Assessoria – Palestras sobre saúde mental e prevenção contra o câncer de próstata, vacinas, atendimento com a Defensoria Pública, mutirão de atendimento clínico geral e testes rápidos foram algumas das atividades desenvolvidas durante a campanha Novembro Azul no Complexo Penitenciário de Rio Branco, encerrada nesta sexta-feira, 27.

Os atendimentos que alcançaram 100% da população carcerária do Complexo, tiveram como objetivo alertar os homens e a sociedade sobre a importância da prevenção contra o câncer de próstata e dos cuidados com a saúde. O projeto ocorreu em parceria com as secretarias de Estado de Saúde do Acre (Sesacre) e Municipal de Saúde (Semsa).

O diretor da Unidade de Regime Fechado nº 1 de Rio Branco, Leandro Rocha, destacou a importância do Novembro Azul, ressaltando a necessidade dos cuidados com a saúde do homem. Ele afirmou que o câncer de próstata deve ser visto como os demais cânceres e que a prevenção é a melhor forma de tratamento.

O diretor de planejamento do Iapen, Leonardo Salomão, ressaltou que as ações desenvolvidas na área da saúde foram intensas nos últimos dois meses, tanto no Outubro Rosa quanto no Novembro Azul. “O esforço foi enorme e o número de atendimentos realizados foi bem expressivo. Acredito que isso é motivo de grande valorização. Tivemos uma parceria muito forte com a Secretaria de Saúde para disponibilizar a equipe e fortalecer o atendimento”, destacou.

Durante o encerramento da campanha, a Coordenação de Educação do Iapen realizou a entrega de certificados obtidos por meio do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos para Pessoas Privadas de Liberdade (Encceja PPL) 2019 para 37 presos da unidade.

O exame tem por finalidade construir uma referência nacional de avaliação para jovens e adultos por meio da aferição de competências, habilidades e saberes. Os certificados foram emitidos pela Secretaria de Estado de Educação (SEE). Nas unidade de Rio Branco e Senador Guiomard foram certificados 91 reeducandos.

Aos 28 anos, o detento Kelven Mariano de Oliveira sonha em fazer faculdade de engenharia civil. Ele era aluno do ensino fundamental na Escola Fábrica de Asas, dentro do presídio, e com a pontuação do exame conseguiu a certificação do ensino médio. “Eu estou preso há 10 anos e iria ter que sair daqui e estudar ainda. Lá fora eu tenho filho e tenho que trabalhar também, o que torna mais difícil. Como já terminei aqui, fica mais fácil para ingressar numa faculdade, que é o meu sonho”, disse

Representando a Secretaria de Educação, a coordenadora pedagógica do EJA, Kathyene de Paula ressaltou a felicidade em realizar a certificação dos detentos e pediu que os alunos não desistam. “Como uma apaixonada pela educação que sou, mas não romântica no sentido de reconhecer os muitos desafios que nós temos, eu gostaria de pedir que vocês perseverem”, disse.

O diretor de planejamento do Iapen, Leonardo Salomão, parabenizou os alunos e destacou as oportunidades oferecidas em parceria com a Secretaria de Educação. “Eu acredito que a educação é a base de tudo. Vocês muito provavelmente não tiveram oportunidade enquanto não estavam no sistema penitenciário e aqui dentro estão tendo essa oportunidade e vão sair com uma certificação”, frisou.