O preso monitorado Jucelino Cordeiro da Silva, de 42 anos, foi assassinado na madrugada dessa quinta-feira (31), no bairro Genário Gomes, em Manoel Urbano, no interior do Acre.

Silva usava tornozeleira eletrônica e respondia por homicídio, segundo informações da Polícia Militar do Acre (PM-AC). Populares informaram à equipe policial que após ouvirem vários disparos de arma de fogo, viram ao menos seis pessoas saírem correndo da casa da vítima.

A casa do preso foi arrombada pelo grupo criminoso. Ele foi morto com vários golpes de faca e tiros. Quando a PM chegou no local, ele já estava sem vida. Foi feito o isolamento da área para o trabalho da perícia técnica e o corpo da vítima foi levado para o necrotério da cidade.

Os populares também disseram à polícia que a vítima era de uma facção criminosa e que tinha relatado dias antes do crime que estava sendo ameaçada. Além disso, a informação é que a casa de Silva funcionava como uma boca de fumo.

A suspeita, ainda de acordo com a PM, é que o assassinato tenha ligação com conflito entre organizações criminosas. A Polícia Civil confirmou que o crime se trata de guerra de facções e informou que o inquérito está em andamento e que testemunhas vão ser ouvidas.

Os policiais ainda fizeram buscas pela região, mas ninguém foi preso. Na casa da vítima, a polícia encontrou três cápsulas de calibre 22 e um saco com várias garrafas cheias de gasolina, que possivelmente seriam usadas para incendiar a casa. O material encontrado foi entregue na delegacia da cidade.

Por Iryá Rodrigues, G1 Acre