Com a possibilidade cada vez maior da descoberta de uma vacina eficaz contra o coronavírus, governadores de 11 estados estiveram reunidos com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre, para solicitar apoio do Congresso Nacional referente à aquisição das doses e logística de distribuição em todo o território brasileiro.

No país, as pesquisas de duas vacinas são acompanhadas com bastante atenção. Uma delas, de origem inglesa, é desenvolvida pela Universidade de Oxford, em parceria com o laboratório AstraZeneca. Já a outra, chamada de Coronavac, vem sendo elaborada pela farmacêutica chinesa Sinovac e o Instituto Butantan, de São Paulo (SP).

Expectativas otimistas apontam que as vacinas poderão estar disponíveis à população no início de 2021, com a devida aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Em conversa com os presidentes da Câmara e Senado, os gestores, incluindo o governador Gladson Cameli, explicaram a necessidade de incluir a primeira vacina que ficar pronta no Plano Nacional de Imunização (PNI), bem como assegurar os recursos para sua aquisição, elaborar estratégias de fornecimento e o início das campanhas de imunização.

O governador Gladson Cameli tem trabalhado arduamente para que o Acre seja contemplado com os primeiros lotes que chegarem ao Brasil. O gestor aproveitou para agradecer o apoio dado por Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre, e lembrou também que, desde o início da pandemia de Covid-19, salvaguardar vidas tem sido prioridade de seu governo.

“A sinalização dada pelos presidentes da Câmara e do Senado foram extremamente positivas. Eles colocaram-se à disposição para tratar do assunto com o Parlamento e com o presidente Jair Bolsonaro, para que uma solução seja encontrada. Aqui no Acre, já comuniquei à Assembleia Legislativa a possibilidade de alteração da LDO [Lei de Diretrizes Orçamentárias] para que, caso seja necessário, tenhamos recursos disponíveis para comprar a vacina. Escolhemos salvar a vida das pessoas e é assim que vamos vencer essa guerra”, destacou.

Cameli é favorável ainda que o governo federal assuma a coordenação nacional de compra e distribuição da vacina. Para o chefe do Executivo acreano, a medida evitará possíveis disputas entre os estados. “Quando essa vacina realmente sair, todos procurarão adquiri-la ao mesmo tempo. Estados como o Acre, que são mais pobres e distantes dos grandes centros, terão muita dificuldade. Por isso, peço que a União assuma essa função e olhe com atenção para cada estado brasileiro e observe suas peculiaridades”, afirmou Gladson.