Os dois suspeitos de participar do latrocínio que resultou na morte do policial civil aposentado Francisco Santos da Silva, de 63 anos, presos em flagrante logo depois do crime, tiveram a prisão convertida em preventiva, após audiência de custódia, segundo informações do Tribunal de Justiça do Acre.

Silva foi morto com um tiro na segunda-feira (9) após ter a casa invadida em um assalto, no Centro da cidade de Bujari. A vítima estava em uma rede dentro de casa quando foi abordada por dois criminosos que entraram no local pela parte de trás. Eles chegaram já disparando um tiro contra Silva.

O tiro atingiu a perna esquerda. Quando a equipe da Polícia Militar chegou ao local, a vítima ainda estava com vida, mas sangrando muito. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado e antes de chegarem, os policiais que estavam no local fizeram um torniquete para estancar o sangramento. Ele morreu antes da chegada da equipe médica.

“Eles foram flagranteados. A motivação foi latrocínio. A princípio não tem outra linha a não ser aquela que fora levantada no próprio flagrante, eles confessaram, formam pegos com os objetos que roubaram da vítima e os instrumentos que mataram a vítima”, disse o delegado Carlos Flávio Portela, responsável pelas investigações.

Com o flagrante e a confissão dos suspeitos, o delegado afirmou que aguarda apenas o resultado das pericias para concluir o inquérito e encaminhar o caso ao judiciário.

“A princípio não tinha a participação de outras pessoas, mas se de outras provas a gente tiver notícia, vamos atrás, mas a princípio, o caso agora só está faltando o julgamento. A gente vai juntar as peças que estão faltando, as perícias e a justiça vai ter todas as condições para fazer o julgamento do caso”, acrescentou.

Prisão dos suspeitos

Logo após o crime, dois homens foram presos e um menor apreendido suspeitos de envolvimento no latrocínio que vitimou o policial aposentado. Como o menor não participa de audiência de custódia, o judiciário ainda tenta informações sobre o caso do menor envolvido.

A prisão em flagrante foi feita por equipes da Polícia Civil da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) e da Coordenação de Operações e Recursos Especiais (Core), com apoio da Delegacia do Bujari.

A Polícia Civil não divulgou os nomes dos presos. Entre eles está o que guardou as armas do crime e a arma que foi roubada da vítima, o que teria participado da execução do latrocínio, que foi achado com o dinheiro roubado do policial e também com droga.

As armas, carregadores, munições, além das máscaras usadas no crime estavam escondidas em uma invasão em um terreno baldio dentro de uma mochila. Todos os suspeitos foram levados para a Delegacia de Flagrantes em Rio Branco.

Do G1 Acre