Desde esta madrugada, 2 de novembro, integrantes da UNI, União Nacional Indígena, estão acorrentados em frente à Embaixada de Portugal.

Neste Dia dos Mortos, a UNI realiza um ato contra o genocídio dos povos originários desde a chegada dos colonizadores nestas terras há mais de 500 anos.

A UNI condena assim o violento massacre de milhares de etnias indígenas, que bravamente resistiram à invasão dos europeus, e reafirma os valores defendidos pelas Nações Indígenas do Brasil e da América Latina, por meio de uma manifestação pacífica em frente à Embaixada de Portugal, uma das nações colonizadoras, que após dizimarem 43 milhões de indígenas na América, ainda desfrutam do espólio dos povos originários até hoje.

A demanda da UNI é uma reunião com o Secretário-Geral da ONU, o portugês Antônio Manuela de Oliveira Guterres, tendo o genocídio indígena como pauta. Os guerreiros indígenas de diversas etnias permanecerão acorrentados em frente à Embaixada de Portugal até serem atendidos em sua demanda.