É o caso da dona de casa Roseneide Barbosa, de 40 anos. Com a alta do preço da botija, cerca de R$ 100, a mulher optou por cozinhar em fogão a lenha duas das principais refeições do dia: almoço e jantar. Apenas o café e a comida das crianças da casa são cozidas no fogão a gás.

“Não está fácil. Estamos cozinhando na lenha direto, porque não tem como pagar gás todo mês. Por isso, usamos lenha para tentar usar o gás para fazer o café e a comida das crianças”, declarou Roseneide. Segundo ela, essa alternativa possibilita que uma botija seja usada por mais tempo – cerca de dois meses.

A dona de casa sustenta a família com apenas um salário mínimo. “Desde pequena eu utilizo fogão a lenha. É uma economia que vale a pena”.

Juruá em Tempo