A Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) reuniu na manhã desta sexta-feira, 6, representantes de todas as forças de segurança do Acre para tratar sobre planejamento estratégico de atuação durante as eleições municipais que ocorrem no próximo dia 15.

O objetivo foi a apresentação e discussão do plano de ação para que as forças pudessem identificar pontos em comum e a necessidade de ação integrada ou continuada, afim de sanar possíveis problema em relação ao dia do pleito.

A reunião foi realizada no auditório do Centro Integrado de Comando e Controle (CICC) e contou com a participação de representantes das Polícias Civil, Militar, Federal e Rodoviária Federal, Exército Brasileiro, Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Departamento de Trânsito (Detran), Superintendência de Trânsito de Rio Branco (RBTrans), Corpo de Bombeiros Militares, Justiça Eleitoral, Instituto de Administração Penitenciária (Iapen) e Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer).

“Na verdade, é um ensaio técnico-operacional destinado a suprimir qualquer dúvida, qualquer pendência em relação aos processos, não só de policiamento e fiscalização, mas principalmente de apoio ao órgão eleitoral responsável pela condução desta eleição”, explicou o secretário de Justiça e Segurança Pública, Paulo Cézar Santos.

Ele destacou que uma reunião idêntica será realizada na cidade de Cruzeiro do Sul com as forças policiais locais e com a Justiça Eleitoral, com a presença do juiz responsável pela fiscalização.

No que diz respeito às particularidades voltadas à problemática da pandemia, o secretário frisou que os operadores de segurança também trabalharão na orientação do público para a manutenção do distanciamento social.

Outra questão é o período em que as eleições ocorrem neste ano. Diante do início do período chuvoso, o acesso às áreas rurais fica prejudicado, o que exige um planejamento diferente. “Já estamos entrando no inverno e, consequentemente, na área rural teremos mais dificuldades, não só em relação ao acesso dos eleitores, mas também da atuação da força policial, razão pela qual todas as providências serão adotadas, envolvendo inclusive o policiamento aéreo por meio do Ciopaer”, concluiu o secretário.

Matriz de risco

Quanto à prevenção e atuação no dia das eleições, a Sejusp realizou uma análise da matriz de risco, apresentando aos profissionais os tipos de crimes mais comuns, como boca de urna, compra de votos, transporte irregular de eleitores e desobediência. A maioria dos crimes é de competência e apuração da Polícia Judiciária e a matriz apresenta como critérios o histórico, a tendência de novas ocorrências e o impacto nas eleições, caso ocorram.