Sebastião Fonseca ficou pouco tempo a frente do Departamento Estadual de Água e Saneamento – DEPASA, mas foi suficiente para dar o que falar. Inclusive com atos de corrupções que o levou a ser preso dias depois de deixar o cargo.

Os pagamentos foram creditados nas contas de Zenil e Fonseca na quinta-feira (08), sendo que os mesmos foram exonerados recentemente e mesmo assim foram beneficiados com o pagamento de suas rescisões.

Zenil Chaves recebeu a quantia de R$ 6.860,00 e Tião Fonseca R$ 5.762,37 como consta no borderô de pagamento do Portal Transparência do DEPASA.

Zenil se afastou da presidência do DEPASA dia 24 de março, para tentar ser candidato a prefeito de Sena Madureira e depois do fracasso nas articulações, não conseguiu entrar na chapa majoritária e retorna para o governo, desta vez nomeado na Saúde.

Zenil Chaves foi um dos que furaram a fila do pagamento enquanto outros esta a quase dois esperando na fila.

Já Fonseca foi seu substituto e não vingou muito, pois deixou a cidade de Rio Branco quase sofrer um colapso de abastecimento e se envolveu em um esquema de corrupção, vindo assim a ser demitido e depois chegou a ser preso pela Polícia Civil.

Tião Fonseca mesmo saindo sob acusação de corrupção no Depasa, recebeu sua verba rescisória.

Tentamos contato com a presidência do DEPASA, para saber como anda o cronograma de pagamento dos ex-comissionados do órgão e por qual motivo Tião Fonseca e Zenil furaram a fila, mas até o fechamento da matéria não foi possível obter retorno.