Prevenção. Esta é a palavra que descreve as ações promovidas pelo Instituto Socioeducativo do Acre (ISE/AC) durante o mês de setembro, destinado à discussão sobre a temática do suicídio. Dentre as atividades, realizadas em parceria com a Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre), estiveram a promoção de palestras e debates voltados ao Setembro Amarelo para os adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa de internação.

A conscientização ainda é a melhor ferramenta para que os suicídios sejam evitados. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), 9 em cada 10 vidas podem ser salvas se houver prevenção, suporte e ajuda adequada. Nesse sentido, o objetivo das atividades para estes jovens é fornecer ajuda para os que, porventura, estejam com tendências suicidas. Todos os centros socioeducativos do Acre foram contemplados com as ações.

De acordo com a psicóloga Manuella Andresen, o debate facilita a interação entre os jovens e faz com que eles se sintam mais à vontade para conversar sobre um tema que ainda é um tabu. “É necessário que este tema seja discutido, visto o número de jovens que cometem suicídio. A sociedade ainda vê a prática como um tabu, e as conversas vêm justamente na contramão, na tentativa de fornecer informações e, principalmente, ajuda”, destacou.

Os jovens participaram de uma gama de atividades nos centros, que envolveram rodas de conversas para facilitar a interação, palestras com profissionais da saúde e promoção de filmes que tratam sobre o suicídio. Para a psicóloga, é importante que estas ações sejam promovidas durante todo o ano. “O suicídio não acontece somente em setembro. De acordo com a OMS, a cada 40 segundos alguma pessoa no mundo se suicida. Isso é preocupante e necessita de ações que combatam esses números assustadores”, enfatizou.

Para o presidente do ISE, Rogério Silva, é importante que os jovens em cumprimento de medida socioeducativa também tenham acesso às informações e mecanismos de ajuda. “O ISE trabalha com a promoção de ações que venham acrescentar conhecimento na vida destes jovens. Falar sobre o suicídio é importante não somente para fins de conscientização, mas para mostrar que cada vida importa”, finalizou. (Matéria produzida pelo estagiário Renato Menezes).