O policial penal Alessandro Rosas Lopes foi conduzido pela Polícia Militar para a Delegacia de Flagrantes (Defla) suspeito de ter matado um picolezeiro no Conjunto Esperança, em Rio Branco. Gilcimar Silva Honorato, de 38 anos, foi atingido com dois disparos de arma de fogo e morreu no pronto-socorro durante atendimento.

Uma nota, assinada pelo presidente da Associação dos Servidores do Sistema Penitenciário do Acre (Asspen), Eden Azevedo, esclareceu que o policial penal agiu em legítima defesa, após ter sido atingido pela vítima com um golpe de faca no ombro.

O Instituto de Administração Penitenciária do Acre (Iapen-AC) disse que apura as informações e deve se posicionar ainda neste sábado sobre o caso.

A PM-AC informou que o policial, que estava à paisana, parou em um bar do conjunto para comprar bebida, quando um homem pediu para ele comprar cachaça. Lopes se recusou e iniciou uma discussão entre os dois. Honorato teria entrado na discussão e os dois iniciaram uma luta corporal.

O servidor público teria saído para a rua e foi perseguido pelo picolezeiro. O policial afirmou que percebeu que a vítima estava com uma faca, pegou o revólver no carro e atirou no picolezeiro. Ele ainda teria sido ferido no ombro.

Após os disparos, Lopes saiu do local em seu carro, mas a população anotou a placa do veículo e repassou para a PM-AC.

O picolezeiro ainda chegou a ser socorrido por uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), levado ao pronto-socorro, mas morreu após ter uma parada cardiorespiratória.

Uma equipe foi até a casa do policial e o conduziu para a Defla para prestar esclarecimento dos fatos. Ele ainda foi levado a uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) para receber atendimento médico.

O delegado plantonista da Defla, mas foi informado que o caso ainda não foi entregue para a Polícia Civil e ainda está com a Polícia Militar.

Confira a nota da Asspen na íntegra

A Associação dos Servidores do Sistema Penitenciário do Acre (Asspen) vem a público, com base nos depoimentos prestados, esclarecer que o policial penal Alessandro Rosas, na manhã deste sábado (12), se envolveu em uma discussão em um bar da capital, que culminou com a morte do Sr. Gilcimar Silva Honorato.

É importante salientar, que o policial penal só sacou a sua arma após ser ferido por um golpe de faca, desferido pelo Sr. Gilcimar, na direção de seu pescoço, ferindo o ombro do agente de segurança pública.

Ao que tudo indica e, de acordo com os relatos, o policial penal agiu em legítima defesa, quando da investida do Sr. Gilcimar contra a sua vida, em posse de uma arma branca. A Asspen está acompanhando o caso de perto e acredita no honroso trabalho da Polícia Civil do Acre, que certamente elucidará as circunstâncias da ocorrência.

Por Aline Nascimento, G1 Acre