos Santos, explicou que não está sendo imposto lockdown à população. Santos esclarece que o que está sendo realizado é a regulação das atividades comerciais. A partir da data de publicação do decreto, a fiscalização foi iniciada com o apoio dos órgãos municipais e federais, com o mesmo plano de contingência realizado no primeiro pico da doença, ocorrido em março de 2020.

“Faz-se necessário esclarecer que o que está sendo feito é a fiscalização, para evitar a aglomeração de pessoas e a proliferação da doença pelos próximos 15 dias. Serão três grupos para fiscalizar, aqueles que podem permanecer abertos, os que funcionarão mediante agendamento e os atendimentos em forma de delivery [em domicílio]. Entraremos com mais rigor a partir desta quinta e as prefeituras, por meio da Vigilância Sanitária, irão ajudar na fiscalização”, esclareceu Paulo Cézar.

Novo lote de vacina

Um outro tema abordado durante as entrevistas desta quarta-feira, foi a continuidade do processo de imunização contra o coronavírus, com a chegada de mais um lote de vacinas. A previsão é de que já nesta quinta-feira, 4, cheguem mais 20 mil doses da Coronavac. Em um sinal de apelo, o governador pediu à população paciência e colaboração, pois o momento é crítico e necessita de cuidados redobrados.

“Quero fazer um alerta à população. Estamos vivenciando as consequências dessa doença há quase um ano e, além dela, estamos vivenciando outro problema, que é a dengue. Ainda, com o aumento das chuvas, também existe a situação de enchentes. É momento de darmos as mãos e não de entrarmos em debates ou movimentos políticos. Convoco a todos que nos ajudem a vencer mais esta etapa; não é brincadeira, precisamos levar isto mais a sério e pensar no que há de mais importante, nossas famílias, nossas vidas. Que Deus proteja a todos”, conclamou.

E veja também no 3 de Julho Notícias:

Veja o Vídeo: O prefeito da segunda maior cidade do Acre, Zequinha Lima, se pronunciou sobre o decreto com medidas mais rigorosas. O governador do Estado decretou o fechamento do comércio, igrejas, academias e outros. Segundo o Decreto 5.496, durante a Bandeira Vermelha estarão autorizados a funcionar estabelecimentos como supermercados, mercantis e congêneres; farmácias; clínicas médicas, psicológicas, odontológicas e veterinárias; espaços de fisioterapia; laboratórios; óticas; oficinas mecânicas no geral; bancos; hotéis; funerárias; postos de combustíveis; lojas de materiais de construção; indústria em geral com atendimento ao público mediante agendamento; além empresas de alimentos, medicamentos, águas, gás, produtos de limpeza, higiene e de EPIs.

Acompanhe nossas Redes Sociais

Twitter 3 de Julho Notícias

Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook 3 de Julho Notíci

Veja o Vídeo:

E veja também no 3 de Julho Notícias:

Veja o Vídeo Abaixo: Um adolescente de apenas 11 anos foi resgatada acorrentado em um barril pela Polícia Militar, os militares foram surpreendidos com uma cena deplorável, tratava-se do garotinho acorrentado sem água e sem comida, apresentando subnutrição e desidratação. A polícia apurou que o garoto era mantido naquela situação há pelo menos 7 anos, quando foi adotado pela família. 

Veja o Vídeo:

Inscreva-se no Twitter 3 de Julho Notícias, seja membro e compartilhe.

Inscreva-se no Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos, seja membro e compartilhe.

Inscreva-se na Página Facebook 3 de Julho Notíci, seja membro e compartilhe.