Uma postagem de um filho de pescador da cidade, viralizou nas redes sociais e gerou bastante debate entre a população. O porto segundo postou Izaque Lima, estar sucateado e sem cuidado algum por parte dos que são responsáveis pela sua administração.

O município de Guajará fica distante quase 1.500 KM de Manaus e a manutenção é de responsabilidade do governo do estado do Amazonas.

Veja o desabafo do filho de pescador, que denunciou as péssimas condições do espaço e criticou a má administração portuária.

“Eu não sou de postar assuntos referidos ao que cabe influência política, mas tem coisa que excede o limite. Para quem não me conhece sou filho de Guajará e filho de pescador, hoje meu pai é um pescado profissional, e me ensinou todo o ofício dessa profissão, trabalhei muito tempo com ele. Lembro-me quando iniciou a construção porto de Guajará e meu pai ficou feliz, finalmente teria um porto com condições adequadas para os pescadores, daí em diante as coisas foram fluindo.

“O porto foi concluído as primeiras administração portuária (politicamente indicado) se esforçaram pra suprir as necessidades dos pescadores, que são os que mais usufruem do Porto, mas nós últimos anos o porto fluvial de Guajará sofre com a PIOR ADMINISTRAÇÃO PORTUÁRIA já vista, com um descaso total, a balsa não é mais movimentada nas secas do JURUÁ, deixando de uma maneira que deteriora a mesma, a fabricante de gelo quando funcionava era de grande utilidade para os pescadores mas hoje se encontra em um completo abandono”.

“Portando senhor responsável pelo porto não seja só um tapume, pense nessas pessoas que precisam do Porto para escoar suas mercadorias, não façam politicagem com o que pertence ao povo guajaraensse, eles necessitam do bom estado deste porto”, finalizou Izaque.

Essa imagem é de quando o Porto estava em condições normais e sendo um ponto de apoio importante aos ribeirinhos

Por ser localizado e um área estratégica, o município de Guajará ganhou um posto fluvial moderno e que passou a ser a referência de pescadores e ribeirinhos que chegavam na cidade. Também utilizado para embarque e desembarque de balsas que chegam de Manaus e Porto Velho, mercadorias para abastecer os comércios de Guajará e dos municípios do Acre, principalmente quando o rio estar com o nível de água muito baixo.

Tentamos até o fechamento falar com o senhor Tiago Melo, que é o responsável pela administração local do Porto, mas não obtivemos sucesso.

Veja alguns dos principais comentários da postagem;