O proprietário do posto de lavagem Millenium, localizado na BR- 317, no município de Epitaciolândia, Jair Castro, gravou um vídeo relatando uma situação de humilhação e discriminação que o mesmo sofreu dentro de um estabelecimento comercial, localizado na Avenida Marinho Montes, no município de Brasileia.

De acordo com o relato de Jair, ele foi comprar uma manta asfáltica no Comercial Carvalho e no momento do pagamento ele apresentou uma nota de R$ 200,00 (que segundo ele, era o que tinha no bolso) e para a sua decepção, a atendente do caixa se negou a aceitar a cédula afirmando que seria falsa e que não existia este dinheiro.

Diante da péssima situação, o empresário chamou o proprietário do estabelecimento comercial, para tentar resolver o impasse, mas o proprietário também se negou a receber a cédula de R$ 200,00 afirmando que não era para receber pois a nota não valia. Mesmo assim, Castro tentou explicar que a nota era verdadeira pois o mesmo pegou direto do banco e o proprietário mesmo assim negou-se a receber.

Foi aí que o empresário Jair entendeu que tanto o proprietário do estabelecimento como a funcionária acreditavam que ele estaria tentando dar um golpe no Comercial Carvalho, o que o ofendeu profundamente, pois Jair afirma que não tem necessidade desse tipo de coisa. Em vídeo, Jair pede opinião dos demais para saber o que deve ser feito em uma situação como esta.

Parte da frente da nota de R$ 200 lançada pelo Banco Central — Foto: Raphael Ribeiro/BC

O Banco Central lançou a nova nota de R$ 200. Após o lançamento, a nota, com imagem de um lobo-guará, entrou em circulação.

Essa é a sétima cédula da família de notas do real. O Banco Central encomendou à Casa da Moeda a produção, até dezembro, de 450 milhões de cédulas do novo valor.

A nota de R$ 200 é a primeira cédula de um novo valor da família do real em 18 anos.

Em comum, os lançamentos de cédulas têm um mesmo objetivo: diminuir as transações com dinheiro vivo, economizando com impressão de papel-moeda.

Veja o vídeo: