Um homem foi preso neste sábado (5) suspeito de ser um dos donos dos 415 quilos de maconha apreendidos no rio Juruá, nas proximidades de Rodrigues Alves, em setembro deste ano.

A prisão se deu durante o cumprimento de dois mandados de busca e apreensão na casa do suspeito, depois de investigação feita pelas polícias Federal e Civil.

A apreensão ocorreu no último dia 24 de setembro em uma ação das polícias Federal, Civil e Militar, além do Grupo Especial de Fronteira (Gefron). Os criminosos usavam duas embarcações para transportar o carregamento.

Na época, duas pessoas foram presas em flagrante pelo crime de tráfico de drogas e os policiais continuaram com o trabalho investigativo para tentar chegar a mais envolvidos.

O preso foi levado para a Delegacia de Polícia Federal neste sábado para os devidos procedimentos e, em seguida, deve ser encaminhado para a Unidade Prisional Manoel Nery, onde vai ficar à disposição da Justiça.

Apreensão

Na primeira abordagem feita pela polícia em setembro, os agentes encontraram uma pequena quantidade de droga em uma canoa de pequeno porte e prenderam o condutor.

Uma hora mais tarde, abordaram o segundo barco, de médio porte, onde estavam mais dois suspeitos e a maior parte da droga. Um deles pulou na água e conseguiu fugir entrando na mata bruta. O segundo foi preso.

Os dois suspeitos presos em flagrante confirmaram que faziam parte de uma facção criminosa e ainda entregaram o nome de quem receberia a droga.

No mesmo dia da apreensão, os 415 kg de maconha foram incinerados pela Polícia Federal em Cruzeiro do Sul.

A droga foi incinerada na cerâmica Asa Branca, contando com a presença do Chefe da Delegacia de Polícia Federal de Cruzeiro do Sul e policiais federais responsáveis pelo ato, bem como representante do Ministério Público.

Por Iryá Rodrigues, G1 Acre