Quando assumiu o governo do Acre em 2019, o engenheiro civil Gladson Cameli atribuiu como uma das prioridades – e com máxima urgência mesmo – a construção de novas escolas públicas e reforma das já construídas. E nas próximas semanas, ele entregará pessoalmente uma delas, com um toque especial: a escola estadual Nova Vida, em meio à floresta, dentro do Projeto de Assentamento Espinhara 2, no km 15 do ramal de mesmo nome, a 52 quilômetros de Rio Branco pela BR-364, na zona rural do município do Bujari.

Nesta quinta-feira, 5, uma equipe da Secretaria de Estado de Educação e Cultura e Esportes (SEE), liderada pelo secretário de Educação, Mauro Sérgio da Cruz, esteve com a direção, os professores e a comunidade local, para uma inspeção nos últimos detalhes de entrega da escola totalmente revitalizada.

Por meio de uma apresentação, a professora Rosa Saraiva, coordenadora da Educação de Jovens e Adultos da escola, fez uma retrospectiva de como em 2005 encontrava-se a instituição, e como ela está hoje, com as obras do governo Gladson, que mudaram para melhor, em 100%, as suas instalações.

“Antes, a escola era só um vão com duas salas e um corredor apertado”, diz ela, mostrando as fotos na tela exibida na parede por meio de um data show. “Tínhamos ainda duas salas de aula embaixo de um pé de árvore e de chão batido, pois não tinha piso e era coberto de palha. Na cozinha, duas cozinheiras não entravam de uma só vez porque era pequeno demais, e quando chovia, na hora da merenda, os meninos se molhavam na fila”, relembra a educadora. Uma das formas de reduzir o transtorno, era o uso da Igreja Assembleia de Deus, próxima da escola, como sala de aula.

A redenção

Em 2019, quatro novas salas de aula em alvenaria foram construídas, assim como a cozinha e a área para as refeições. Ali, a estrutura conta com uma despensa anexa ao refeitório. Os dois banheiros antigos, que de tão estreitos, uma mulher grávida só entrava caminhando de costas até o vaso, agora são mais amplos e arejados, e uma biblioteca permite que os estudantes possam desfrutar de atividades de leitura com mais qualidade e conforto.

Além disso, o abastecimento d’água para o consumo dos estudantes, que era feito manualmente, hoje é realizado por torneiras acopladas a filtros, com água gelada toda hora que chegam de caixas elevadas.

A estação de ônibus coberta em frente da escola, para os dias chuvosos, também já foi concluída, faltando pouco para o término dos serviços de pavimentação do entorno e do acesso à escola. Esses serviços consistem no calçamento com tijolos no ramal, numa extensão de cem metros, em frente à escola, e com calçadas laterais que terão pisos sonoros para deficientes visuais. A obra faz parte de um pacote de investimentos de mais de R$ 330 mil em recursos próprios do governo do estado, a Fonte 100.

Computadores novos, e de última geração, entregues pela SEE, já fazem parte do dia a dia dos professores da escola.

Como em 2021, a região do projeto de assentamento Espinhara será contemplada ônibus escolares novos, o objetivo é que os estudantes tenham um espaço digno para esperar o transporte de volta a suas casas, aguardando na estação, protegidos do sol e da chuva. Além disso, o calçamento em tijolo em frente à escola evita a lama nos sapatos, no período de inverno.

“A escola é território para uma vida plena de objetivos”

Feliz pela forma com que os professores, os servidores administrativos, estudantes e suas famílias estão gratos pela transformação de sua escola, o secretário de Educação destacou que Gladson Cameli será conhecido, ao final da sua gestão, como o governador da Educação, e ressaltou que o mais importante disso tudo é que os estudantes entendam que a escola é o melhor local para quem busca realizar os seus sonhos.

“A escola é um território sagrado porque é aqui que vidas são forjadas. E nem um sonho é impossível de ser realizado, mas é preciso ir buscar, querer. E podemos chegar lá buscando o melhor na escola, forjando nesse território uma vida plena de objetivos”, pontuou Mauro Sérgio da Cruz, ao lado do coordenador da Educação no Campo, da SEE, Cláudio Augusto Ferreira Sales.

Participaram também do encontro, a coordenadora do Núcleo da Educação no Bujari, Maria da Paz Oliveira da Rocha, o gestor da escola, Rogério Nogueira Mesquita, e a técnica Rizete Martins da Silva, do setor de Logística da Coordenação da Educação de Campo, da Secretaria de Educação.

Entre as ações previstas para 2021, Mauro Sérgio e Cláudio Sales enumeram a entrega de tênis e meias para os estudantes, e a volta da segunda refeição, servida antes que os alunos vão para casa, uma das metas do governo ainda de 2020, mas que foi interrompida por conta da pandemia do novo coronavírus que impossibilitou as aulas presenciais.

Escola-modelo em 2021 vai desafogar demanda na zona urbana

Além da escola Nova Vida, todas as demais escolas rurais do município do Bujari estão incluídas no projeto de revitalização para 2021, e que será colocado em prática pelo recém-criado Núcleo de Engenharia da SEE, numa parceria com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano e Regional.

Por isso, desde setembro último, o secretário de Educação, Mauro Sérgio da Cruz, com a sua equipe de técnicos, vem percorrendo todas as escolas da região do Bujari, município cuja maioria dessas instituições estaduais está localizada na zona rural. Ali, só há uma escola estadual urbana, a São João Batista, que atualmente, tem 1.065 alunos.

Para 2021, no entanto, o governo já assumiu o compromisso de construir uma escola-modelo na cidade, que permitirá reduzir o grande número de alunos hoje atendidos lá, desafogando as salas de aula com a transferência de pelo menos metade desses estudantes para a nova escola. O terreno, de quase dois hectares, já foi cedido pela Prefeitura do Bujari, para a construção.