A Polícia Civil do Acre identificou os integrantes da quadrilha especializada em clonar aplicativos de mensagens de aparelho celular que fizeram no Acre, ao menos três deputados estaduais e o sócio-proprietário da Uninorte, Fábio Ricardo Leite, vítimas de estelionato. As informações e do ac24horas

Em maio, quatro deputados do Acre, incluindo o presidente da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), Nicolau Júnior, e até o governador do estado, Gladson Cameli, tiveram os números clonados.

Segundo a investigação, os criminosos clonavam o número do aplicativo de mensagens dos deputados e empresários e pediam dinheiro a amigos e que estavam em sua lista de contatos.

De acordo com informações obtidas, o dono da Uninorte, Ricardo Leite, o Rico como é mais conhecido, transferiu a Frederico Matta (estelionatário) R$ 4, 8 mil e José Mauri da Silva transferiu R$ 5 mil a Argentino Silva (estelionatário), e a outra vítima Ester Queiroz Silva (ligada ao deputado Luiz Gonzaga) transferiu à Pablo Silva (estelionatário) a quantia de R$ 10 mil, totalizando R$ 19.800,00.

Em depoimento, o empresário, Fábio Ricardo Leite afirmou que realizou a transferência a pedido da pessoa que se passava pelo deputado Jenilson Leite. Mauri e Ester acreditavam que estavam falando com o deputado Luiz Gonzaga (PSDB).

Após uma longa investigação, o delegado da Polícia Civil do Acre, Pedro Paulo Buzolin, identificou a quadrilha que operava no Maranhão, e teve acesso a câmera dos caixas eletrônicos em que os criminosos realizavam os saques, após o dinheiro cair na conta, em Nova Imperatriz (MA).

Os envolvidos Frederico Matta, Argentino Silva, Pablo Silva e Aldean Correa devem responder por estelionato e associação criminosa. Após o término das investigações, Buzolin encaminhou o inquérito à Justiça do Maranhão para o indiciamento dos envolvidos e adoção de medidas cabíveis.