Logo depois da Operação DIRTY SAFE na manhã desta quinta-feira (29), que desencadeou 33 mandatos de buscas e apreensões, militantes de candidaturas adversárias tentaram relacionar a campanha de Zequinha Lima (PP) e Henrique Afonso (PSD) com os fatos.

Em montagens e cards espalhados, eles diziam que a coligação era mantida com dinheiro de um possível esquema, e saíram espalhando em dezenas de grupos de maneira leviana e criminosa.

Por liderar a corrida eleitoral em Cruzeiro do Sul, Zequinha tem sido alvo constante de fake News produzidos por adversários.

A assessoria jurídica de Zequinha Lima e Henrique Afonso acionou a Justiça para que os responsáveis pela notícia falsa sejam identificados e responsabilizados juntamente com os grupos de whatsApp que estão espalhando as informações.

“Não há qualquer dinheiro ilícito ou ilegal na campanha do Zequinha Lima e Henrique Afonso. Estão espalhando fake news para denegrir os candidatos. A primeira prestação de contas já foi realizada e os demais gastos serão prestados contas no final da campanha”, informou sua assessoria