Cumprindo a promessa de campanha, o governador Gladson Cameli anunciou na tarde desta segunda-feira, 21, a convocação dos aprovados no último concurso público para Polícia Civil do Estado do Acre. O anúncio aconteceu no auditório da instituição com a presença de uma comissão dos alunos formados pela Academia de Polícia Civil (Acadepol), além de autoridades do órgão.

No total, serão 202 convocados dos quais 29 ocuparão as vagas de delegados, 22 escrivães, 131 agentes de polícia e 20 auxiliares de necropsia. Os profissionais fazem parte da turma de 2017 e já concluíram a Acadepol. Desta forma, estão aptos a ingressarem nos cargos de carreira da Polícia Civil. De acordo com o governador, a nomeação será publicada no Diário Oficial do Estado até o mês de novembro deste ano.

Na ocasião, o delegado geral de Polícia Civil, Josemar Portes, afirmou que a instituição se sente bastante respeitada, pois ao longo de quase dois meses de sua gestão, testemunhou os esforços que foram realizados. “O fato é que, se precisamos de uma polícia ostensiva forte, preventiva, não menos verdade é que necessitamos de uma polícia investigativa, uma Polícia Civil tão forte quanto”, disse.

Ele também declarou que o ato é o reconhecimento, por parte do governador do estado, da necessidade de uma Polícia Civil cada vez mais empoderada com recursos humanos e tecnológicos. “É um compromisso do governador não só com a Polícia Civil, não só com os formados, mas com a própria sociedade do estado do Acre, que clama por uma segurança pública cada vez mais rápida”, afirmou.

O secretário-adjunto de Estado de Justiça e Segurança Pública, Maurício Pinheiro, destacou que a convocação dos novos policiais fortalece não só a Polícia civil, mas sim a Segurança Pública de todo o estado. “A polícia é a última barreira entre a sociedade civilizada e a barbárie. A nossa responsabilidade é manter uma sociedade íntegra, coesa e livre dos malefícios da criminalidade”, ressaltou.

“Esse é o meu sonho”, disse o governador em sua fala. Ele destacou que não está preocupado com política, mas em cumprir com os compromissos firmados. “Isso aqui é uma questão de necessidade para o estado. Eu preciso de efetivo, preciso que nossas polícias estejam fortalecidas e com esse efetivo preparado para que possamos fazer valer um direito que está na constituição, que é o direito de ir e vir” destacou.

“Temos problemas que só vamos conseguir amenizar reestruturando toda a área de segurança e aqui nós estamos vencendo, esse é um passo. Mesmo com a crise, nós estamos fazendo todo um realinhamento para que possamos honrar a nossa palavra”, finalizou o chefe do Executivo.

Gratidão

Para o futuro agente de polícia civil Aslan Menezes este é um momento de muita gratidão e de alegria. “Isso não só pela minha família e pelos meus colegas, mas também pela sociedade que vai ganhar muito nesse momento. Nós estamos vindo para ajudar a trazer normalidade e combater a criminalidade”, afirmou emocionado.

Uma das mulheres que aguardam a convocação, a futura auxiliar de necropsia Shaiane Alexandra Rodrigues, também declarou sua felicidade. “Eu nasci nesse estado, estudei sempre em escola pública e eu vejo a competência de todas as mulheres que fizeram a Acadepol. Estou muito feliz em representar todas aqui neste momento”, disse.