Gladson viajou recentemente para São Paulo, onde firmou prioridade de compra da vacina Coronavac, que estar em desenvolvimento no Instituto Butantã e que é pivô de uma guerra política entre o governador de São Paulo, João Dória (PSDB) e o presidente da república Jair Bolsonaro (sem partido).

Gladson afirmou que não planejou um ano de 2020 com tantos desafios, mas que ao chegar dezembro, faz balanço positivo na sua condução no governo.

“Eu não planejei trabalhar na pandemia, mais ela nos impôs desafios gigantescos que foram desde a construção de hospitais, contratação de mais profissionais de saúde e garantir as contas do estado em dia. Eu quero que 2021 venha com esperanças, que possamos ver perspectivas de futuro para nosso povo”, disse Gladson.

Falando sobre o governo, Gladson afirmou que fará uma reforma administrativa, par diminuir a máquina e que continuará focado em desempenhar ações que possam superar a crise do COVID-19.

“Eu estou orando todo dia para que a vacina seja aprovada pela anvisa, pois essa é a maior necessidade do nosso povo. Nós precisamos retomar a vida e isso só será possível se estivermos imunizados. Irei comprar 1 milhão de dozes, para garantir a proteção de nossa gente”, afirmou.

Quanto a polêmica envolvendo a vacina chinesa Coronavac, Gladson disse que se uma vacina estiver regulamentada pelos órgãos de controle sanitário, esta estará apta a ser aplicada.

“Eu quero distância de politicagem, quero é que a vacina seja logo regulamentada pela ANVISA e que possamos trazer para o Acre. Eu quero comprar um milhão de dozes e serei o primeiro a tomar, finalizou Gladson Cameli.