Dois homens foram denunciados à Polícia Federal e ao Ministério Público Federal (MPF) pelo Conselho Regional de Medicina do Acre (CRM-AC), após tentarem obter o registro profissional no estado com diplomas falsos de medicina.

O assessor jurídico do CRM, Mário Rosas, disse que os homens são de São Paulo e fizeram o pedido há pelo menos três semanas e, desde então, o órgão iniciou a checagem das informações e após concluir que se tratava de uma tentativa de fraude, enviou a denúncia aos órgãos federais, na última semana.

“Eles informaram que tinham se formado em uma faculdade no Rio de Janeiro e que essa formatura ocorreu há 10 anos, então, entregaram a documentação de praxe que o CRM requer, fizeram todo o procedimento normal”, contou.

Rosas disse que os dois levantaram suspeitas inicialmente por causa do período de 10 anos para que só então eles fizessem o pedido do registro. Além disso, ele acrescentou que os diplomas apresentados tinham outras inconsistências como a questão das assinaturas das autoridades, formato dos carimbos e sigla da universidade, que não seguem o padrão dos demais documentos da instituição.

“Nossa gerência do CRM começou a pedir que analisasse melhor e nós fizemos uma análise. Verificamos várias inconsistências, inclusive, pedimos informação da faculdade que entrou em processo de falência e não poderia emitir nenhum documento, salvo aqueles garantidos por lei. A faculdade que assumiu essa que faliu informou que o nome deles não estão no quadro dessa lista que foi encaminhada. Em razão disso, o CRM encaminhou ao MPF e PF a fim de que estas pessoas possam responder um processo e, consequentemente, serem responsabilizadas pelos atos em razão de um crime contra um autarquia federal que é o conselho”, explicou.

Os homens podem responder por estelionato e falsificação de documentos. As inscrições foram indeferidas.