A Justiça do Acre aceitou denúncia contra nove pessoas acusadas de participação na morte de Kesia Nascimento da Silva, de 20 anos. A jovem desapareceu há mais de nove meses em Rio Branco.

Kesia sumiu no dia 28 de janeiro deste ano após deixar o filho pequeno em uma lanchonete da família, na Estrada da Floresta, em Rio Branco.

Ela tinha esquizofrenia, fazia tratamento contra a doença e tomava remédios. Apesar do corpo da jovem não ter sido encontrado, a polícia concluiu que ela foi morta.

A informação de que a denúncia foi recebida pela Justiça foi confirmada ao G1 pelo advogado de um dos acusados, Giliard Souza. O processo tramita em segredo de Justiça e, por isso, a promotoria que atua no caso não pode comentar sobre o teor da denúncia.

Crime assistido por videoconferência

As investigações da Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) apontaram que a ordem para matar a jovem partiu de duas mulheres que estavam em São Paulo. As suspeitas foram presas no último dia 15 de outubro, durante a terceira fase da Operação Sinapse, da Polícia Civil. Elas teriam assistido a execução de Kesia por videoconferência.

A polícia concluiu ainda que a jovem foi morta, esquartejada e depois teve o corpo jogado no Rio Acre. A motivação do crime seria porque a jovem teria mudado de facção criminosa e então foi vítima de uma retaliação.

Os nove acusados pela morte da jovem estão presos, sendo que as duas estão em presídio de São Paulo e os demais no Acre. Além deles, dois adolescentes também foram apontados pela como participantes do crime.

Do G1 Acre