Policiais Federais prenderam homem, que estava no Uruguai, quando ele tentava ingressar no Brasil — Foto: Polícia Federal

A Polícia Federal publicou, nesta sexta-feira (15), o edital para o concurso da corporação. Ao todo, são 1.500 vagas e expectativa de convocação de mais 500 excedentes. As provas estão marcadas para ocorrer em 21 de março, em todas as capitais.

O período de inscrições começa em 22 de janeiro e vai até o dia 9 de fevereiro, com taxas entre R$ 150 e R$ 250, a depender do cargo escolhido. Os salários iniciais variam de R$ 12 mil a R$ 23 mil.

As vagas são para:

123 vagas de delegado

400 vagas de escrivão

84 vagas de papiloscopista

893 vagas de agente

Além das provas objetivas e discursivas, a seleção conta com:

Exame de aptidão física

Avaliação médica e psicológica

Prova oral e prova de digitação para os cargos de delegado e escrivão, respectivamente

Avaliação de título

Investigação social

Os candidatos que passarem por todas as etapas serão convocados para o curso de formação, realizado no período de 10 semanas na Academia Nacional de Polícia, em Brasília.

Segundo o edital, os aprovados na seleção vão ingressar na academia ainda em agosto de 2021. O provimento de cargos deve ocorrer até 31 de dezembro. A estimativa é que no fim do processo, a PF conte com “o maior efetivo de sua história”, podendo ultrapassar a marca de 12 mil policiais.

Cotas raciais

Uma mudança no novo edital é a possibilidade de o candidato, que optar pela concorrência por meio de cotas raciais, ser aprovado na prova objetiva e discursiva, mas desclassificado na banca, por não atender ao requisito racial.

Nesse caso, o estudante poderá migrar para as vagas de ampla concorrência.

Antes, se o candidato não fosse considerado negro, ele era eliminado do concurso, independentemente da nota alcançada na prova.

E Veja Também no Plantão 3 de Julho Notícias:

Veja o Vídeo Abaixo: Nas últimas 12 horas, o estado do Amazonas tem enfrentado momentos de grande terror, considerado por muitos como “dia semelhante ao fim do mundo”, isso porque o desespero foi tão grande que tomou conta tanto dos profissionais da saúde como também dos familiares de pacientes acometidos pela covid-19. Diante do grande número de casos considerados graves da doença ao mesmo tempo, o sistema de saúde do estado colapsou, resultando na falta de oxigênio nos hospitais de Manaus e consequentemente no óbito de muitos pacientes por asfixia. 

Acompanhe nossas redes Sociais

Twitter 3 de Julho Notícias

Instagram 3 de Julho Notícias

Youtube 3 de Julho Notícias Vídeos

Página Facebook 3 de Julho Notíci

Veja o Vídeo:

Do G1 DF