Assessoria – O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, juntamente com os 27 governadores dos estados e Distrito Federal, estiveram reunidos nesta terça-feira, 8, para tratar sobre o Programa Nacional de Imunização contra a Covid-19. 

Segundo Pazuello, o mundo vive um momento atípico. O ministro lembrou que, tradicionalmente, vacinas levam, no mínimo, três anos para serem desenvolvidas. Porém, com a situação de pandemia, o procedimento foi encurtado para menos de um ano. Diante do atual cenário, o governo federal precisou tomar decisões mais aceleradas e desafiadoras, sempre atentando ao conhecimento científico e à segurança da população.

Aos gestores estaduais, o ministro informou que o primeiro lote da vacina desenvolvida a partir da parceria da Universidade de Oxford com o laboratório AstraZeneca, ambos sediados no Reino Unido, chega ao país em janeiro. Ao todo, a União adquiriu cem milhões de doses, que serão produzidas durante o próximo ano.

“As primeiras 15 milhões de doses chegam em janeiro, mais 15 milhões em fevereiro e até junho, completaremos as cem milhões de doses. A partir do segundo semestre, mais 160 milhões serão produzidas pela Fiocruz, por meio de transferência de tecnologia”, explicou.

Pazuello esclareceu que as vacinas só serão aplicadas após autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), análise que poderá levar, em média, dois meses. De acordo com o ministro, os laboratórios mais avançados estão prestes a concluir a terceira e última fase de testes ainda em dezembro.

Cada brasileiro receberá duas doses imunizantes. Por isso, são necessárias cerca de 420 milhões de vacinas. Devido à alta demanda, o ministro disse que o governo federal negociará com todos os laboratórios que obtiverem a certificação da Anvisa para que a população seja imunizada o quanto antes.

Em relação à vacina da Pfizer/BioNTech, a primeira do mundo a ser aprovada contra Covid-19, Eduardo Pazuello informou que cerca de 70 milhões de doses já foram negociadas pelo governo brasileiro. No primeiro semestre de 2021, 8,5 milhões de doses chegarão ao país.

“Somente a união de todos garantirá que mais vidas sejam salvas”, pontuou Gladson

Em sua fala, o governador Gladson Cameli aproveitou o momento para pedir a união de todos os gestores em torno do alcance igualitário da vacina para a população brasileira.

Para Cameli, o coronavírus só será superado quando as pessoas forem colocadas em primeiro lugar. O governador acreano pediu que disputas políticas e ideológicas não interfiram no processo, e enfatizou que salvar vidas deve ser prioridade máxima.

“Todos estão muito ansiosos por essa vacina e isso é compreensível. Precisamos estar ainda mais unidos e falando uma só língua. Precisamos que os governadores, prefeitos e governo federal trabalhem em conjunto para que a população de nenhum estado se sinta prejudicada. Gostaria também de parabenizar a Anvisa e o Ministério da Saúde pela dedicação e compromisso com o país”, ressaltou Cameli.

Presente ao encontro, o secretário de Saúde Alysson Bestene observou que o governo do Acre já se prepara para imunizar a população assim que as primeiras doses da vacina chegarem ao estado. “Essa foi uma determinação do governador. Será uma das maiores campanhas de vacinação da história e, apesar do desafio, estamos nos preparando para prestar um excelente serviço para a nossa população”, argumentou.