Enquanto o Brasil ocupa a segunda posição em mortes e casos de Covid-19, Bolsonaro adota discurso negacionista a questão da vacina, criando ambiente político e ideológico para municiar apoiadores fiéis na guerra contra adversário políticos.

O que os governadores estão fazendo é de se elogiar, pois tomaram a iniciativa diante da negligência do governo federal. O governador de São Paulo João Dória (PSDB), virou alvo do clã Bolsonarista e passa a ser usado como elemento crucial na criminalização das vacinas. O gabinete do ódio institucional vem produzindo peças fakes, para jogar a população brasileira contra uma possível vacina que poderá devolver a rotina ao nosso país.

O governador do Acre, Gladson Cameli, esteve reunido com o governador de São Paulo, João Doria, no Palácio dos Bandeirantes, na capital paulista, para oficializar que o Acre se juntará a mais 9 Estados que formalizaram o protocolo de intenções para adquirir a Coronavac, do Instituto Butantan, para combate a Covid-19. A solicitação do chefe do executivo acreano foi formalizada com a presença do secretário de saúde do Estado, Alysson Bestene, e o presidente do Instituto responsável pela Vacina, Dimas Covas, na noite desta quarta-feira, 9.

O Brasil só fica atrás dos Estados Unidos no número de infectados, somando quase 7 milhões de Casos sendo que quase 200 mil desse número já perderam a vida para o vírus.

Chega a ser criminoso o comportamento do governo Brasileiro diante de um cenário tão desolador, tudo aso olhos da corte jurídica que assiste inerte ao festival de irresponsabilidade de Jair Bolsonaro e do general Pazuello, que de saúde nada entende.

Quem tem o mínimo de compreensão e discernimento, pode perfeitamente saber que uma vacina não se aplica se as fases de estes ou regulamentação dos órgãos sanitários, mas Bolsonaro fez seus apoiadores; os mais alienados acreditar que sim.

Os governadores se articulam para adquirir lotes das vacinas, pois sequer temos um plano de imunização nacional para tal e para piorar estamos no rabo da fila de preferência de compras nos laboratórios de produção de vacinas.

O governo é tão irresponsável, que não temos nem seringas suficientes para uma eventual campanha de vacinação em massa, um retrato vergonhoso de como a questão estar sendo tratada.

Conheça as seis vacinas que se adiantaram nos estudos e que estão em disputa pelso países do mundo inteiro.

Sinovac

A vacina da empresa chinesa Sinovac, a CoronaVac, usa cópias inativadas (mortas) do coronavírus para levar o nosso sistema imune a produzir anticorpos capazes de neutralizar o coronavírus.

Moderna

A empresa americana Moderna desenvolve uma vacina que usa uma técnica inovadora, conhecida como RNA mensageiro.

BioNtech | Pfizer | Fosun

No final de julho, a coalizão de empresas por trás dessa vacina anunciou o início dos testes combinados de fase dois e três. Ela também usa a técnica de RNA mensageiro para obter uma resposta imune.

CanSino

A empresa chinesa CanSino dará início em breve aos testes da fase três na Arábia Saudita, segundo o ministério da Saúde deste país. A companhia também negocia com outros governos.

Sinopharm

A farmacêutica estatal chinesa criou duas versões de uma vacina que usa cópias inativadas do coronavírus.

Oxford | AstraZeneca

Em teste no Brasil, esta vacina usa uma versão mais branda de um vírus que causa uma gripe comum em chimpanzés, chamado CHAdOx1.