Em coletiva de imprensa realizada na tarde desta sexta-feira, 16, o governo do Acre, por meio da Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre) e do Comitê de Acompanhamento Especial da Covid-19, revelou que, com estabilidade em seus indicadores, todo o estado se mantém pela sexta vez em Nível de Atenção (Bandeira Amarela), na avaliação do período entre 27 de setembro e 10 de outubro.

Ainda que haja estabilidade, o Comitê apontou para oscilações negativas nas regionais de saúde definidas para o acompanhamento do avanço da doença. O Alto Acre apresentou crescimento no número de internações por síndrome respiratória aguda grave, enquanto o Baixo Acre registrou aumento no número de casos confirmados de Covid-19, e a regional do Juruá e Tarauacá-Envira tiveram aumentos de ocupação nos leitos clínicos e de UTI com casos da doença.

“Com a manutenção dos indicadores, significa que o comportamento da população não tem sido modificado. E sem grandes mudanças, não conseguiremos apresentar melhoras. Se não houver a manutenção dos cuidados sanitários e farmacológicos, não conseguiremos avançar para Bandeira Verde”, destacou Karolina Sabino, coordenadora do Grupo de Apoio ao Pacto Acre Sem Covid.

Durante este momento do avanço da pandemia em todo o mundo, o governo do Acre, com o apoio do governo federal, realizou um grande investimento na área de saúde pública, totalizando a criação de 90 leitos de UTI e 352 leitos clínicos especificamente destinados ao combate da Covid-19, além do oferecimento hoje de ampla testagem, mas que, mesmo com avanço em tão pouco tempo, os cuidados pessoais e coletivos seguem necessários para que o sistema não corra risco de, no futuro, entrar em colapso.

O secretário de Saúde, Alysson Bestene, reforçou que gestos simples como evitar aglomerações desnecessárias, manter o distanciamento social, lavar as mãos e usar máscaras podem fazer toda a diferença.

“Estamos nos esforçando para levar o amplo conhecimento de combate dessa doença à nossa população. E também estamos em período eleitoral, reforçando as recomendações e os protocolos sanitários estaduais e municipais com as agremiações políticas para evitar o avanço da doença. Estamos chegando ao final do ano e não queremos regredir bandeira. Para isso, precisamos do trabalho conjunto de todos”, reforça o secretário.

A próxima avaliação da classificação de risco será revelada no dia 30 de outubro.

Atividades mantêm orientações

Na Bandeira Amarela, todas as atividades comerciais devem manter as orientações sanitárias estaduais, os protocolos sanitários municipais e demais limitações impostas pela resolução nº 02, de 3 de julho de 2020, do Comitê de Acompanhamento Especial da Covid-19.

Alguns setores comerciais tiveram a possibilidade de aumentar a capacidade de atendimento em relação ao previsto na fase anterior (Bandeira Laranja), podendo chegar a 60% agora.

Bares, restaurantes, pizzarias, lanchonetes, sorveterias e similares podem abrir com capacidade de 50% do número de mesas, além do retorno da música ao vivo com cuidados específicos; restaurantes self service deverão ter protocolo e autorização própria. Teatros, cinemas e apresentações culturais também podem voltar com capacidade de até 30%.

Eventos religiosos em templos ou locais públicos, de qualquer credo ou religião, inclusive reuniões de sociedades ou associações sem fins lucrativos podem retornar com 30% da capacidade. Por fim, centros de formação e capacitação, estúdios de dança, escolas e estúdios de música, centros de formação de condutores de veículos automotores e similares também podem reabrir nesta capacidade.

Por meio de decreto, as academias de ginástica também puderam reabrir com capacidade reduzida para 30%. Praças de alimentação também puderam reabrir com protocolo específico. E, recentemente, espaços públicos como parques e piscinas esportivas também foram liberados seguindo protocolos especiais.

Outro decreto também permitiu a volta de laboratórios de saúde e atendimentos a comunidade de instituições de ensino superior privado.

Vale ressaltar que o enquadramento dos estabelecimentos de ensino educacional regular (escolas de ensino fundamental e médio, universidades e centros universitários) e creches será realizado por meio de resolução específica do Comitê de Acompanhamento Especial da Covid-19.

Metodologia

O Pacto Acre sem Covid é uma ferramenta destinada a viabilizar a harmonia entre o desenvolvimento econômico, o direito de proteção à saúde e os valores sociais do trabalho, tendo por finalidade fundamental a efetiva proteção do direito à vida.

De acordo com o método definido pelo Pacto Acre sem Covid, a classificação em nível de risco é realizada conforme a delimitação territorial das regionais de Saúde do estado, a saber:  região do Alto Acre (Assis Brasil, Brasileia, Epitaciolândia e Xapuri), Baixo Acre e Purus (Acrelândia, Bujari, Capixaba, Jordão, Manoel Urbano, Plácido de Castro, Porto Acre, Rio Branco, Santa Rosa do Purus, Sena Madureira e Senador Guiomard) e a região do Juruá e Tarauacá-Envira (Cruzeiro do Sul, Feijó, Mâncio Lima, Marechal Thaumaturgo, Porto Walter, Rodrigues Alves e Tarauacá).

A classificação em níveis de risco (bandeiras), expressa por meio de uma nota geral que varia de 0 a 15, é obtida por meio da mensuração de sete índices, sendo eles: isolamento social; notificações por síndrome gripal; novas internações por síndrome respiratória aguda grave; novos casos por síndrome gripal Covid-19; novos óbitos por Covid-19;  ocupação de Leitos Clínicos Covid-19 e ocupação de UTIs Covid-19.

Os níveis de classificação de risco foram divididos em Vermelho, Laranja, Amarelo e Verde, respectivamente do mais restritivo para o mais flexível. A cada 14 dias é realizada uma nova avaliação dos indicadores, cabendo às prefeituras autorizar as atividades permitidas no respectivo nível de risco apurado por meio de decreto municipal, bem como a instituição de protocolos sanitários a serem seguidos pelos setores da economia que estejam autorizados a funcionar. Um trabalho que envolve Estado, prefeituras e entidades e conta com o apoio de toda a comunidade.

Para mais informações de protocolos, acesse: http://covid19.ac.gov.br/