O Partido Social Democrático (PSD) representado no estado do Acre pelo senador Sérgio Petecão foi o partido político que recebeu a maior quantia do fundo eleitoral de R$ 2 bilhões nas eleições de 2020.

A sigla recebeu o valor exato de R$ 4,9 (quatro milhões e novecentos mil reais)  do diretório nacional do partido em uma única transferência realizada no dia 8 de outubro, que até o momento registrou apenas a entrada no caixa, mas nenhuma despesa.

O que ocorre é que, segundo informações de candidatos do PSD no interior do Acre, as ajudas que receberam do partido tem sido mínimas e muitos deles estão se virando como podem, pois quando entram em contato com o senador Petecão, quando ele atende (poucas vezes) diz que não tem dinheiro.

“Ele quer montar um grupo, mas não quer dar as condições necessárias para nós trabalharmos e a gente sabe que ele como Senador da república tem condições financeiras para ajudar, só não ajuda se não quiser”, disse um candidato indignado.

Mas afinal. Se o PSD tem quase 5 milhões de reais em caixa para ser gastos na campanha do partido. Por que os candidatos do partido não estão recebendo as ajudas devida? Será que o nobre senador está esperando o momento exato para investir tudo na campanha de sua esposa, que é candidata a vice-prefeita em Rio Branco, e deixar os demais candidatos chupando o dedo? 

Questionamentos como estes estão circulando livremente entre os candidatos do PSD de Petecão, que até o momento não registrou nenhuma despesa, sendo que os candidatos estão enfrentando um grande gargalo neste processo eleitoral.