Brasil 247 – A primeira vereadora negra eleita em Curitiba, Carol Dartora (PT), afirmou ter recebido um e-mail com ameaças de morte. A mensagem é assinada por Ricardo Wagner Arouxa, que diz ser do Rio de Janeiro.

“Acabo de receber ameaças de morte. As autoridades já foram contatadas e todas as providências estão sendo tomadas para que seja garantida minha segurança e da minha equipe. Eles combinaram de nos matar, combinamos de ocupar tudo”, escreveu Dartora no Twitter.

Na mensagem, o autor disse não aceitar a eleição dela. Também a chama de “aberração” e “macaca fedorenta”.

“Eu juro que vou comprar uma pistola 9 mm no Morro do Engenho aqui no Rio de Janeiro e uma passagem só de ida pra Curitiba e vou te matar”, acrescentou. 

Da série “não existe racismo em Curitiba” e a dois dias de completar 1000 dias da morte de Marielle, os ataques por ocuparmos espaços que deveriam ser nossos se intensificam. 

Desde o dia 15 de novembro, quando me tornei a primeira vereadora negra da cidade de Curitiba e também a terceira mais votada no pleito deste ano, com 8874 votos, venho recebendo ataques baseados em intolerância e indignação por parte daqueles que nos desumanizam e roubam nosso direito de ter voz e disputar os espaços de poder.

De todos os ataques o que mais me assustou foi o que recebi ontem (conforme cópia do e-mail recebido em anexo), da mesma autoria dos proferidos à Vereadora mais votada de Belo Horizonte, Duda Salabert, o que me faz crer que este ódio por negros e negras, LGBTI+ e mulheres, que em 2020 mexeram com as estruturas da sociedade disputando o poder, são coordenados.

Querem nos silenciar antes mesmo de tomarmos posse. Querem diminuir nossa grito por liberdade e justiça. Porém sigo ainda mais resoluta a lutar por um mundo onde todos e todas tenham direito e acesso a igualdade e dignidade.

Mas para que isso seja possível, é inadmissível que falas como a do Prefeito Rafael Greca, pronunciadas ontem em entrevista a Globo News sejam aceitas. Negar o racismo que permeia toda nossa sociedade chancela atitudes como essas, normaliza a violência e invisibiliza nossa luta. Não queremos mais casos como o da Marielle. Não queremos mártires. Queremos fazer política e lutar por um presente e futuro melhores.

No mais, já entramos em contato com as autoridades competentes. O Delegado Pedro Felipe do 1° Distrito Policial de Curitiba em parceria com o NUCIBER (Núcleo de Combate aos Cibercrimes) estão acompanhando o caso. Torcemos para a solução rápida do crime e que os criminosos sejam devidamente encontrados e julgados segundo o devido processo legal. 

Combinaram de nos matar, mas nós combinamos de ocupar todos os espaços, inclusive a Câmara Municipal de Curitiba! Sigo com determinação para fazer o que me foi designado enquanto representante do povo. Não vão nos calar. Estarei lutando firme e forte ao lado da população curitibana que depositou em nosso mandato toda a esperança de uma cidade mais igualitária, sem ódio e violência.

Racistas e fascistas não passarão!

Carol Dartora

06 de dezembro de 2020.