Após o escândalo envolvendo a diretoria do Departamento Estadual de Pavimentação e Saneamento (DEPASA), todos os apadrinhado do senador Márcio Bittar (MDB) foram exonerados hoje pelo governador do estado Gladson Cameli.

Dentre os exonerados, estão: o cunhado do ex-diretor-presidente Tião Fonseca (que foi o protagonista do primeiro escândalo do DEPASA), Mamede Aruda Bucar Neto; o ex-vereador Luiz Anute e o diretor-presidente, Luiz Felipe Aragão.

As demissões em massa ocorreram devido a uma série de áudios vazados por supostas servidoras terceirizadas do DEPASA, denunciando ação de diretores, que fazem pagamentos irregulares e ofereciam permanência no emprego em troca de sexo.

Desde o início de sua gestão, o governador Gladson Cameli tem tido dificuldades com o DEPASA, onde os servidores são indicados pelo MDB e consequentemente tem se tornado um reservatório de atos ilícitos, incompetência e corrupção.

O que chama atenção nas denúncias, foi a citação do ex-diretor do órgão e afilhado político do senador Márcio Bittar (MDB), que é o responsável pelas indicações no comando da Autarquia. Além do ex-presidente Tião Fonseca, seu primo, Aruda Mamed, atual diretor Financeiro e Administrativo, que também é um dos alvos das denúncias.