O caso do assassinato do jovem José de Souza Rocha, de apenas 18 anos, ocorrido no final da noite deste domingo, dia 27, foi elucidado durante o dia desta quinta-feira, dia 1º de outubro de 2020, cinco dias após o ocorrido na cidade de Epitaciolândia.

A vítima estava entrando em um transporte por aplicativo quando foi surpreendido e morto com cerca de quatro tiros a queima roupa sem chances de se defender. Um dos disparos acertou o motorista do carro na barriga e que está se recuperando.

O delegado titular do município, Luís Tonini, juntamente com apoio de investigadores de Brasiléia e apoio do Gefron, foi possível deter os principais suspeitos que estiveram envolvidos direto e indiretamente na morte do jovem.

O suspeito que apareceu nos sistemas de gravação que registraram a movimentação do suspeito até assassinar ‘Rochinha’, foi identificado. Um jovem de 17 anos usou um revolver calibre 38 no dia e o motivo, seria pelo fato da vítima ter invadido o ‘território’ e tirar ‘onda’ nas redes sociais.

Após o ocorrido, o menor se escondeu em uma casa na cidade de Brasiléia, mas foi localizado e detido pelos investigadores da cidade e entregue em Epitaciolândia. Foi quando descobriram que dois maiores de idade, tiveram participação direta no assassinato e também foram detidos.

A arma usada no assassinato foi localizada e logo após, outra do mesmo calibre também que estava com um dos maiores também foi encontrada e retida. Foi informado que após o assassinato, o corpo da vítima foi enterrado sem que houvesse velório, devido ameaças contra a mãe por parte do grupo envolvido na morte do jovem.

“Foi um trabalho minucioso entre os investigadores de Brasiléia e Epitaciolândia na elucidação do caso e prender os envolvidos, além de contar com o apoio do Gefron. Lamentamos o envolvimento de jovens com o crime que vem se envolvendo com a criminalidade e não pensam no futuro. Infelizmente o caminho é esse: morte ou cadeia”, disse o delegado Luís Tonini.

Por Alexandre Lima / oaltoacre