O vice-governador Major Rocha (PSL) citou o caso das cestas básicas adquiridas pela Secretaria Estado de Assistência Social, dos Direitos Humanos e de Políticas Para as Mulheres (SEASDHM). Foram compradas 365 unidades por R$ 135,90 cada uma. Rocha defendeu uma investigação para apurar se há irregularidade na aquisição dos produtos.

O caso foi relatado pelo Notícias da Hora, mais cedo, que comparou o preço adquirido pelo governo e o preço da cesta básica em dois supermercados de Rio Branco. A diferença entre o valor unitário fornecido ao Estado e o adquirido nas redes de supermercados de Rio Branco foi de R$ 52,43 a mais. Os preços praticados nos dois estabelecimentos foram de R$ 83,47 e R$ 79,99.

Rocha disse que “em todo caso, entendo que tal situação merece ser investigada. Quando encontramos tais indícios em compras relativamente pequenas, como cestas básicas, e essa não é a primeira vez, devemos redobrar a atenção com os grandes contratos governamentais” e acrescenta: “caso esses indícios sejam comprovados, resta a nossa indignação de saber que até mesmo o sofrimento de pessoas carentes é utilizado para alguém ganhar dinheiro”.

Veja a postagem do vice-governador na íntegra

Semana passada acompanhei pela mídia um rol de denúncias envolvendo o DEPASA. Essas denúncias se somam a outras que estão sendo investigadas e que a sociedade ainda espera uma explicação. Computadores, livros, merenda escolar, cestas básicas entre outras situações que não podem ser esquecidas e que devemos cobrar as devidas explicações das autoridades encarregadas de elucidar tais casos. De outro lado, além de cobrar a devida transparência na aplicação dos recursos públicos, devemos estar vigilantes para identificar possíveis sinais de irregularidades.

Esses dias, zapeando rapidamente o Diário Oficial (Print do DOE), me deparei com a aquisição de 365 cestas básicas para a Secretaria de Estado de Assistência Social, dos Direitos Humanos e de Políticas para as Mulheres – SEASDHM. O fato que me chamou atenção nessa contratação foi o valor individual de cada cesta básica que deverá custar aos acreanos o valor de R$ 135,90. Você pode encontrar cestas básicas nos mercados locais com preços variando entre 80 e 100 reais. Ainda assim é necessário cuidado antes de colocar sob suspeição uma compra destinada a atender pessoas carentes. Diante disso, procurei um supermercado da nossa Capital (MINEIRÃO) onde constatei uma discrepância entre os preços praticados pelo referido estabelecimento (Tabela e fotos) e os valores pagos pelo Estado. É verdade que ainda é cedo para afirmar que se trata de corrupção, mas também é correto dizer que há uma diferença considerável nos preços para maior, principalmente levando-se em conta que ao adquirir grandes quantidades deveríamos ter valores bem menores.

Essa diferença poderia ser maior se fossemos buscar um levantamento em vários outros fornecedores, em razão das diferenças de preços entre os diversos estabelecimentos comerciais. Também é interessante frisar que, por conta da falta de transparência, pelo menos naquilo que é publicado no Diário Oficial, não é possível individualizar os preços dos itens que compõe as cestas básicas adquiridas, estando os mesmos ocultos no valor total. Tal situação, além de dificultar a fiscalização, pode mascarar possíveis irregularidades.

Em todo caso, entendo que tal situação merece ser investigada. Quando encontramos tais indícios em compras relativamente pequenas, como cestas básicas, e essa não é a primeira vez, devemos redobrar a atenção com os grandes contratos governamentais.

Por fim, caso esses indícios sejam comprovados, resta a nossa indignação de saber que até mesmo o sofrimento de pessoas carentes é utilizado para alguém ganhar dinheiro.

José Pinheiro, do Notícias da Hora