Três crianças morreram carbonizadas após serem deixadas trancadas em casa por mãe que foi para bar — Foto: Eldérico Silva

A Polícia Civil concluiu o inquérito sobre o caso dos três irmãos que morreram carbonizados no último dia 19 no bairro Portal da Amazônia. O caso foi remetido à Justiça com o indiciamento da mãe das crianças, Jociane Evangelista Monteiro, por abandono de incapaz, qualificado pela morte da vítima e pena aumentada porque foi cometido pela mãe contra os filhos.

A informação foi confirmada pelo delegado responsável pelo caso, Yvens Moreira. Ele disse que ainda aguarda o laudo do Corpo de Bombeiros do Acre para saber como iniciou o incêndio dentro da casa.

Jociane já tinha sido denunciada no Conselho Tutelar por negligência e maus-tratos. A informação foi confirmada pelo conselheiro tutelar Celso Inácio, em entrevista ao Bom Dia Amazônia Acre, dois dias após a morte das crianças.

A tragédia ocorreu depois que a mãe das vítimas deixou as crianças trancadas em casa sozinhas para ir a um bar. Vizinhos ainda tentaram socorrer as crianças ao ouvir os gritos, mas não foi possível retirar os três irmãos.

A mulher chegou a ser presa e levada para a Delegacia de Flagrantes (Defla), na capital, mas foi liberada após audiência de custódia e deve cumprir medidas cautelares.

“Ela está sendo acompanhada pelo Conselho Tutelar porque já havia a denúncia contra ela por abandono. Então, o Conselho também faz esse acompanhamento com ela e pode recomendar que faça tratamento psicológico”, destacou o delegado.

Moreira contou que ouviu cerca de dez pessoas sobre o caso, entre familiares, vizinhos e testemunhas. “A perícia não saiu, estamos aguardando o resultado. Estamos aguardando o prazo para o Ministério Público oferecer denúncia contra ela. Conclui essa semana o inquérito”, resumiu.

Em vídeo que viralizou, mãe aparece aos prantos em frente à casa onde filhos morreram carbonizados — Foto: Reprodução

Denúncia do Conselho Tutelar

Conforme o Conselho Tutelar, no mês de setembro, foi recebida uma denúncia anônima contra a mulher. O próprio conselheiro chegou a ir ao endereço da família por três vezes e somente na terceira foi que encontrou a mulher em casa.

Naquele momento, ela foi advertida, segundo o conselheiro, tanto verbalmente como por escrito sobre os deveres de uma mãe. Durante a entrevista, a mulher informou ao conselho que cuidava sozinha dos filhos e que eles não tinham pai.

“Nós havíamos recebido denúncia anônima da população, fomos até o local por três vezes e na terceira vez conseguimos encontrá-la em casa. Conversamos com a genitora, pedimos para ver as crianças e demos todas as orientações. Aplicamos ainda uma advertência nela por escrito para ela ficar ciente dos deveres de mãe para com seus filhos. Ela disse que era mãe solo, cuidava das crianças sozinha, que não tinham pai. Falamos que se ela precisasse da nossa ajuda, nós estaríamos com os braços abertos para ajudá-la”, afirmou o conselheiro.

Por Aline Nascimento, G1 Acre