O aterramento de sítios arqueológicos, os chamados geoglifos, durante o processo de plantio de grãos no município de Capixaba, no interior do Acre, acendeu mais um alerta.

E para evitar a destruição desses monumentos – que podem dar pistas de como viveram os povos da Amazônia antes da chegada dos colonizadores europeus – será criada uma frente de trabalho em defesa dos geoglifos composta por pesquisadores. Esse grupo vai se nortear em 7 eixos, entre os quais a construção de um observatório permanente.

Eixos em defesa dos geoglifos: Construção de um site com mapa dos geoglifos e sítios arqueológicos amazônicos (observatório permanente); Ações de educação patrimonial e de proteção jurídica; Mobilização permanente com o envolvimento de instituições, centros e institutos de pesquisa, organizações e entidades do movimento indígena, imprensa, órgãos de controle e de proteção ambiental e patrimonial, movimentos sociais, intelectuais etc; Incentivo à formação de grupos, linhas e projetos de pesquisa interdisciplinares ou transdisciplinares; Nucleação da Área de Arqueologia na Ufac (envolvendo o Museu Universitário, PPGLI, PPGEO, Curso de Ciências Sociais, CFCH, Propeg, Assessoria de Cooperação Interinstitucional e parceiros externos como o Iphan, a Unir e a USP; Consolidação de parcerias para as ações de educação patrimonial, ações de proteção jurídica e ações de formação (Minter e Dinter em Arqueologia com a Unir e a USP); Articulação de financiamentos para as ações.

A reunião ocorreu no dia 11 e foi convocada pelo Museu Universitário da Universidade Federal do Acre (Ufac), em conjunto com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Universidade de São Paulo (USP) e com o professor e pesquisador Alceu Ranzi. O encontro também teve a participação de pelo menos 40 pessoas de diferentes instituições e localidades.

A reunião foi coordenada pelo diretor do museu universitário, professor Gerson Albuquerque. Ele destacou que a mobilização é para garantir a preservação do patrimônio histórico do estado.

“É parte do patrimônio cultural acreano, dessa nossa grande Amazônia, e o que está na parte acreana é um pouco responsabilidade da Ufac. A ideia de a gente protagonizar esse novo debate é porque a universidade não pode ficar omissa diante da situação”, esclareceu o diretor.

No mês de agosto, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) acionou o Ministério Público Federal (MPF) e a Justiça Federal após descobrir que sítios arqueológicos, onde estão três geoglifos, na Fazenda Crixa II, na cidade de Capixaba, interior do Acre, tinham sido aterrados durante o processo de plantio de grãos.

A propriedade pertence ao presidente da Federação da Agricultura do Acre, Assuero Veronez, que justificou que o aterro foi um “acidente” no processo de aragem para o plantio. Segundo ele, os tratoristas não observaram a estrutura no chão.

Estruturas geométricas escavadas na terra, os geoglifos têm formatos de quadrados, retângulos ou círculos. Foram descobertos na Amazônia na década de 1970, com o aumento dos desmatamentos. Começaram a ser melhor estudados a partir dos anos 2000.

Essas figuras gigantes teriam sido construídas por civilizações que ocuparam o sul da Amazônia, antes da formação da floresta e seriam usadas em cerimônias e rituais religiosos. Só no Acre, existem 800 catalogados pelos pesquisadores.

Preocupação com outros geoglifos

O diretor alerta que outros geoglifos correm risco de destruição e é preciso trabalhar na preservação deles.

“Nossa preocupação é em fazer um catálogo para criar uma rede de instituições que possam atuar na proteção dessas áreas, porque isso é a nossa memória e que está aí antes da chegada dos colonizadores, então, é uma memória que a gente não pode perder. Tem que estudar, tem que entender o que isso representou no passado e o que tem para nós no presente e isso é papel da universidade”, pontuou.

Investigação do MPF

Após ser acionado pelo Iphan, o Ministério Público Federal no Acre (MPF-AC) instaurou um inquérito civil público para investigar os danos causados aos sítios arqueológicos da Fazenda Crixa II, em Capixaba.

Além disso, foi requisitado que a Polícia Federal no Acre (PF-AC) também investigue o caso.

O MPF-AC disse que recebeu relatórios do Iphan sobre a situação e também uma denúncia do paleontólogo Alceu Ranzi alertando sobre as gravidades do problema.

“A destruição desse monumento é muito grave e, ao mesmo tempo, nos indica a necessidade de muita educação patrimonial para que os proprietários tomem conhecimento de que em suas áreas existem esses monumentos e a necessidade de preservá-los para o futuro”, explicou o paleontólogo. Do G1 Acre.